TANSAGEM

24/02/2020 14:48

Plantago major  L.

Plantaginaceae


Nomes populares: Tanchagem, tanchagem-maior, tanchás, tachá, tansagem, tranchagem, transagem, sete-nervos, tançagem, tanchagem-média, plantagem.

Origem ou Habitat: Nativa da Europa e naturalizada em todo o sul do Brasil (Lorenzi & Matos, 2002).

Características botânicas: planta herbácea, perene, ereta, não possui caule, pode chegar até 40 cm de altura. As folhas são dispostas em roseta basal, com pecíolo longo e lâmina membranácea com nervuras bem destacadas, de 15-25 cm de comprimento. Flores muito pequenas, hermafroditas, dispostas em inflorescências espigadas eretas sobre haste floral de 20-30 cm de comprimento, de cor verde-amarelada. Os frutos são cápsulas elipsóides de 2 a 4 mm de largura. As sementes são facilmente colhidas raspando-se entre os dedos a inflorescência. Multiplica-se por sementes. A raiz é fasciculada. Outras espécies, muito semelhantes, são utilizadas no Brasil para os mesmos fins na medicina popular, sendo a Plantago lanceolata Hook. de origem européia e a Plantago australis Lam. nativa do Sul e Sudeste do Brasil. Outra espécie, de origem oriental, Plantago ovata Forssk. é descrita com detalhes pelo dr. Jorge Alonso, no Tratado de Fitofármacos y Nutracêuticos, 2002, e apresenta os mesmo usos medicinais.

Partes usadas: Folhas e sementes.

Uso popular: No Brasil é considerada diurética, antidiarreica, expectorante, hemostática e cicatrizante, sendo empregada contra infecções das vias respiratórias superiores (faringite, amigdalite, estomatite), bronquite crônica e como auxiliar no tratamento de úlceras pépticas. Também são empregadas, tanto as flores como as sementes, contra conjuntivite e irritações oculares devidas a traumatismos. As sementes são utilizadas como laxante(neste caso deve-se beber água e colocar as sementes para inchar em água) e depurativas enquanto as folhas são empregadas internamente no tratamento da diarreia. Utilizada para tratar afecções de pele (acne e cravos), queimaduras e picadas de insetos. Usada como auxiliar no tratamento dos que querem deixar do hábito de fumar.

As folhas jovens são usadas como alimento em saladas e refogados.

Relato popular de uso em tensão pré menstrual (TPM).

Composição química:  Contém mucilagens de ácidos urónicos (3 a 6%), pectinas, glucosídeos iridóides (asperulósido, aucubósido), taninos, ácido cafeico e seus ésteres (clorogênico, neoclorogênico) e derivados do ácido cinâmico (acteósido), ácido silícico livre e combinado, cumarinas (esculetina), vários ésteres osídicos de ácido cafeico (verbascósido, plantamósido).³ Possui sais de potássio (até 0,5%), enzimas (invertina e emulsina), saponinas, vitamina C, flavonoides (plantaginina) e ácidos orgânicos (cítrico e málico). Um estudo sobre as quantidades de proteínas, açúcares, vitaminas e minerais explica o seu uso como alimentos.

Flavonoides: Luteolina, Apigenina, Baicaleína, dentre outros.

Alcalóides: Indicaina e plantagonina

Terpenoides e Esteróides: Ácido ursólico, ácido oleanólico, ácido de sitosterol, 18β-gliciretínico, dentre outros.

Iridóides: Aucubina, loliolide, asperuloside, majorósideo, dentre outros.

Acidos fenólicos: Plantamajosideo, verbacosideo, ácido clorogênico, ácido fumárico, ácido siríngico, ácido vanílico, dentre outros.

Ácidos graxos: Ácido lignocérico, ácido palmítico, ácido esteárico, dentre outros.

Polissacarídeos: Xilose, arabinose, ácido galacturônico, dentre outros.

Ações farmacológicas: As mucilagens têm efeito emoliente, antialérgico, expectorante e reduzem a assimilação intestinal dos glúcidos e lipídeos. Os glucosídeos iridóides têm ação anti-inflamatória, os taninos conferem-lhe atividade adstringente e as sementes possuem ação laxativa. Em um estudo, alguns compostos puros encontrados no extrato da planta demonstraram uma potente atividade antiviral. Entre eles, o ácido cafeico demonstrou forte atividade contra herpes-vírus (HSV-1 e HSV-2) e adenovírus (ADV-3) e o ácido clorogênico demonstrou atividade contra o adenovírus 11 (ADV-11). Em outro estudo, o extrato da planta exibiu atividade imunomodulatória, aumentando a proliferação de linfócitos e secreção de interferon-y em concentrações baixas.

Interações medicamentosas: No seu trajeto pelo intestino, as sementes podem interferir com a absorção de outros fármacos (glucosídeos cardiotônicos, derivados cumarínicos, vitamina B12, carbamazepina, sais de lítio, cálcio, cobre, magnésio e zinco), por este motivo deve-se ter precaução de não administrá-la junto a algum outro tratamento (Alonso, J., 2004).refere-se á P. ovata.

Efeitos adversos e/ou tóxicos: Para as sementes se menciona a possibilidade de gerar flatulência ou sensações de obstrução de esôfago ou intestino, principalmente quando a quantidade de líquido ingerido com a planta é insuficiente.

Contra-indicações: As sementes não devem ser administradas na presença de obstruções do trato gastrointestinal.

Evitar o uso em gestantes.

Posologia e modo de uso: Uso interno: como laxante e depurativo: infusão das sementes, preparado adicionando-se água fervente em um copo contendo uma colher de sopa de sementes deixadas em maceração durante a noite;

contra infecções das vias aéreas, fazer gargarejo de seu chá, 2 a 3 vezes por dia (2 colheres de sopa das folhas picadas para 1 xícara de chá de água fervente).

Para dores de garganta tomar 3 x ao dia a infusão de 1 colher de sopa de folhas picadas para 1 xícara de chá de água fervente.

Uso externo: cataplasma preparado com folhas amassadas, misturado com glicerina e aplicado sobre feridas, queimaduras e picadas de insetos;

para prostatites, é indicado banho de assento, de duração de 20 minutos, 2 vezes por dia, preparado através da fervura de 5 colheres de sopa de folhas picadas em 1 litro de água(Lorenzi & Matos, 2002; Panizza, 1997.

Observações: Existem outras espécies de Plantago usadas como remédio, apesar de informantes relatarem que Plantago major é melhor.

Referências: 

ALONSO, J. Tratado de Fitofármacos y Nutracéuticos. Rosario, Argentina: Corpus Libros, 2004. p. 633-635.

ADOM, Muhammad Bahrain et al. Chemical constituents and medical benefits of Plantago major. Biomedicine & Pharmacotherapy, [s.l.], v. 96, p.348-360, dez. 2017.

CUNHA, A. P., SILVA, A. P., ROQUE, O. R. Plantas e Produtos Vegetais em Fitoterapia. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2003. p. 600-601.

DRESCHER, L. (coordenador). Herbanário da Terra: Plantas e Receitas. Laranja da Terra, ES: ARPA (Associação Regional dos Pequenos Produtores Agroecológicos), 2001. p. 109.

CHIANG, L. C. et al W. In Vitro Cytotoxic, Antiviral and Immunomodulatory Effects of Plantago major and Plantago asiatica. The American Journal of Chinese Medicine (AJCM). 2. ed. v. 31, 2003. p. 225-234.

CHIANG, L. C. et al. Antiviral activity of Plantago major extracts and related compounds in vitro. Antiviral Research, v.55, n. 1, p. 53-62, July 2002.

LORENZI, H.; MATOS, F. J. A. Plantas Medicinais no Brasil: nativas e exóticas. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2002. p. 382-383.

PANIZZA, S. Plantas que curam: cheiro de mato. 5. ed. São Paulo: IBRASA, 1997. p 190-191.

REVILLA, J. Plantas da Amazônia: oportunidades econômicas e sustentáveis. Manaus: [s. i.], 2000. p. 75-78.

SAMUELSEN, Anne Berit. The traditional uses, chemical constituents and biological activities of Plantago major L. A review. Journal Of Ethnopharmacology, [s.l.], v. 71, n. 1-2, p.1-21, jul. 2000.

STUART, M. Enciclopedia de Hierbas y Herboristería. Barcelona: Ediciones Omega S. A., 1981. p. 241-242.

Tags: AntidiarreicoBronquiteCicatrizanteDepurativoDiuréticoExpectoranteHemostáticoLaxanteQueimaduraÚlceras

SUCUPIRA-BRANCA

22/02/2020 17:14

Pterodon emarginatus  Vogel.

Fabaceae 


SinonímiasPterodon polygalaeflorus (Benth.) Benth.; Sweetia inornata Mohlenbr.; Acosmium inornatum (Mohlenbr.) Yakovlev (LIMA).

Nomes populares: Sucupira, sucupira-branca, fava-de-sucupira, fava-de-santo-inácio, faveiro, faveira, sucupira lisa.

Origem ou Habitat: Nativa do Brasil (Caatinga e Cerrado).

Características botânicas: Árvore majestosa, de copa piramidal de 5 a 16 m de altura, 40 a 60 cm de diâmetro do tronco, o qual é revestido por casca lisa branco-amarelada; folhas alternas, compostas (LORENZI; MATOS, 2002), 4 – 10 folíolos (geralmente 6-8), glabros, ovados, folíolos com ápice de truncado a fortemente emarginado; ráquis glabra ou glabrescente, flores roxas e os botões apresentam forma obovada, ápice bem arredondado e mais largo que a base(ROCHA, 2006). As raízes podem formar expansões ou túberas denominadas “batatas-de-sucupira”, órgãos de reserva da planta (LORENZI; MATOS, 2002).

Partes usadas: Cascas, folhas, frutos.

Uso popular: A madeira é muito resistente, sendo usada na construção civil. Da casca é produzido um óleo volátil e aromático, muito eficiente no tratamento dos reumatismos. As “batatas-de-sucupira” são usadas para o diabetes (LORENZI; MATOS, 2002). A sucupira-branca também é usada para dor de garganta, problemas de coluna e até como depurativo e fortificante (LORENZI; MATOS, 2002)(CARVALHO, 2004). Na região Centro-Oeste existem relatos do uso do chá das cascas para infecções ginecológicas  (SANTOS, 2010).

Composição química: Estudos fitoquímicos do gênero Pterodon revelaram a presença de alcalóides na casca, isoflavonas e alguns triterpenos no caule e diterpenos e isoflavonas em óleo das sementes (SANTOS, 2010)(DUTRA, 2009). Um estudo de espectrometria de massa mostrou 8 sesquiterpenos entre eles o E-cariofileno , gama- muruleno e biciclogermacreno. Uma série de furanos diterpenos foi isolada de todas as espécies de Pterodon. Alguns autores mencionam para estes diterpenos do tipo furano, uma relevante capacidade de extinção do oxigênio “singlet” envolvida em vários processos deletérios no organismo (ação antioxidante).

Alguns diterpenos encontrados: metil6a,7b-diacetoxi-12-16-dihidro-12;14-dihidroxi-16-oxovinhaticoato; metil6a,7b-diacetoxi-14-hidroxivinhaticoato;7b-acetoxivouacapânico; 6a,7b-diacetoxivouacapânico; 6a,7b,14b-triol; metil6a,7b-diacetoxi-12-16-dihidro-12;14-dihidroxi-16-oxovinhaticoato;6a,7b-diacetoxivouacapânico-14b-al;6a,7b-diacetoxivouacapânico-14b-oato;ácido 6a,7b-dihidroxivouocapan-17b-óico (composto majoritário em P. emarginatus);6a-hidroxi-7b-acetoxi-vouocapan-17b-oato de metila e 6a-hidroxi-7b-acetoxi-vouocapan-14-eno

Ações farmacológicas: O diterpeno 14,15-epoxigeranilgeraniol e alguns derivados, isolados em P. pubescens (CARVALHO, 2004) têm sido associado com atividade protetora contra a penetração de cercarias do Schistossoma mansoni, parasito responsável pela esquistossomose (LORENZI; MATOS, 2002),(CARVALHO, 2004),(SANTOS, 2010),(DUTRA, 2009),(DUTRA, 2009).

Outro estudo desta espécie mostrou atividade contra dor aguda e crônica em modelos animais  (Nucci, 2012)

Um estudo em 1998 verificou a atividade antiinflamatória do extrato bruto dos frutos de Pterodon emarginatus em diferentes modelos animais, atribuindo esta ação à presença de compostos terpênicos (ROCHA, 2006).

Um estudo que utilizou em camundongos vários modelos de úlcera gástrica, encontrou atividade oral antiulcerogênica e anti-inflamatória pronunciada do óleo essencial de Pterodon emarginatus, justificando os usos da sucupira na medicina tradicional e abrindo caminho para novas terapêuticas em doenças inflamatórias (DUTRA, 2009).

Interações medicamentosas: não há relatos na literatura consultada.

Efeitos adversos e/ou tóxicos: Lesões hepáticas discretas e leve toxicidade glomerular encontrados em animais são características do uso subcrônico de compostos terpênicos, portanto o uso do óleo de sucupira não deve ultrapassar quinze dias, retornando o tratamento após sete dias, quando necessário (CARVALHO, 2004).

Contra-indicações: Não foram encontradas na literatura consultada. Como recomendação geral deve-se evitar o uso na gravidez e lactação e aos portadores de doença hepática e /ou renal. O uso do óleo de sucupira não deve ultrapassar quinze dias consecutivos(CARVALHO, 2004).

Posologia e modo de uso: Nas referências não há estudos clínicos sobre o uso de sucupira; uma fonte consultada, baseada na informação popular e em resultados de testes pré-clínicos, sugere a dose de 220mg do óleo de sucupira três vezes ao dia, podendo chegar a até 300mg três vezes ao dia, em quadros inflamatórios e infecciosos, por quinze dias(CARVALHO, 2004).

Temos observado o uso da decocção na dose de um fruto/semente em 1 litro de água, ferver por 10 minutos, coar e tomar 3 xícaras ao dia, por não mais de 2 semanas, com intervalos de 7 dias.

Devido ao uso popular frequente de espécies de Pterodon e da Bowdichia virgilioides, também chamada de sucupira, são necessários estudos de segurança e eficácia que permitam o uso adequado destas espécies.

Observações: Há outra espécie, Bowdichia virgilioides Kunth ,também chamada de sucupira embora tenha morfologia bem diferente principalmente os frutos (LORENZI; MATOS, 2002) – seus frutos são legumes, indeiscentes, achatados, contendo pequenas sementes com 3 a 5 mm de comprimento, apresentando coloração avermelhada (LORENZI, 1992) e é citada na 1ª ed. da farmacopéia brasileira.

Segundo as bases International Plant Names Index, 2005, (POLHILL; RAVEN; ATIRTON, 1981), e W3Trópicos, o gênero Pterodon Vog. (Fabaceae, Papilionoideae, Dipteryxeae) possui seis espécies e pela Lista de Espécies Brasileiras possui quatro espécies(LIMA).

Existe uma confusão muito grande entre diversos autores e bases quanto à sinonímia da espécie Pterodon emarginatus Vogel sensu Lewis, por exemplo:

Lorenzi: Acosmium inornatum (Mohlenbr.) Yakovle., Pterodon pubescens (Benth.) Benth., Sweetia inornata Mohlenbr.(LORENZI; MATOS, 2002).

Carvalho: Pterodon pubescens (Benth.) Benth.(CARVALHO, 2004)

Tropicos.org: Acosmium inornatum (Mohlenbr.) Yakovlev, Pterodon polygaliflorus (Benth.) Benth., Pterodon pubescens (Benth.) Benth., Sweetia inornata Mohlenbr.

Lista de Espécies da Flora do Brasil: Acosmium inornatum (Mohlenbr.) Yakovlev, Pterodon polygalaeflorus Benth., Sweetia inornata Mohlenbr.(LIMA).

Um trabalho de Rocha (2006), inclusive utilizado pela Lista de Espécies da Flora Brasileira como referência (http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2012/FB029843), através de análises moleculares e morfológicas concluiu que P. polygalaeflorus (Benth.) Benth. é sinônimo de P. emarginatus Vog. (corresponde à morfo roxa) e P. pubescens deve ser mantida como espécie distinta (corresponde à morfo rósea).

Neste caso, considerando-se a prioridade de publicação, o nome válido para a espécie é P. emarginatus Vog. sendo P. polygalaeflorus (Benth.) Benth. um sinônimo desta (ROCHA, 2006), como usamos neste texto.

Referências: 

CARVALHO, J. C. et al. Anti-inflammatory activity of the crude extract from the fruits of Pterodon emarginatus Vog. Journal of Ethnopharmacology, v. 64, n. 2, p.33-127, 1 fev. 1999.

CARVALHO, J. C. T. Fitoterápicos anti-inflamatórios: aspectos químicos, farmacológicos e aplicações terapêuticas. São Paulo: Tecmedd, 2004.

CORRÊA, M. P. Dicionário das plantas úteis do Brasil e das exóticas cultivadas (1926-1978). 6. v. Rio de Janeiro: IBDF, 1984.

DUTRA, R. C. et al Antiulcerogenic and anti‐inflammatory activities of the essential oil from Pterodon emarginatus seeds. Journal of Pharmacy and Pharmacology, v. 61, n. 2, p. 50-243, 2009.

DUTRA, R.C. et al. Atividades antimicrobiana e leishmanicida das sementes de Pterodon emarginatus Vogel. Brazilian Journal of Pharmacognosy, v. 19, n. 2A, p.35-429, 2009.

LIMA, H. C. Pterodon In: Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. (http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2012/FB029843) – Acesso em: fevereiro de 2012.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa: Plantarum, 1992. 352 p.

LORENZI, H.; MATOS, F. J. A. Plantas medicinais no Brasil: nativas e exóticas. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2002.

NUCCI, C. et al. Oleaginous extract from the fruits Pterodon pubescens Benth induces antinociception in animal models of acute and chronic pain. J. Ethnopharmacol. 21 Jun 2012.

POLHILL, R. M., RAVEN, P. H., ATIRTON, C. H. Evolution and systematics of the Leguminosae. In: POLHILL, R. M., RAVEN, P. H. (ed.) Advances in Legume Systematics. Kew, UK:Royal Botanic Gardens, 1981. part 1, p. 1-26 .

REUNIÃO ANUAL DA SBPC, 58ª, 2006, Florianópolis. Anais. Julho 2006. Disponível em: http://www.sbpcnet.org.br/livro/58ra/SENIOR/RESUMOS/resumo_2221.html – Acesso em: 07 fevereiro 2012.

ROCHA, D. M. S. Aspectos taxonômicos, genéticos e reprodutivos de Pterodon pubescens (Benth.)Benth. e Pterodon emarginatus Vog. (Leguminosae, Dipteryxeae). 2006. 117 f. Tese (Doutorado) – Universidade Estadual de Campinas, Campina, SP.

SANTOS, A. P. et al. Composição química, atividade antimicrobiana do óleo essencial e ocorrência de esteróides nas folhas de Pterodon emarginatus Vogel, Fabaceae. Brazilian Journal of Pharmacognosy, v. 20, n. 6, p. 6-891, 2010.

Tropicos.org. Missouri Botanical Garden. http://www.tropicos.org – acesso em 31 Jan 2012.

http://www.asplantas.com.br/fotos/Pterodon_emarginatus.jpg&imgrefurl – acesso 08/fevereiro/2012.

http://www.flickr.com/photos/buzatti/5872994168/in/photostream – acesso 09/fevereiro/2012.

Tags: ConstruçãoDepurativoReumatismo

SETE-SANGRIAS

22/02/2020 17:03

Cuphea carthagenensis   (Jacq.) J.F.Macbr

Lythraceae 


SinonímiasBalsamona pinto Vand., Cuphea balsamona Cham. & Schltdl., Lythrum carthagenense Jacq., Cuphea pinto Koehne.

Nomes populares: Sete-sangrias, erva-de-sangue, pé-de-pinto, guanxuma-vermelha.

Origem ou Habitat: É nativa de toda a América do Sul e ocorre como planta ruderal de crescimento espontâneo em pastagens e terrenos baldios de todo o Brasil, sendo considerada indesejada pelos agropecuaristas.

Características botânicas: Cuphea carthagenensis é uma erva ereta, com até 0,6 m de altura, muito ramificada, setosa-pubescente, caule avermelhado, às vezes base lenhosa. Folhas 0,9-3,5 c, de comprimento e 0,4-1,6cm de largura, simples, opostas, elípticas a lanceoladas, ásperas, pecioladas, pubescentes. Flores com 2 bracteolas, dispostas nas axilas das folhas, cerca de 0,5 cm de comprimento, cálice gamossépalo, internamente piloso, pétalas violáceas ou rosadas, obovadas, presas no ápice do cálice, estames inclusos, inseridos mais ou menos na metade do cálice, ovário súpero. Semente alada.

Uso popular: Segundo as comunidades da Ilha de Santa Catarina as partes aéreas C. carthagenensis são empregadas na forma de decocto, internamente como depurativo do sangue, para ativação da circulação, em distúrbios do coração, para diminuir a taxa de colesterol e para diabetes.Outra espécie de sete-sangrias , a C. calophylla Cham.& schltdl. é utilizada nestas comunidades com as mesmas indicações.

Segundo a literatura as plantas do gênero Cuphea são consideradas na medicina popular como laxativas e anti-inflamatórias (SOEZIMA et al., 1992); febrífugas (HOEHNE, 1939; GONZÁLEZ et al., 1994); depurativas (HOEHNE, 1939; GRENAND et al., 1987). Na Guatemala, o decocto de Cuphea carthagenensis é utilizado no tratamento da gonorréia e no Brasil é usado como antimalárico. No México, o extrato aquoso das folhas frescas de Cuphea calophylla é utilizado como hipotensor e diurético. Cuphea glutinosa é considerada emenagoga e o decocto de Cuphea strigulosa é usado no Peru como antidiarréico e estomáquico (GONZÁLEZ et al., 1994), em irritação das vias respiratórias e insônia como indicação popular , e uso comprovado na prevenção de doenças cardiovasculares, diminuição do colesterol e e antioxidante (MARONI 2006 plantas botucatu);em doses mais concentradas o infuso é usado externamente para psoríase e outras dermatoses (FRANCO 2004 med. Dos simples).

Composição química: Estudos demonstraram que as partes aéreas de Cuphea carthagenensis contêm os ácidos graxos, ácido láurico e ácido mirístico, β-sitosterol, estigmasterol, β-amirina, ácidos betulínico e ursólico, além da nova substância cartagenol (GONZÁLEZ et al., 1994).

Efeitos adversos e/ou tóxicos: A literatura consultada não informa sobre efeitos adversos nas doses recomendadas. Doses altas podem causar diarréia (Terra ,água e chá 1995);não é indicado o uso em crianças ( LORENZI 2008 ) Uma pessoa que usou a Cuphea carthaginensis referiu ter tido reação alérgica (coceira pelo corpo, picaçada) e que, após três tentativas de uso com a mesma reação , atribuiu o fato ao uso da planta.(informação coletada por Simionato,C.).

Contra-indicações: Estudos em ratos não mostraram alterações na gestação, não significando que possa ser usada em humanos sem mais pesquisas. Também não é indicado seu uso em crianças.

Posologia e modo de uso: Infuso –uma colher de sobremesa da parte aérea em 1 xícara de água ,tomar até 3 xícaras ao dia

Xarope – preparar ao infuso 1 xícara média de açúcar, levar ao fogo até dissolver e tomar uma colher de sopa 3 vezes ao dia para tosse, respiração difícil e insônia (LORENZI 2008).

Observações: Várias espécies de Cuphea são denominadas popularmente “sete-sangrias”. Este nome foi dado pelo caboclo brasileiro por acreditar, ainda no tempo em que se usava fazer sangria nos doentes, que seu infuso valia por sete “sangrias”. O gênero Cuphea, com mais de 200 espécies, encontra-se distribuído em vários países, sendo no Brasil a sua maior representação (HOEHNE, 1939).

Existem no Brasil outras espécies deste gênero com características, propriedades e nomes populares semelhantes: Cuphea racemosa (L.f.)Spreng., Cuphea mesostemon Hoehne e Cuphea calophylla Cham&sch.

Referências: 

FRANCO, I. J.; FONTANA, V. L. Ervas e plantas: A medicina dos simples. 6.ed. Erechim: EDELBRA, 2001. 207 p.

HOEHNE, F. C. Plantas e substâncias vegetais tóxicas e medicinais. São Paulo: Departamento de Botânica do Estado, 1939. p. 206-209.

GONZÁLEZ, A. G.; VALENCIA, E.; BERMEJO BARRERA, J.; GRUPTA, M. P. Chemical components of Cuphea species. Carthagenol: a new triterpene from C. carthagenensis. Planta Med., [S.I.], v. 60, p. 592-593, 1994.

GRENAND, P.; MORETTI, C; JACQUEMIN, H. Pharmacopéas tradicionales en Guyane. Paris: Orstom, 1987

LORENZI, H.; MATOS, F. J. A. Plantas Medicinais no Brasil: nativas e exóticas. 2.ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2008.

MARONI, B. C.; DI STASI, C.; MACHADO, S. R. Plantas medicinais do cerrado de Botucatu: guia ilustrado. São Paulo: UNESP, 2006. 194p.

SOEZIMA et al., 1992)

http://toptropicals.com/catalog/uid/cuphea_carthagenensis.htm – acesso em 09/06/2011

http://www.virboga.de/Cuphea_carthagenensis.htm – acesso em 09/06/2011

http://www.hear.org/starr/images/species/?q=cuphea+carthagenensis&o=plants&s=date

– acesso em 09/06/11

htpp://www.tropicos.org – acesso em 09 de junho de 2011.

Tags: Anti-inflamatórioDepurativoDiuréticoEmenagogoEstomáquicoFebrífugaHipotensorInsôniaLaxativas

SERRALHA

22/02/2020 16:57

Sonchus oleraceus   L.

Asteraceae (Compositae)


SinonímiasSonchus ciliatus Lam., Sonchus gracilis Phil., Sonchus mairei H. Lév., Sonchus maritimus Sessé & Moc.

Nomes populares: Serralha, serralha-mansa, serralha-verdadeira, ciúmo, chicória-lisa(Brasil), cerraja (Espanha, Honduras, Panamá), serraja (Espanha, Costa Rica), serrajilla (Espanha, Costa Rica) , soncho (Espanha, Honduras) , Achicoria (Espanha, Mexico, Yucatán), chicoria (Espanha, Mexico, Yucatán), , colmillo de león (Espanha, Honduras) , hierba del sapo (Espanha, Honduras) , ku ju cai (pinyin, China), lechuga silvestre (Espanha, Mexico, Yucatán), lechuguilla (Espanha, Costa Rica, Guatemala), annual sow-thistle (Ingles, Canada).

Origem ou Habitat: É nativa da Europa e naturalizada em todo território brasileiro(LORENZI & MATOS, 2008). Atualmente é adventícia em todo o mundo.

Características botânicas: Herbácea anual, ereta, medindo de 40 a 110 cm de altura, talo redondo, oco, com seiva leitosa em seu interior, glabra, pouco ramificada, folhas sésseis, as superiores inteiras e as inferiores runcinadas(folha oblanceolada com margem partida ou lacerada), de base auriculada (Auriculada: base termina por um par de pequenos lobos, cada um dos lobos semelhante a uma orelha humana), de 6-17 cm de comprimento. Flores liguladas, reunidas em capítulos grandes, dispostos em panículas terminais. Os frutos são aquênios lanceolados, contendo um tufo de pêlos em uma das extremidades, facilitando sua disseminação.

Partes usadas: Planta inteira.

Uso popular: No Brasil o chá da planta é usado como digestivo e diurético e para problemas hepáticos e intestinais. A mesma infusão é utilizada em aplicações externas para lavar feridas.

Na Bolívia é empregado o cozimento da planta inteira para tratar cólicas hepáticas e alterações da menstruação. Também como depurativo, calmante, colagogo e diurético.

Na Guatemala a infusão das folhas é empregada como depurativo e antisséptico urinário. A infusão da planta inteira como febrífugo, antirreumático e hepatoprotetor. Externamente em casos de erisipela, urticária e feridas de pele.

Na Argentina é indicada para acessos de tosse, em inflamações renais e hepáticas, e por via externa na cicatrização de úlceras varicosas.

No Peru a infusão das folhas é recomendado em caso de úlceras, como digestivo, antiflatulento, antiespasmódico, hepático e intestinal, e como depurador sanguíneo.

Os Mapuches empregam a decocção da raiz como refrescante e digestiva.

Em Tobago utilizam a infusão das folhas em casos de gripes e resfriados.

Na Europa, além de seu emprego como digestivo, é recomendado em casos de ascite.

Na alimentação, as folhas e os brotos tenros da serralha são consumidas em saladas e sopas.

Composição química: Destacam-se óleos essenciais, esteróides, resinas, glicídios, fitosterina (látex), taninos, derivados terpênicos, pigmentos flavonóides (apigenina, kaempferol, luteolina), crisanthemina, cinarina, isocinarina, taraxasterol, glucosaluzanina C, sais minerais.

Ações farmacológicas: Diurética, antimicrobiana, colerética, colagoga, hepatoprotetora, hipocolesterolemiante.

Efeitos adversos e/ou tóxicos: O látex da planta fresca pode ocasionar dermatite de contato.

Contra-indicações: Não utilizar em grávidas nem em mulheres que amamentam.

Posologia e modo de uso: Decocção ou Infusão: 1 colher (sobremesa) de folhas picadas para cada xícara de água fervente. Ferver por 5 minutos. Tomar 3 xícaras ao dia, depois das refeições.

Pasta com glicerina: picar 3 colheres (sopa) da planta fresca, juntar 1 colher (sopa) de glicerina. Amassar até formar uma pasta. Esparramar em gaze e aplicar 2-3 vezes ao dia sobre a área afetada.

Observações: Existe uma espécie semelhante chamada Sonchus asper (L.) Hill. – Sinonímias: Sonchus oleraceus var. asper L., Sonchus carolinianus Walter, Sonchus spinosus Lam., Sonchus gigas Boulos, etc.

Nomes populares: Cerraja (Espanha, Panama), hua ye dian ku cai (pinyin, China), spinny annual sow-thistle (Ingles, Canada).

Existe uma espécie chamada Emilia fosbergii Nicolson – Sinonímias: Emilia sonchifolia var. rosea Bello, Emilia javanica (Burm. f.) C.B. Rob., etc.

Nomes populares: serralhinha, bela emília, pincel (Espanha, Honduras), pincelillo (Espanha, Honduras), lamparita (Espanha, El Salvador), Cupid’s-shaving-brush (Ingles, Estados Unidos), ying rong hua (pinyin, China) , etc.

ATENÇÃO, na composição química possui alcalóides pirrolizidínicos, sendo desaconselhado seu uso na alimentação e na forma de chá.

A serralha (Sonchus oleraceus) também é confundida com o dente-de-leão (Taraxacum officinale).

Referências: 

ALONSO, J. Tratado de Fitofármacos y Nutracéuticos. Rosario, Argentina: Corpus Libros, 2004. DRESCHER, Lírio (coord.). Herbanário da Terra – Plantas e Receitas. Laranja da Terra-ES: ARPA (Associação Regional dos Pequenos Produtores Agroecológicos), 2001. LORENZI, Harri; MATOS, Francisco José de Abreu. Plantas Medicinais no Brasil: nativas e exóticas. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2008. LORENZI, H. Manual de identificação e controle de plantas “daninhas”: plantio direto e convencional. 6ª Ed. Nova Odessa – SP – 2006.

www.joinville.udesc.br/sbs/professores/…/morfvegetalorgaFOLHA.pdf – acesso em 26 de abril de 2013.

http://www.tropicos.org/Name/2711967

– acesso em 12 de abril de 2013.

http://www.tropicos.org/Name/2701342?tab=synonyms – acesso em 12 de abril de 2013.

http://www.tropicos.org/Name/2702411 – acesso em 12 de abril de 2013.

Tags: Anti-inflamatórioCalmanteCicatrizanteColagogoCólicaDepurativoDigestivoDiuréticoFebrífugaFeridasFlatulênciaTosse

QUEBRA-PEDRA

18/02/2020 22:43

Phyllanthus niruri   L.

Phyllanthaceae (ex Euphorbiaceae)


SinonímiasPhyllanthus asperulatus Hutch, Phyllanthus filiformis Pav. ex baill, Phyllanthus lathyroides Kunth, Phyllanthus niruri var. genuinus Müll. Arg.

Nomes populares: Erva-pombinha, erva-de-bombinha, arrebenta-pedra e erva-de-quebrante.

Origem ou Habitat: América.

Características botânicas: Phyllanthus ninuri é uma erva ereta com até 50 cm de altura, caule muito fino, folhas dísticas, oblongas, curto-pecioladas e base assimétrica, com até 1 cm de comprimento, cuja disposição nos râmulos faz lembrar folhas compostas pinadas, com estípulas avermelhadas. Flores unissexuais, pequenas, amarelas ou esverdeadas, dispostas na parte inferior dos ramos. Fruto capsular medindo até 1 mm de diâmetro.

Euphorbia prostata é uma erva rasteira, pilosa, latescente, de talos rosados, folhas de 0,2-1,1 cm de comprimento e 0,5 cm de largura, simples, largo-elípticas até abovadas ou ovadas, assimétricas na base, membranosas, alternas. Inflorescência tipo ciátio isolado, saindo do caule e ramos laterais, de até 0,1 cm de diâmetro. Fruto tipo cápsula, de cerca de 0,1 cm de diâmetro.

Partes usadas: Toda a planta, folhas, frutos, sementes e raízes.

Uso popular: Segundo as comunidades da Ilha as partes aéreas ou a planta toda são empregadas na forma de infuso ou decocto para o tratamento de pedras nos rins e como diurético ,dor nas costas.

Segundo a literatura o decocto da planta inteira é empregado contra febres palúdicas e hidropsia (acúmulo de serosidades em qualquer parte do corpo) (CUELLAR & ESTEVEZ, 1980). WENIGER & ROBINEAU (1988) citam o uso da planta inteira como depurativo, diurético, antidiabético e como febrífugo. A raiz de quebra-pedra é usada para curar a icterícia, quando raspada e moída com leite (CUELLAR & ESTEVEZ, 1980) ou como decocção com xarope de raspas de laranja (LUTZEMBERGER, 1985). Nas afecções hepáticas são usadas em chás caseiros tanto as raízes, quanto as folhas (SOUZA et al., 1991). As últimas também têm sido empregadas como tônico, antidiabético e para combater as cólicas renais e da bexiga proveniente de cálculos (CUELLAR & ESTEVEZ, 1980). O suco dos frutos é administrado nos casos de glicosúria (LUTZEMBERG, 1985.

Composição química: As partes aéreas de Phyllanthus niruri apresentam lignanas, alcalóides, triterpenos e flavonóides. A semente possui óleo fixo, contendo ácido linolênico, compostos flavônicos, triterpenóides derivados do lupeol e esteróides (GUPTA et al., 1984; SYAMASUNDAR et al.,1985; JOSHI et al.,1986; HNATYSZYN et al., 1987; NEGI & FAKHIR, 1988; TEMPESTA et al., 1988; SINGH et al., 1989; HUANG et al., 1992.

Alcalóides: nor‐securinina, securinina, filocrisina e filantina.

Flavonóides: Quercetina, quercetol, quercitrina , rutina, catequina, gallocatequina, niruriflavona, cianidina, antocianidina, astragalina, dentre outros.

Lignanas: Nirtetralina, hipofilantina, lintetralina, dentre outros.

Ácidos fenólicos: Salicilato de metila, ácido protocatecuico, ácido salicílico, dentre outros.

Taninos: Ácido gálico, corilagina, ácido elágico, elagitanina, dentre outros.

Terpenos: Limoneno, p-Cimeno e lupeol

Ácidos fenólicos: Ácido 1-cafeoil-5-feruloilquinico , ácido 4-sinapoilquinico , ácido 5 -p-coumaroilquinico, dentre outros. -Furanocumarinas: Isopimpinelina (Toxico)

Saponinas: Diosgenin, nirurisideo e β-glucogalina.

Ações farmacológicas: A ação antiespasmódica de extratos de Phyllanthus niruri pode estar relacionada aos alcalóides ou flavonóides presentes (CALIXTO et al., 1984; SOUSA et al., 1991). Estudos clínicos realizados com o chá de quebra-pedra permitiram concluir a respeito do seu efeito benéfico no tratamento de litíase, facilitando a eliminação de cálculos já formados. Além disso, houve um retardo no crescimento de cálculos vesicais a nível experimental em ratos. O uso por 3 meses não causou efeito tóxico crônico, assim como não provocou modificações no volume urinário ou nos parâmetros bioquímicos do sangue e urina analisados (SANTOS, 1990). Os extratos hidroalcoólicos de Phyllanthus niruri, P. tenellus, P. urinaria e P. corcovadensis mostraram potente ação antinoceptiva em vários modelos experimentais (GORSKI et al., 1993; SANTOS et al., 1995). Alguns compostos acíclicos (SINGH et al., 1989) e um efeito protetor de extratos aquosos contra substâncias citotóxicas (DHIR et al., 1990). Para extratos de Phyllanthus niruri e Phyllanthus amarus tem sido relatado um efeito benéfico no tratamento de hepatite B; entretanto, os resultados de vários experimentos realizados para demonstrar esta atividade, são conflitantes (VENKATESWARAN et al., 1987; MEHROTRA et al., 1990; THAMLIKITKUL et al., 1991; YEH et al., 1993; DOSHI et al., 1994; BLUMBERG et al., 1989; LEELARASAMEE et al., 1990; THYAGARAJAN et al., 1988; NIU et al., 1990). O extrato aquoso de P. niruri inibiu a transcriptase reversa do vírus tipo-1 da síndrome da imunodeficiência humana “HIV-1-RT” (OGATA et al., 1992).

O tratamento da hepatite B com quebra-pedra foi patenteado por uma empresa norte-americana, sendo que este efeito é obtido com cápsulas gastroresistentes, uma vez que as substâncias com atividade antiviral são degradadas no estômago (MATOS, 1994)..

Interações medicamentosas: não são relatadas e não há estudos.

Efeitos adversos e/ou tóxicos: Planta bem tolerada nas doses usuais, em altas doses pode causar diarréia, diurese acentuada e hipotensão.(ALONSO,2004).

Contra-indicações: A espécie Phyllanthus niruri deve ser evitada na gestação e lactação(ALONSO,2004); por precaução, as outras espécies de Phyllanthus também devem ser evitadas.

Posologia e modo de uso: Preparar o abafado com uma colher de sobremesa para 1 xícara de água quente , verter a água sobre a planta rasurada, cobrir por 10 minutos, coar e tomar 1 xícara 3x ao dia por 3 semanas.

Observações: Além da espécie Phyllanthus niruri outras espécies são utilizadas como por exemplo a Phyllanthus sellowianus Mull. Arg., Phyllanthus urinaria L., Phyllanthus tenellus Roxb. e uma planta de outro gênero da família Euphorbiaceae –Euphorbia prostata Aiton – são igualmente utilizadas como quebra-pedra.

Referências: 

ALONSO, J. Tratado de Fitofármacos y Nutracéuticos. Rosario, Argentina: Corpus Libros, 2004.

BAGALKOTKAR, G. et al. Phytochemicals fromPhyllanthus niruriLinn. and their pharmacological properties: a review. Journal Of Pharmacy And Pharmacology, [s.l.], v. 58, n. 12, p.1559-1570, dez. 2006. Wiley.

CALIXTO, J.B. et al Antispasmodic effects of an alkaloid extracted from Phyllanthus sellowianus: a comparative study with papaverine. Bras. J. Med. Biol. Res., [S.I], v. 17, p. 313-21, 1984

CUELLAR, A.C.; ESTEVEZ, P.F. Estúdio fitoquímico preliminar de plantas cubanas. V. Phyllanthus niruri, Euphorbiaceae. Rev. Cub. Farm., v. 14, n. 1, p. 63-68, 1980.

DHIR, H. et al. Protection afforded by aquous extracts of Phyllanthus species against cytotoxicity induced by lead and aluminium salts. Phytotherapy Res., v. 4, n. 5, p. 6-172, 1990.

GORSKI, F. Potent antinociceptive activity of a hydroalcoholic extract of Phyllanthus corcovadensis. J. Pharm. Pharmacol., v. 45, p. 9-1046, 1993.

GUPTA, D.R.; AHMAED, B. Nirurin: a new prenylated flavanone glycoside from Phyllanthus niruri. J. Nat Prod., v. 47, n. 6, p. 63-958, 1984.

GUPTA, Mahabir P. (ed.). 270 Plantas Medicinales Iberoamericanas. Santafé de Bogotá, D. C. – Colômbia: CYTED-SECAB, 1995.

HUANG, Y.L; CHEN, C.C.; OU, J.C. Isolintetralin: a new lignan from Phyffanthus niruri. Planta Med., v.58, p.473, 1992.

JOSHI. B.; GAWAD, D.H.; PELLETIER, S.W.; KARTHA, G.; BHANDARY, K. Isolation and structure (X-ray analysis) of ent-norsecurinine, an alkaloid from Phyllanthus rerun. J. Nat Prod., v.49, n.4, p. 614-20, 1986.

LEELARASAMEE, A.; TRAKULSOMBOON, S.; MAUNWONGYATHI, P.; SOMANABANDHU, A.; PIDETCHA, P.; MATRAKOOL, B.; LEBNAK, T.; RIDTHIMAT, W.;

CHANDANAYINGYONG, D. Failure of Phyllanthus amarus to eradicate hepatitis B surface antigen from symptomless earners. Lancet, v.335, n.8705, p. 1600-1, 1990.

LUTZENBERGER, L. Revisão da nomenclatura e observações sobre as angiospermas citadas na obra de Manuel Cypriano D’Ávila: “Da flora medicinal do Rio Grande do Sul”. Porto Alegre: Faculdade de Biologia da UFRGS, 1985.

LUTZENBERGER, L. Revisão da nomenclatura e observações sobre as angiospermas citadas na obra de Manuel Cypriano D’Ávila: “Da flora medicinal do Rio Grande do Sul”. Porto Alegre: Faculdade de Biologia da UFRGS, 1985. Dissertação de Bacharelado em Ciências Biológicas, ênfase em Botânica.

MATOS, F.J.A. Farmácias Vivas – Sistemas de Utilização de Plantas Medicinais Projetado para Pequenas Comunidades. Fortaleza: EUFC, 1994.

NEGI, R.S. & FAKHIR, T.M. Simplexine (14-hydroxy-4-methoxy-13,14-dihydronorsecurinine): an alkaloid from Phyilanthus simplex. Phytochemistry, v.27, n.9, p.3027-8,1988.

OGATA, T.; HIGUCHI, H.; MOCHIDA, S.; MATSUMOTO, H.; KATO, Α.; ENDO. T.; KAJI, Α.; KAJI, H. HIV-1 reverse transcriptase inhibitor from Phyilanthus niruri. AIDS Res. Hum. Retroviruses, v.8, η.11, p.1937-44, 1992.

QI, Weiyan; HUA, Lei; GAO, Kun. Chemical Constituents of the Plants from the Genus Phyllanthus. Chemistry & Biodiversity, [s.l.], v. 11, n. 3, p.364-395, mar. 2014.

SANTOS, D.R. Chá de quebra-pedra (Phyllanthus niruri) na litíase urinária em humanos e em ratos. Tese. Curso de Pós-Graduação em Nefrologia. Escola Paulista de Medicina. Doutorado. São Paulo. 1990.

SINGH et al., 1989)

SOUSA, M. P.; MATOS, M. E. O.; MATOS, F. J. A.; MACHADO, M. L. L; CRAVEIRO, A. A. Constituintes químicos ativos de plantas medicinais brasileiras. Fortaleza: EUFC, 1991.

SYAMASUNDAR, K.V.; SINGH, B.; THAKUR, R.S.; HUSAIN, Α.; KISO, Υ.; HIKINO. H. Antihepatotoxic principles of Phyilanthus nirvri herbs. J. of Ethnopharmacology, V.14, p.41-4, 1985.

VENKATESWARAN et al., 1987; MEHROTRA et al., 1990; THAMLIKITKUL et al., 1991; YEH et al., 1993; DOSHI et al., 1994; BLUMBERG et al., 1989;

LEELARASAMEE et al., 1990; THYAGARAJAN et al., 1988; NIU et al., 1990).

VENKATESWARAN, P.S.; MILLMAN, I.; BLUMBERG, B.S. Effects of an extract from Phyilanthus niruri on hepatitis Β and woodchuck hepatitis viruses: in vitro and in vìvo studies. Proc. Nati. Acad. Sci. USA., v.84, n.1, p.274-8. 1987.

KAUR, Navneet; KAUR, Baljinder; SIRHINDI, Geetika. Phytochemistry and Pharmacology of Phyllanthus niruri L.: A Review. Phytotherapy Research, [s.l.], v. 31, n. 7, p.980-1004, 17 maio 2017.

WENIGER & ROBINEAU 1988.

Tags: CólicaDepurativoDiuréticoFebreFebrífugaTônico

MASTRUÇO RASTEIRO

14/02/2020 23:15

Coronopus didymus  (L.) Smith.

Brassicaceae (Cruciferae)


SinonímiasSenebiera pinnatifida DC., Senebiera didyma Pers.

Nomes populares: Menstruz, mastrunço, mastruz, mestruz rasteiro, mentrusto, mastruço-de-Buenos-Aires, mentrasto.

Origem ou Habitat: América do Sul. Trata-se de uma planta muito comum no Brasil, que se adapta melhor aos solos úmidos onde se desenvolve com espontaneidade, florescendo no mês de setembro (CRUZ, 1979). É utilizada também no Uruguai e na Argentina; Cresce em hortas, pastagens e lavouras de inverno.

Características botânicas: Erva anual, rasteira, ramos decumbentes com até 40 cm de comprimento, pubescentes. Folhas pinatisectas, as basais são pecioladas e as da porção terminal dos ramos são sésseis, alternas. Inflorescência tipo racemo. Flores brancas ou verdes, muito pequenas (até 1 mm de comprimento), 4 sépalas ovaladas verdes, 4 pétalas hialinas menores que as sépalas, 2 estames ou raramente 4. frutos silículas indeiscentes, comprimidas lateralmente.

Partes usadas: Folhas, flores e sementes.

Uso popular: Segundo as comunidades da Ilha usa-se toda a planta na forma de decocção, externamente em contusões, machucaduras e hematomas. Internamente, em distúrbios pulmonares. Também se usa na forma de salada, para o tratamento de infecções urinárias, problemas de estômago e fraturas ósseas.

Segundo a literatura toda a planta é empregada na forma de infusão (LUTZEMBERGER, 1985), como estomáquico, expectorante, depurativo, nas afecções das vias respiratórias, tosse, bronquite (CRUZ, 1979). Também usado no tratamento de escorbuto e tuberculose. O suco é vermicida (LUTZEMBERGER, 1985).

Composição química: Óleo essencial (substâncias sulfuradas) , sais minerais e vitaminas (LORENZI 2008), flavonóides chrysoeriol e seu glicosideo( Mishra B, Priyadarsini KI, Kumar MS, Unnikrishnan MK, Mohan H.). Na sua composição química, destacam-se óleos essenciais (substâncias sulfuradas), sais minerais e vitamina, além dos flavonóides, crisoeriol e seu glicosideo, (crisoeriol-6-O-acetil-4′-β-D -glucosideo) e stigmastanol. Possui também alguns glucosinolatos, capazes de alterar o gosto do leite de vacas que se alimentam de pasto infestados de Coronopus didymus, deixando o leite com gosto picante e odor forte, e a manteiga com gosto de queimado e picante.

Ações farmacológicas: Em um estudo, tanto o extrato alcoólico quanto o aquoso da planta demonstrou significante atividade cicatrizante, enquanto apenas o extrato aquoso mostrou significante atividade anti-inflamatória. Em outro estudo, com cobaias, a propriedade cicatrizante do extrato aquoso foi demonstrada, uma vez que promoveu um aumento do número de fibroblastos e fibras colágenas comparado ao grupo controle. O extrato aquoso da planta inteira mostrou significante atividade antialérgica, antipirética e hepatoprotetora em ratos e atividade hipoglicêmica em camundongos.

Tem atividade antioxidante (Mishra B. et al, 2003).

Efeitos adversos e/ou tóxicos: Planta com poucos estudos apesar de muito utilizada, a população usuária não relata efeitos adversos.

Posologia e modo de uso: Uso interno: uma colher (sopa) de folhas, flores e sementes para uma xícara de água, tomar 3 vezes ao dia. Também pode ser usado o sumo.

Para consumo in natura, como salada, deve ser colhido antes da floração.

Para uso externo, pode ser feito cataplasma e maceração com álcool ou cachaça e aplicar nos locais afetados.

Observações: No Brasil o nome “mastruço” é utilizado ainda para outras plantas da mesma família, do gênero Lepidium (PIO CORREA, 1926-1978); e também para Chenopodium ambrosioides L. var. Anthelmintica (L.) A. Gray., da família Amaranthaceae (Chenopodiaceae) (MATOS, 1994), o que pode provocar confusão.

Referências: 

CRUZ, G. L Dicionário de Plantas Úteis do Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1979.

DRESCHER, L. (coord.). Herbanário da Terra: Plantas e Receitas. 2001. p. 90.

LORENZI, H.; MATOS, F. J. A. Plantas Medicinais no Brasil: nativas e exóticas. 2. ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2008. Pp. 189-190

LUTZENBERGER, L. Revisão da nomenclatura e observações sobre as angiospermas citadas na obra de Manuel Cypriano D’Ávila: “Da flora medicinal do Rio Grande do Sul”. 1985. Dissertação (Bacharelado em Ciências Biológicas, ênfase em Botânica) – Faculdade de Biologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1985.

MANTENA, S. K. et al. Antiallergic, Antipyretic, Hypoglycemic and Hepatoprotective Effects of Aqueous Extract of Coronopus didymus LINN. Biological & Pharmaceutical BulletinVol., [S.I.], v. 28, n. 3, p.468, 2005.

MISHRA, B. et al. Effect of O-glycosilation on the antioxidant activity and free radical reactions of a plant flavonoid, chrysoeriol. Bioorganic & Medicinal Chemistry, v. 11, n. 13, p. 2677-2685, 3 July 2003.

NITZ, A. C. Estudo morfométrico na cicatrização de feridas cutâneas em ratos, utilizando Coronopus didymus e Calendula officinalis. Dissertação (Mestrado em Ciências Médicas) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2005

PANIZZA, S. Plantas que curam: cheiro de mato. 5. ed. São Paulo: IBRASA, 1997. p 148-149

PARK, R. J. Benzyl Thiocyanate Taint in the Milk of Dairy Cattle ingesting Coronopus didymus Sm. Nature, v. 207, n. 640, 07 August. 1965.

PRABHAKAR, K.R.; SRINIVASAN, K.K.; RAO P.G.M. Chemical Investigation, Anti-inflammatory and Wound Healing Properties of Coronopus didymus. Pharmaceutical Biology, v. 40, n. 7, p. 490-493, October 2002.

MISHRA, B. et al.Effect of O-glycosilation on the antioxidant activity and free radical reactions of a plant flavonoid, chrysoeriol. Bioorg Med Chem. [S.I.], v. 11, n. 13, p. 85-2677, 3 jul. 2003.

Tags: BronquiteContusõesDepurativoExpectoranteHematomaTosse

GUAÇATONGA

11/02/2020 21:28

Casearia sylvestris Sw.

Salicaceae (antiga Flacourtiaceae)


SinonímiasAnavinga samyda Gaertn., Casearia parviflora Willd., Casearia puntacta Spreng., Samyda parviflora L., Samyda sylvestris (Sw.) Poir., Guidonia sylvestris (Sw.) Maza.

Nomes populares: Erva-de-lagarto, chá-de-bugre, cafezeiro-do-mato, língua-de-tiú, apiá-acanoçu, bugre-branco, guaçatunga, petumba, vassitonga, verre-forno.

Origem ou Habitat: Nativa de quase todo o Brasil, principalmente no Planalto Central. Existem no Brasil outras espécies de Casearia, com mesmos nomes populares e usos semelhantes.

Características botânicas: Árvore de 4-6 m de altura, folhas simples, alternas e pecioladas, persistentes, lanceoladas, com as bordas serrilhadas, com 6-12cm de comprimento. Vistas contra a luz, as folhas mostram minúsculos pontos translúcidos, que correspondem às glândulas de óleo essencial. As flores são pequenas e esverdeadas e exalam forte aroma. Fruto é uma cápsula que contém sementes envoltas por uma massa avermelhada.

Partes usadas: Folhas, ramos e cascas.

Uso popular: As folhas são usadas para o tratamento de queimaduras, ferimentos, herpes e pequenas injúrias cutâneas. Suas folhas e cascas são consideradas tônicas, depurativas, anti-reumáticas e anti-inflamatórias. É usada também contra mordidas de cobra, como analgésico e hemostático em mucosas e lesões cutâneas.

É recomendada contra gastrite, úlceras internas e mau hálito na forma de chá por infusão. Em uso externo contra herpes labial e genital, gengivites, estomatite, aftas e feridas da boca e limpeza bucal.

Composição química: Em suas folhas e casca são encontrados flavonas, óleos essenciais, saponinas, taninos, resinas e antocianosídeos que conferem a esta planta a sua fama como febrífuga, depurativa, anti-diarreica, cardiotônica, diurética e cicatrizante entre outros (BASILE et al.,1990; CARVALHO et al., 1999; ITOKAWA et al., 1990; BORGES et al., 2000; UNESC, 2005).  Pesquisadores conduzindo estudos sobre venenos relatam que as folhas e ramos dessa árvore contém um composto químico denominado lapachol, um composto anticancerígeno e antifúngico muito conhecido em outra espécie Tabebuia impetiginosa (TPD, 2006). Outros princípios ativos tem sido detectados na Casearia sylvestris, denominados diterpenos clerodanos ou carofilenos.

Ações farmacológicas: Atividade anti-úlcera gástrica, cicatrizante e contra veneno de serpentes.

Interações medicamentosas: Vitamina K.

Efeitos adversos e/ou tóxicos: Deve-se evitar o emprego prolongado devido a sua ação antagônica com a vitamina K, para evitar acidentes hemorrágicos.

uma usuária relata ter taquicardia com o uso do abafado de guaçatonga.

Contra-indicações: Gravidez, menstruação.

Posologia e modo de uso: Uso interno – uma colher de sobremesa em uma xícara de água quente, tomar 2 xícaras ao dia por 2 semanas, o uso externo é feito com uma colher de sopa de folhas por xícara.

Referências: 

ALONSO, J. Tratado de fitofármacos y Nutracéuticos. Argentina: Hábeas Libros, 2004.

BASILE, A. C.; et al. Pharmacological assey of Casearia sylvestris. I. Preventive anti-ulsur activity and toxicity of the leaf crude extract. Journal of Ethnopharmacology, v. 30, n. 2, p. 185-197, 1990.

BORGES, M.H., JAMAL, C.M., dos SANTOS, D.C.M., RASLAN, D.S. and de LIMA, M.E. Partial Purification of Casearia sylvestris Sw. Extract and its anti-PLA2 action. Comp. Biochem. Physiol. B. Biochem. Mol. Biol., v.127, n. 1, p. 21-30, Sep., 2000.

CARVALHO, T. C. T. Fitoterápicos anti-inflamatório: aspectos químicos, farmacológicos e aplicações terapêuticas. Ribeirão Preto: Tecmedd, 2004.

ITOKAWA,H. et al New antitumor principles, casearines A-F, for Casearia sylvestris Sw. (Flacourtiaceae). Chemical and Pharmaceutical Bulletin, v. 38, n. 12, p. 3-384, 1990.

LOPES, A. M. V. Plantas Usadas na Medicina Popular do Rio Grande do Sul. Santa Maria: Infograph, 1995.

LORENZI, H.; MATOS, F. J. A. Plantas Medicinais no Brasil: nativas e exóticas. 2. ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2008.

PIO CORRÊA, M. Dicionário das plantas úteis do Brasil e das exóticas cultivadas. , Rio de Janeiro: Ministério da Agricultura/IBDF, Imprensa Nacional, 1984. 6 v.

SILVA, A. A. Essentia Herba: plantas bioativas. Florianópolis: Epagri, 2006. 2 v.

UNIVERSIDADE do EXTREMO SUL CATARINENSE. Jornada Catarinense de plantas medicinais: Guaçatonga. Disponível em:http://www.unesc.rctsc.br/plantas_medicinais/guaca.htm. 4 p. Acesso em: 21 nov. 2005.

Tags: AftasAnalgésicoAnti-inflamatórioAnti-reumáticoCicatrizanteDepurativoEstomatiteGastriteGengiviteQueimaduraTônico

COENTRO

08/01/2020 16:00

Coriandrum sativum  L.

Apiaceae (ex Umbelliferae)


Sinonímias: Selinum coriandrum Krause. 

Nomes populares:  Coendro,coentro,coentro-das-hortas, xendro, coriandro, cilantro, culantro. 

Origem ou Habitat: Nativa da região Mediterrânea. 

Características botânicas:  Herbácea ereta, anual, ramificada, aromática, de 30-70 cm de altura. Folhas compostas bipinadas, as basais dentadas divididas em segmentos largos e irregulares (como as da salsa), e as folhas superiores finamente divididas e muito mais numerosas. Flores pequenas, brancas, dispostas em umbelas terminais acima da folhagem. Os frutos são aquênios estriados, arredondados, acastanhados, medindo 3-5 mm de diâmetro, contendo duas sementes, uma em cada aquênio. Multiplica-se apenas por sementes. 

Partes usadas:Folhas, frutos e sementes. 

Uso popular:  Segundo Lorenzo & Matos, 2008, no Norte e Nordeste é o principal condimento dos pratos preparados com peixe. É também usado como aromatizante de pães, licores, cervejas e na indústria de perfumes. 

É carminativo, sudorífico, hemostático, tônico estomacal, para cólicas gastro-intestinais, falta de apetite, problemas respiratórios; é reputado como depurativo do sangue e possuir propriedades antibacterianas. Também tem fama de ser galactógeno, é estimular a produção de leite nas lactantes.

Tags: AntibacterianaAromáticaCarminativaCólicaCondimentoDepurativoHemostáticoSudorífica

CHAPÉU-DE-COURO

07/01/2020 22:58

Echinodorus grandiflorus (Cham. & Schltdl.) Micheli.

Echinodorus grandiflorus

Alismataceae


Sinonímias: Alisma floribundum Seub., Alisma grandiflorum Cham. & Schltdl., Echinodorus floribundus (Seub.) Seub., Echinodorus grandiflorus var. floribundus (Seub.) Micheli, Echinodorus argentinensis Rataj., Echinodorus grandiflorus (Cham. & Schltr.) Micheli subsp. grandiflorus.

Nomes populares:  Chapéu-de-couro, aguapé, chá-do-brejo, chá-mineiro, chá-de-campanha, erva-do-brejo, congonha-do-brejo, erva-do-pântano, cucharero, cucharón (ESP).

Origem ou Habitat: Nativa do Brasil (Caatinga, Cerrado, Mata Atlântica).

Características botânicas:  Erva ou subarbusto de área alagada ou brejo, perene, acaule, rizomatoso, medindo de 1-2 m de altura; folhas simples, coriáceas, ovadas, grandes e eretas, com nervuras proeminentes, com pecíolos rígidos e longos de até 1,3 metros de comprimento; flores brancas, numerosas, dispostas em amplas panículas que se dispõem no ápice de longos pedúnculos que se originam diretamente do rizoma e sobressaem acima da folhagem.

Partes usadas: Folhas e raízes.

Uso popular:  O chá de suas folhas é um dos mais populares como diurético e depurativo do organismo. É usado como anti-reumático, em problemas do trato urinário. Externamente, no tratamento de problemas cutâneos, inclusive para tirar manchas da pele. Na forma de bochechos e gargarejos para afecções da garganta, estomatite e gengivite. Também pode ser usado em banhos de assento, duas ou três vezes ao dia, para tratamento de prostatite.

No Paraguai é utilizado como anti-hipertensivo.

No Vale do Ribeira (SP) é referido o uso da infusão das folhas para o tratamento de problemas renais e hepáticos, como sedativo, em dores de cabeça, de barriga, nas costas, além de gripes e resfriados e como anti-helmíntico (Ascaris lumbricoides). A decocção das folhas é usada como analgésica especialmente contra dores de cabeça.

As raízes maceradas são usadas externamente como cataplasma no tratamento de hérnias e como emplasto em casos de furúnculos, eczemas e dermatites.

Composição química:  Diterpenos (equinofilinas, equinodolideos, chapecoderinas); óleo essencial (fitol, E-cariofileno, a-humuleno e E-nerolidol); flavonóides; heterosídeos cardiotônicos; saponinas; taninos; alcalóides; sais minerais; derivados cumarínicos; iodo e resinas.

Ações farmacológicas: Alguns trabalhos de pesquisa com os extratos das folhas demonstraram efeitos anti-inflamatório, vasodilatador e anti-hipertensivos.

O extrato hidro-etanólico inibiu germes Gram negativos.

Os equinodorosídeos exercem efeito inotrópico positivo em corações de cobaias.

A planta possui atividade laxante não irritativa presumivelmente por sua ação colagoga e colerética.

Os alcalóides neutralizam enzimas presentes em venenos de algumas serpentes.

Os flavonóides seriam os responsáveis por seu efeito diurético e os taninos demonstraram efeitos protetores e antissépticos sobre mucosas inflamadas.

O conteúdo em iodo pode ser útil em zonas endêmicas de bócio.

Um estudo indicou que o extrato metanólico dos rizomas possui propriedades analgésicas sobre o sistema nervoso periférico e central, apresentando componentes com ação antinociceptiva e anti-inflamatória.(Dutra et al, 2006 apud Lídio Coradin et al. Brasília, MMA, 2011).

Interações medicamentosas: Evitar tomar o chá concomitante com outra medicação.

Efeitos adversos e/ou tóxicos: Estudos toxicológicos em animais com a espécie em questão não demonstraram evidências nocivas.

Por precaução, não deve ser usado cronicamente.

Foram observados efeitos tóxicos com o uso crônico na espécie Echinodorus macrophyllus (Kunth.) Micheli (Costa Lopes et al., 2000 apud Di Stasi, 2002).

Contra-indicações:  Nas doses adequadas é segura para uso em humanos. Por falta de maiores estudos evitar o uso em grávidas.

Posologia e modo de uso: Infusão: uma colher (sobremesa) do pó das folhas para cada xícara (chá) de água fervente. Tomar 1 xícara 2x ao dia.

Decocção: uma colher (sopa) folhas picadas para 1 xícara de água fria. Ferver por 3 minutos e abafar. Coar e tomar 1 xícara 2x ao dia.

Com o infuso mais concentrado pode ser feito uso externo, na forma de cataplasma e/ou emplasto. Com as raízes e rizomas faz-se um macerado para usar externamente.

Observações: Nas regiões Sudeste e Nordeste ocorre outra espécie Echinodorus macrophyllus (Kunth.) Micheli, com características e nomes populares muito semelhantes, inclusive utilizada para os mesmos usos medicinais do Echinodorus grandiflorus (Cham. & Schltdl.) Micheli.

Echinodorus grandiflorus (Cham. & Schltdl.) Micheli. é confundido com Sagitaria sp, suas flores são muito parecidas, porém as folhas são sagitadas enquanto no Echinodorus grandiflorus são ovadas.

O chapéu-de-couro (E. grandiflorus, juntamente com a erva-mate (Ilex paraguariensis) e o guaraná (Paullinia cupana), é utilizado pela indústria Mate Couro S/A desde 1948, como ingrediente de bebidas não alcoólicas..

 

Referências:
ALONSO, J. Tratado de Fitofármacos y Nutracéuticos. 1. ed. Rosario, Argentina: Corpus Libros, 2004.

DI STASI, L.C. et al., PLANTAS MEDICINAIS NA AMAZÔNIA E MATA ATLÂNTICA – ed. UNESP, SP,2002

LORENZI, H.; MATOS, F. J. A. Plantas Medicinais no Brasil: nativas e exóticas. 2.ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2008

Espécies nativas da flora brasileira – plantas para o futuro,Região Sul,/ Lídio Coradin et al. Brasília, MMA, 2011.

SIMÕES, C. M. O. Plantas da Medicina Popular do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: UFRGS, 1986.

PIMENTA, Daniel S.; FIGUEIREDO, Maria Raquel e KAPLAN, Maria Auxiliadora C.. Essential oil from two populations of Echinodorus grandiflorus (Cham. & Schltdl.) Micheli (Chapéu de couro). An. Acad. Bras. Ciênc. [online]. 2006, vol.78, n.4, pp. 623-628. ISSN 0001-3765. http://dx.doi.org/10.1590/S0001-37652006000400002.

Matias, L.Q., Sakuragui, C.M., Lopes, R.C. 2012. Alismataceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. (http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2012/FB015382) acesso em 23 de outubro de 2012.

http://apps.kew.org/wcsp/namedetail.do?name_id=305257 – acesso em 23 de outubro de 2012.

http://www.tropicos.org/Name/900075 – acesso em 23 de outubro de 2012.

Tags: AnalgésicoAnti-helmínticaanti-hipertisivoAnti-reumáticoDepurativoDermatiteDiuréticoEczemaEstomatiteFurúnculoGengiviteGripeResfriadoSedativo

CAPUCHINHA

05/01/2020 17:20

Tropaeolum majus L.
Tropaeolaceae 


Sinonímias: Cardamindum majus (L.) Moench , Trophaeum majus (L.) Kuntze. 

Nomes populares:  Capuchinho, chaguinha, mastruço-do-peru, flor-de-sangue, agrião-do-méxico, nastúrcio, agrião-da-índia, flor-de-chagas, etc. 

Origem ou Habitat: Nativa das regiões montanhosas do México e Perú. 

Características botânicas:  Herbácea anual, de ramos rasteiros ou escandentes, carnosos, retorcidos, medindo de 1-2 m de comprimento. Folhas membranáceas, glabras, peltadas, longo-pecioladas, com 5-7 nervuras principais saindo do ponto de inserção do pecíolo, de 4-10 cm de diâmetro, com bordos inteiros ou ligeiramente lobulados. Flores solitárias, grandes, de cor vermelha, alaranjada, amarela ou branca, muito ornamentais. O fruto é um triaqüênio globular e subcarnoso. Multiplica-se por sementes. 

Partes usadas:Folhas, flores e frutos. 

Uso popular:  Expectorante, antiescorbútica, diurética, tônica, depurativa, aperiente e para infecções do sistema respiratório e urinário. Também é usado como antimicótico, analgésico e contra queda de cabelos. Para dor de garganta costuma-se comer as flores frescas. Toda a planta é considerada comestível. Os frutos verdes são consumidos como substituto da alcaparra, quando maduros são usados como laxantes. 

Composição química:  Glicosinolatos (0,1%): estão presentes no óleo essencial, principalmente a glicotropeolina, que por hidrólise gera benzil-isotiocianato (óleo de mostarda). Terpenóides, vitamina C (300mg/100g de planta fresca), carotenóides, ácidos orgânicos (ácidos málico e clorogênico), flavonóides (glicosídeos da quercetina e isoquercetina), sais minerais rico em sulfato de potássio. 

Ações farmacológicas: Apresenta propriedades balsâmicas e antimicrobianas in vitro, frente a várias bactérias. Também possui efeito vasodilatador coronário e efeito citotóxico frente a várias linhagens de células tumorais.(principalmente pela presença de benzil-isotiocianato). O óleo aplicado externamente tem propriedades rubefacientes. É preventivo em patologias da árvore respiratória por conter altos teores de vitamina C. A ação conjunta entre flavonóides, vitamina C e componentes sulfurados geram um efeito antioxidante. O conteúdo em enxofre de suas partes aéreas é útil em problemas capilares e dérmicos. 

Efeitos adversos e/ou tóxicos: Em alguns casos pode causar dermatite de contato. 

Contra-indicações:  Evitar seu uso em grávidas, lactantes e em pessoas com úlceras gastrointestinais. Não administrar em crianças pequenas nem em pacientes com hipotireoidismo. 

Posologia e modo de uso: Infusão (2-3%): 3 folhas grandes para 1 xícara de água. Tomar 2 a 3 vezes ao dia. Infusão (20%) de flores e folhas para uso externo. 

 

 

Referências:
ALONSO, J. Tratado de Fitofármacos y NutracéuticosRosario, Argentina: Corpus Libros, 2004.  

 LORENZI, H.; MATOS, F. J. A. Plantas Medicinais no Brasil: nativas e exóticas. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2008. 

 https://scifinder.cas.org/scifinder/view/scifinder/scifinderExplore.jsf “Comparison of antioxidant, anti-inflammatory, antimicrobial activity and chemical composition of aqueous and hydroethanolic extracts of the herb of Tropaeolum majus L. By: Bazylko, Agnieszka; Granica, Sebastian; Filipek, Agnieszka; Piwowarski, Jakub; Stefanska, Joanna; OsinskaEwa; Kiss, Anna K. Acesso 26 junho 2014. 

htpp://www.tropicos.org – acesso em 11 de abril de 2011. 

Tags: AnalgésicoAntiescorbúticaAntimicóticoDepurativoDiuréticoExpectorante
  • Página 1 de 2
  • 1
  • 2