MASTRUÇO RASTEIRO

14/02/2020 23:15

Coronopus didymus  (L.) Smith.

Brassicaceae (Cruciferae)


SinonímiasSenebiera pinnatifida DC., Senebiera didyma Pers.

Nomes populares: Menstruz, mastrunço, mastruz, mestruz rasteiro, mentrusto, mastruço-de-Buenos-Aires, mentrasto.

Origem ou Habitat: América do Sul. Trata-se de uma planta muito comum no Brasil, que se adapta melhor aos solos úmidos onde se desenvolve com espontaneidade, florescendo no mês de setembro (CRUZ, 1979). É utilizada também no Uruguai e na Argentina; Cresce em hortas, pastagens e lavouras de inverno.

Características botânicas: Erva anual, rasteira, ramos decumbentes com até 40 cm de comprimento, pubescentes. Folhas pinatisectas, as basais são pecioladas e as da porção terminal dos ramos são sésseis, alternas. Inflorescência tipo racemo. Flores brancas ou verdes, muito pequenas (até 1 mm de comprimento), 4 sépalas ovaladas verdes, 4 pétalas hialinas menores que as sépalas, 2 estames ou raramente 4. frutos silículas indeiscentes, comprimidas lateralmente.

Partes usadas: Folhas, flores e sementes.

Uso popular: Segundo as comunidades da Ilha usa-se toda a planta na forma de decocção, externamente em contusões, machucaduras e hematomas. Internamente, em distúrbios pulmonares. Também se usa na forma de salada, para o tratamento de infecções urinárias, problemas de estômago e fraturas ósseas.

Segundo a literatura toda a planta é empregada na forma de infusão (LUTZEMBERGER, 1985), como estomáquico, expectorante, depurativo, nas afecções das vias respiratórias, tosse, bronquite (CRUZ, 1979). Também usado no tratamento de escorbuto e tuberculose. O suco é vermicida (LUTZEMBERGER, 1985).

Composição química: Óleo essencial (substâncias sulfuradas) , sais minerais e vitaminas (LORENZI 2008), flavonóides chrysoeriol e seu glicosideo( Mishra B, Priyadarsini KI, Kumar MS, Unnikrishnan MK, Mohan H.). Na sua composição química, destacam-se óleos essenciais (substâncias sulfuradas), sais minerais e vitamina, além dos flavonóides, crisoeriol e seu glicosideo, (crisoeriol-6-O-acetil-4′-β-D -glucosideo) e stigmastanol. Possui também alguns glucosinolatos, capazes de alterar o gosto do leite de vacas que se alimentam de pasto infestados de Coronopus didymus, deixando o leite com gosto picante e odor forte, e a manteiga com gosto de queimado e picante.

Ações farmacológicas: Em um estudo, tanto o extrato alcoólico quanto o aquoso da planta demonstrou significante atividade cicatrizante, enquanto apenas o extrato aquoso mostrou significante atividade anti-inflamatória. Em outro estudo, com cobaias, a propriedade cicatrizante do extrato aquoso foi demonstrada, uma vez que promoveu um aumento do número de fibroblastos e fibras colágenas comparado ao grupo controle. O extrato aquoso da planta inteira mostrou significante atividade antialérgica, antipirética e hepatoprotetora em ratos e atividade hipoglicêmica em camundongos.

Tem atividade antioxidante (Mishra B. et al, 2003).

Efeitos adversos e/ou tóxicos: Planta com poucos estudos apesar de muito utilizada, a população usuária não relata efeitos adversos.

Posologia e modo de uso: Uso interno: uma colher (sopa) de folhas, flores e sementes para uma xícara de água, tomar 3 vezes ao dia. Também pode ser usado o sumo.

Para consumo in natura, como salada, deve ser colhido antes da floração.

Para uso externo, pode ser feito cataplasma e maceração com álcool ou cachaça e aplicar nos locais afetados.

Observações: No Brasil o nome “mastruço” é utilizado ainda para outras plantas da mesma família, do gênero Lepidium (PIO CORREA, 1926-1978); e também para Chenopodium ambrosioides L. var. Anthelmintica (L.) A. Gray., da família Amaranthaceae (Chenopodiaceae) (MATOS, 1994), o que pode provocar confusão.

Referências: 

CRUZ, G. L Dicionário de Plantas Úteis do Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1979.

DRESCHER, L. (coord.). Herbanário da Terra: Plantas e Receitas. 2001. p. 90.

LORENZI, H.; MATOS, F. J. A. Plantas Medicinais no Brasil: nativas e exóticas. 2. ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2008. Pp. 189-190

LUTZENBERGER, L. Revisão da nomenclatura e observações sobre as angiospermas citadas na obra de Manuel Cypriano D’Ávila: “Da flora medicinal do Rio Grande do Sul”. 1985. Dissertação (Bacharelado em Ciências Biológicas, ênfase em Botânica) – Faculdade de Biologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1985.

MANTENA, S. K. et al. Antiallergic, Antipyretic, Hypoglycemic and Hepatoprotective Effects of Aqueous Extract of Coronopus didymus LINN. Biological & Pharmaceutical BulletinVol., [S.I.], v. 28, n. 3, p.468, 2005.

MISHRA, B. et al. Effect of O-glycosilation on the antioxidant activity and free radical reactions of a plant flavonoid, chrysoeriol. Bioorganic & Medicinal Chemistry, v. 11, n. 13, p. 2677-2685, 3 July 2003.

NITZ, A. C. Estudo morfométrico na cicatrização de feridas cutâneas em ratos, utilizando Coronopus didymus e Calendula officinalis. Dissertação (Mestrado em Ciências Médicas) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2005

PANIZZA, S. Plantas que curam: cheiro de mato. 5. ed. São Paulo: IBRASA, 1997. p 148-149

PARK, R. J. Benzyl Thiocyanate Taint in the Milk of Dairy Cattle ingesting Coronopus didymus Sm. Nature, v. 207, n. 640, 07 August. 1965.

PRABHAKAR, K.R.; SRINIVASAN, K.K.; RAO P.G.M. Chemical Investigation, Anti-inflammatory and Wound Healing Properties of Coronopus didymus. Pharmaceutical Biology, v. 40, n. 7, p. 490-493, October 2002.

MISHRA, B. et al.Effect of O-glycosilation on the antioxidant activity and free radical reactions of a plant flavonoid, chrysoeriol. Bioorg Med Chem. [S.I.], v. 11, n. 13, p. 85-2677, 3 jul. 2003.

Tags: BronquiteContusõesDepurativoExpectoranteHematomaTosse

ARNICA

27/12/2019 17:40

Arnica montana  L.

Asteraceae (Compositae) 


SinonímiasDoronicum montanum Lam.; Doronicum arnica Desf.; Doronicum arnica Garsault; Doronicum oppositifolium Lam.; Arnica helvetica Loudon; Arnica petiolata Schur.; Arnica plantaginisfolia Gilib.

Nomes históricos: Doronicum plantaginis, Doronicum oppositifolium, Doronicum austriacum quartum, Ptarmica montana, Panacea lapsorum, Nardus celtica altera, Chrysanthemum latifolium, Alisma/Caltha alpina.

Nomes populares: Arnica, arnica-verdadeira, arnica-das-montanhas, panacéia-das-quedas, tabaco-das-montanhas, quina-dos-pobres, arnika (Alemão), etc.

Origem ou Habitat: É oriunda da Europa Central e Meridional, Ásia Central e naturalizada na América do Norte.É encontrada em áreas montanhosas (principalmente nos Alpes). Atualmente é uma espécie protegida na Alemanha, Espanha, Itália e Suíça. Não é cultivada no Brasil

Características botânicas: Planta aromática perene de 20 a 60 cm, talo erguido, tomentoso, com poucos ramos e em cuja base localiza-se uma roseta de folhas lanceoladas, estendidas sobre o solo. As folhas superiores são menores, em forma de lança, do lado oposto e ligado diretamente ao caule. As flores são de cor amarela (às vezes alaranjadas), localizadas em localizadas em um capítulo terminal, aparecendo em meados do verão e início do outono (Europeu). O fruto é um aquênio de cor parda.

Partes usadas: Flores.

Uso popular: Uso externo: contusões, traumatismos, distensões, escaras, feridas infectadas, úlceras crônicas, artrites, edema local associado a fraturas, hematomas, hemorróidas, dores musculares, reumáticas e articulares, picadas de inseto inflamadas, flebite superficial, insuficiência venosa crônica, sintomas de veias varicosas, frieiras superficiais, xampus para dermatite seborréica (caspa) e para estimular a circulação sanguínea no couro cabeludo (MILLS; BONE, 2000), infecções cutâneas como acne e furunculoses, inflamações da orofaringe, queimaduras de sol, queimaduras superficiais e pouco extensas, eritema de nádegas (BRUNETON, 2001).

Uso interno somente na forma homeopática.

Composição química: Aminas (betaína, colina, trimetilamina), carboidratos (mucilagem, polissacarídeos, inclusive inulina), cumarinas (escopoletina, umbeliferona), flavonóides (betuletol, eupafolina, flavonol glucoronídeo, (BOTSARIS, 2002; ALONSO, 2004) huispidulina, isoramnetina, campferol, laciniatina, luteolina, patuletina, quercetina, espinacetina, tricina, 3,5,7-triidroxi-6,3’, 4’-trimetoxiflavona, terpenóides (sesquiterpênicos, inclusive derivados de helenalina e diideoelenalina – cerca de 0,5% – arnifolina e os arnicolídeos), óleos voláteis (até 1%, geralmente 0,3% – timol e seus derivados), princípio amargo (arnicina), ácido caféico, carotenóides, fitosteróis, resina, tanino (não especificado)(NEWALL; ANDERSON; PHILLIPSON, 2002).

Ações farmacológicas: Bactericida, antiinflamatória moderada (NEWALL; ANDERSON; PHILLIPSON, 2002), antiequimótica (MILLS; BONE, 2000), antiflogística, vulnerária, anti-séptica, estimulante, analgésica, adstringente, cicatrizante, sudorífica, antitumoral, antiespasmódica, tônica do coração e do sistema nervoso central,. A helenalina e diidroelenalina possuem propriedades analgésicas, antibióticas e antiinflamatórias; a helenalina revelou in vitro atividade imunoestimulante; os polissacarídeos de alto peso molecular demonstraram in vivo atividade imunoestimulante.

Interações medicamentosas: A administração de tisanas ou tinturas pode interagir com drogas digitálicas devido a seu efeito inotrópico positivo (ALONSO, 2004).

Efeitos adversos e/ou tóxicos: É tóxica quando usada internamente (NEWALL; ANDERSON; PHILLIPSON, 2002). Causa irritação das membranas mucosas e sua ingestão pode causar náuseas, vômitos, dor no estômago, cólicas abdominais, agitação, convulsões,³ tontura, diarréia, tremores, (MILLS; BONE, 2000) gastrenterite fatal, paralisia muscular (voluntária e cardíaca), palpitações, falta de ar e até morte (NEWALL; ANDERSON; PHILLIPSON, 2002). O princípio tóxico responsável por esses efeitos é a helenalina. 30 ml de uma tintura a 20% via oral produziram efeitos graves, mas não fatais.

A aplicação tópica provoca dermatite – a arnica é um forte sensibilizante (NEWALL; ANDERSON; PHILLIPSON, 2002). O uso prolongado pode causar eczema, e se utilizada em pele não-íntegra pode causar dermatite edematosa com formação de pústulas. Em altas doses pode causar formação de vesículas e até necrose (MILLS; BONE, 2000).

Contra-indicações: Não deve ser ingerida, exceto em diluições homeopáticas adequadas (ALONSO, 2004) Deve ser usada com cuidado em pessoas alérgicas (BOTSARIS, 2002), pois alguns indivíduos não toleram a aplicação tópica (dermatite de contato) (NEWALL; ANDERSON; PHILLIPSON, 2002), e evitar uso em alérgicos a arnica ou a outras plantas da família Compositae (incluindo camomila, calêndula e mil-folhas) (MILLS; BONE, 2000). Não deve ser aplicada em feridas abertas (apenas em pele íntegra) ou perto dos olhos e da boca, e deve ser retirada ao primeiro sinal de reação. O uso interno é contra-indicado na gravidez, na lactação, em portadores de úlcera gástrica, epilepsia (NEWALL; ANDERSON; PHILLIPSON, 2002) ou portadores de hepatopatia. Não recomendada para uso prolongado, mesmo externamente (MILLS; BONE, 2000).

Posologia e modo de uso: É usada principalmente em preparações homeopáticas e, em menor escala, em produtos fitoterápicos (NEWALL, C. A.; ANDERSON, L. A.; PHILLIPSON, J. D., 2002).

Uso externo: Para cataplasma com tintura, diluí-la 3 a 10 vezes.

Em gargarejos, diluir a tintura 10 vezes.

Pomada: deve conter 10-25% de tintura 1:5 ou aproximadamente 15% de “óleo de arnica”.

Para distensões, contusões e dores musculares, aplicar topicamente pomada ou creme e massagear, ao menos 3 vezes ao dia.

Observações: A palavra arnica vem do grego “arnakis”, que significa “pêlos de carneiro”, e refere-se às sépalas cobertas de pêlos macios que cercam a flor.

Exemplos de plantas conhecidas e chamadas de “arnica”:

  1. Arnica da praia I – Calea uniflora Less.
  2. Arnica da praia II – Porophyllum ruderale (Jacq.) Cass.
  3. Arnica-do-mato – Wedelia paludosa DC.
  4. Arnica-da-serra I – Senecio oleosus Velloz
  5. Arnica-da-serra II – Senecio conyzifolius Baker
  6. Arnica língua-de-vaca – Chaptalia nutans (L.)Pol.
  7. Arnica-erva-lanceta – Solidago microglossa DC.
  8. Arnica-do-cerrado – Lichnophora pinaster Mart

 

 

Referências: 

ALONSO, J. Tratado de Fitofármacos y Nutracéuticos. Rosario, Argentina: Corpus Libros, 2004. p. 178-182.

BLUMENTHAL, M. (ed.). The Complete German Comission E Monographs: Therapeutic Guide to Herbal Medicines. Austin, Texas: American Botanical Council, 1998. p. 83-84.

BOTSARIS, A. S. As fórmulas mágicas das plantas. 3 ed. Rio de Janeiro: Nova Era, 2002. p. 254-256.

BRUNETON, J. Farmacognosia: Fitoquímica, Plantas Medicinales. Tradução de Á. V. del Fresno; E. C. Accame; M. R. Lizabe. 2. ed. Zaragoza, Espanha: Acribia, 2001. p. 619-621.

CHEVALLIER, A. The Encyclopedia of Medicinal Plants. London: Dorling Kindersley, 1996. p. 170-312.

CUNHA, A. P.; SILVA, A. P.; ROQUE, O. R. Plantas e Produtos Vegetais em Fitoterapia. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2003. p. 132-133.

MILLS, S.; BONE, K. Principles and Practice of Phytotherapy. Modern Herbal Medicine. [S. I.]: Churchill Livingstone, 2000. p. 269-272.

NEWALL, C. A.; ANDERSON, L. A.; PHILLIPSON, J. D. Plantas Medicinais: Guia Para Profissional de Saúde. São Paulo: Premier, 2002. p. 40-41.

http://www.tropicos.org/Name/2701747 – Acesso em: 09 de março de 2012.

http://www.maze.kinghost.net/erva.aspx?id=ID0E3EAG – fotos- Acesso em: 09 de março de 2012.

http://www.jardimdeflores.com.br/ERVAS/A21arnica.htm – fotos – Acesso em: 09 de março de 2012.

http://www.plantamed.com.br/plantaservas/especies/Arnica_montana.htm – fotos – Acesso em: 09 de março de 2012.

http://www.fao.org/ag/AGP/AGPC/doc/Gbase/DATA/PF000462.HTM – Acesso em: 03 de maio de 2012.

Tags: ArtriteContusõesDistensõesEscarasFrieiraHematomaHemorróidaTraumatismos