CURRY

08/01/2020 16:20

Murraya koenigii  (L.) Spreng.

Rutaceae   


 Sinonímias: Bergera koenigii L., Chalcas koenigii (L.) Kurz. 

Nomes populares:  Árvore-de-curry, curry, caril, Meetha neem, Kari patha, tiao liao jiu li xiang. 

Origem ou Habitat: É distribuída entre China, Índia, Paquistão, Nepal, Sri Lanka, Tailândia, Vietnam. 

Partes usadas:Folhas. 

Uso popular:  Digestiva, antioxidante, antidiarreica, fungicida, anticâncer, revigorante. 

É planta usada tradicionalmente na culinária indiana, além de fazer parte de muitas misturas de ervas e especiarias. 

 

Tags: Anti-oxidanteAntidiarreicoCondimentoDigestiva

CORDÃO-DE-FRADE

08/01/2020 16:15

Leonotis nepetifolia  (L.) R. Br.

Lamiaceae  


 Sinonímias: Phlomis nepetifolia L., Leonurus kwebensis N.E.Br., etc. 

Nomes populares:  Cordão-de-frade, cordão-de-são-francisco, emenda-nervos, pau-de-praga, corindiba, etc. 

Origem ou Habitat: Nativa da África tropical e naturalizada em todo o Brasil. 

Características botânicas:  Herbácea anual, ereta, pouco ramificada, aromática, caule quadrangular, medindo de 80 a 160 cm de altura. Folhas membranáceas, simples, opostas, longo-pecioladas, com a face inferior de cor verde-esbranquiçada, medindo de 5-12 cm de comprimento. Flores labiadas, alaranjadas, com sépalas de pontas agudas e ásperas, reunidas em inflorescências globosas axilares, distribuídas ao longo do caule, à semelhança de um cordão com nós que os frades usavam na cintura, daí a razão de seu nome popular. 

Partes usadas:Folhas, inflorescências, raízes e hastes. 

Uso popular:  Esta planta é empregada na medicina popular para tratar casos de bronquite crônica, tosses, asma brônquica, dores de origem reumática, inflamação urinária e nos casos de dispepsia e astenia. É registrado o uso como anti-hemorrágico uterino. Os nativos das Guianas empregam as inflorescências para estimular a secreção da bile e melhorar a digestão. O decocto das folhas é usado como antidisentérico e para calculose renal. 

Na Índia, é empregado como analgésico, tratamento da febre, diarréia, asma bronquial, malária, influenza, etc. 

Composição química:  Alguns compostos encontrados: terpenos, flavonóides, taninos, iridóides, esteróis e gorduras. 

Os componentes principais do óleo essencial foram D-germacreno (40,7%), β-cariofileno (16,0%), e α-humuleno (10,9%). 

Dez novos diterpenos bis-spirolabdane, leonepetaefolins AE (1, 3, 5, 7, 9) e 15-epi-leonepetaefolins AE (2, 4, 6, 8, 10), juntamente com oito diterpenos labdano conhecidos (11-18) bem como dois flavonóides conhecidos, apigenina e cirsiliol, foram isolados a partir das folhas de Leonotis nepetaefolia. 

Ações farmacológicas: Um estudo mostrou que a planta Leonotis nepetifolia possui as seguintes propriedades biológicas: antibacteriana, antioxidante, larvicida e pesticida. 

 

 

Referências:
LORENZI, H.; MATOS, F. J. A. Plantas Medicinais no Brasil: nativas e exóticas. 2.ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2008. 

Li J 1 , Fronczek FR , Ferreira D , Burandt CL Jr , Setola V , Roth BL , Zjawiony JK -. Bis-diterpenóides spirolabdane de Leonotis nepetaefolia. J Nat Prod. 2012 Apr 27;75(4):728-34.Acesso 15 Ago 2014. 

Rojas, Luis B.; Cordero de Rojas, Yndra; Arzola, Juan Carmona; Usubillaga, Alfredo – Volatile components of the leaves of Leonotis nepetifolia (L.) R. Br. growing in the Merida State, Venezuela – Ciencia (Maracaibo, Venezuela) (2007), 15(3), 357-360. Language: Spanish, Database: CAPLUS – Acesso 14 Ago 2014. 

Sobolewska, D. et al.- Preliminary phytochemical and biological screening of methanolic and acetone extracts from Leonotis nepetifolia (L.) R. Br – From Journal of Medicinal Plants Research (2012), 6(30), 4582-4585. | Language: English, Database: CAPLUS – Acesso 14 Ago 2014 

http://www.tropicos.org/Name/17600109 – Acesso 14 Ago 2014. 

Udaya Prakash, N. K. et al.- Studies on antibacterial, antioxidant, larvicidal, pesticidal activities and phytochemistry of Leonotis nepetifolia (Linn) R. Br. International Journal of Research in Pharmaceutical Sciences (Madurai, India) (2013), 4(2), 303-309. Language: English, Database: CAPLUS – Acesso 14 Agosto 2014.

Tags: AsmaAsteniaBronquiteDiarreiasDispepsiaTosse

COPAÍBA

08/01/2020 16:11

Copaifera langsdorffii  Desf.

Fabaceae   


 Sinonímias: Copaiba langsdorffii (Desf.)Kuntze, Copaifera nitida Mart. ex Hayne, Copaifera sellowii Hayne. 

Nomes populares:  Copaíba, copaíba-vermelha, óleo-vermelho, óleo-de-copaíba, pau-d’óleo, bálsamo-de-copaíba, etc. 

Origem ou Habitat: Brasil, Venezuela, Guianas e Colômbia. 

Características botânicas:  É uma árvore majestosa, podendo chegar a 40 m de altura, o tronco, rugoso e de cor escura, pode atingir 4 m de diâmetro e pode ter uma vida bastante longa (se não houver desmatamento ilegal na Amazônia) que varia entre 200 a 400 anos! Folhagem densa e constituída de folhas compostas, pinadas, alternas, com folíolos coriáceos de 3-6cm de comprimento. 

Partes usadas:Bálsamo (vulgarmente chamado de óleo). 

Uso popular:  Os indígenas da região amazônica usam o óleo de copaiba externamente para afecções da pele e contra picadas de insetos. Na medicina popular é usado como anti-inflamatório e cicatrizante local, em casos de disenteria, reumatismo, ferimentos, úlceras de pele e dermatoses em geral. O uso interno é referido como diurético, expectorante e para problemas urinários, genitais e respiratórios (Reader’s Digest, 1999). É usado na composição de cremes e sabonetes para acne (Lorenzi & Matos, 2002). 

Trabalhos mais recentes relatam o uso do bálsamo de copaíba para psoríase crônica. 

Composição química:  O óleo-resina é constituído por uma mistura de diterpenos (ácido copálico) e compostos sesquiterpênicos, principalmente o b-cariofileno, a-bergamopteno, a-himachaleno, b-selineno; e outros compostos. 

Ações farmacológicas: Anti-inflamatório, antimicrobiano e cicatrizante. 

Interações medicamentosas: Não foram encontradas na literatura pesquisada.  

Efeitos adversos e/ou tóxicos: Não foram encontradas na literatura pesquisada. 

Contra-indicações:  Não foram encontradas na literatura pesquisada. Por precaução evitar uso interno em gestantes e a quem amamenta. 

Posologia e modo de uso:  O uso local se faz sob a forma de fricções e aplicações sobre ferimentos e úlceras. Internamente em cápsulas e na forma de gotas diluídas em chás ou água. 

Observações: O bálsamo (vulgarmente chamado óleo), é acumulado em cavidades do tronco da árvore e pelo processo artesanal, é extraído através de furos e recolhido com auxílio de canaletas, apenas uma vez por ano. 

Além da espécie Copaifera langsdorffii, são citadas as seguintes espécies: Copaifera reticulata Ducke, Copaifera officinalis (Jacq.)L., Copaifera guyanensis Desf., Copaifera oblongifolia Mart. e Copaifera luetzelburgii Harms, sendo atribuída a todas a mesma utilização medicinal.
 

 

Referências:
Gelmini, Fabrizio; Beretta, Giangiacomo; Anselmi, Cecilia; Centini, Marisanna; Magni, Paolo; Ruscica, Massimiliano; Cavalchini, Alberto; Maffei Facino, Roberto – “GC-MS profiling of the phytochemical constituents of the oleoresin from Copaifera langsdorffii Desf. and a preliminary in vivo evaluation of its antipsoriatic effect”. From International Journal of Pharmaceutics (Amsterdam, Netherlands) (2013), 440(2), 170-178. | 

LORENZI, H.; MATOS, F. J. A.; Plantas Medicinais no Brasil: nativas e exóticas. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2002. 

LORENZI, H.; MATOS, F. J. A.; Plantas Medicinais no Brasil: nativas e exóticas. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2008. 

Reader’s Digest Brasil Ltda, 1999 – Segredos e virtudes das plantas medicinais. 

http://www.tropicos.org/- Acesso 07 nov 2014. 

http://nplantas.com/copaiba-origem-botanica/ – Acesso 07 nov 2014.

Tags: AfecçõesAnti-inflamatórioCicatrizanteDisenteriaDiuréticoExpectoranteFeridasReumatismoÚlceras

CONFREI

08/01/2020 16:06

Symphytum officinale   L.

Boraginaceae   


 SinonímiasNão foram encontradas sinonímias para esta espécie. 

Nomes populares:  Confrei, comfrey, consólida, erva-encanadeira-de-osso, etc. 

Origem ou Habitat: Eurásia. 

Características botânicas:  Herbácea perene, medindo de 30-120 cm de altura, possuindo rizomas desenvolvidos e mucilaginosos de cor marrom escuro e raízes fusiformes fasciculadas. As folhas são simples, alternas, oblongo-lanceoladas, ásperas, as superiores são sésseis e de menor tamanho, todas com a superfície inferior apresentando nervuras bem salientes. Flores hermafroditas, diclamídeas, pentâmeras, pêndulas, de corola tubulosa amareladas, violáceas ou rosadas, agrupadas nos ramos terminais. O fruto é um tetraquênio de cor negro brilhante. 

Partes usadas:Folhas e raízes. 

Uso popular:  É indicado para diversas afecções, como anti-inflamatório e cicatrizante de feridas, úlceras varicosas, furúnculos e irritações da pele. É usado cataplasma das raízes para o tratamento caseiro de fraturas dos ossos, queimaduras e picadas de insetos. 

OBS.: a ingestão da planta deve ser evitada. 

Composição química:  Contém mais de uma dúzia de alcalóides pirrolizidínicos (sinfitina, equimidina, elicopsamina, etc.) em concentração maior nas raízes. 

Outros: taninos, mucilagem, alantoína, carotenos, vitaminas do complexo B, minerais (Si, Ca, K, Fe, I), açúcares, saponinas esterólicas e triterpênicas, esteróis e triterpenos livres, ácido clorogênico, ácido cafeico, etc. 

Ações farmacológicas: Demonstrou atividades anti-inflamatórias, cicatrizante e na consolidação de fraturas ósseas. Existe um consenso sobre o emprego unicamente externo do confrei, devido à presença de alcalóides pirrolizidínicos. 

Efeitos adversos e/ou tóxicos: Estão relacionados aos alcalóides pirrolozidínicos, os quais podem ocasionar a longo prazo, enfermidade veno-oclusiva hepática e induzir a degeneração do hepatócito, cirrose e câncer. 

Contra-indicações:  A presença de alcalóides pirrolizidínicos contra indica o uso interno do confrei. 

Não se deve aplicar externamente sobre feridas abertas devido a absorção percutânea dos alcalóides. 

Posologia e modo de uso: Somente uso externo, sob a forma de cataplasma, pomada, compressa. 

Observações: A quantidade de alcalóides contidos em uma xícara de chá de folhas de confrei varia de 8,5 a 26 mg e das raízes a quantidade é bem mais elevada, o que pode provocar intoxicações graves, cujos sintomas só vão aparecer 3 a 4 anos mais tarde.
 

 

Referências:
ALONSO, J. Tratado de Fitofármacos y Nutracéuticos. Rosario, Argentina: Corpus Libros, 2004. 

LORENZI, H.; MATOS, F. J. A. Plantas Medicinais no Brasil: nativas e exóticas. 2.ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2008. 

MICHALAK, E., irmã. Apontamentos fitoterápicos da Irmã Eva Michalak. Florianópolis: Epagri, 1997. 

Tags: AfecçõesAnti-inflamatórioCataplasmaCicatrizanteQueimaduraÚlceras

COENTRO

08/01/2020 16:00

Coriandrum sativum  L.

Apiaceae (ex Umbelliferae)


Sinonímias: Selinum coriandrum Krause. 

Nomes populares:  Coendro,coentro,coentro-das-hortas, xendro, coriandro, cilantro, culantro. 

Origem ou Habitat: Nativa da região Mediterrânea. 

Características botânicas:  Herbácea ereta, anual, ramificada, aromática, de 30-70 cm de altura. Folhas compostas bipinadas, as basais dentadas divididas em segmentos largos e irregulares (como as da salsa), e as folhas superiores finamente divididas e muito mais numerosas. Flores pequenas, brancas, dispostas em umbelas terminais acima da folhagem. Os frutos são aquênios estriados, arredondados, acastanhados, medindo 3-5 mm de diâmetro, contendo duas sementes, uma em cada aquênio. Multiplica-se apenas por sementes. 

Partes usadas:Folhas, frutos e sementes. 

Uso popular:  Segundo Lorenzo & Matos, 2008, no Norte e Nordeste é o principal condimento dos pratos preparados com peixe. É também usado como aromatizante de pães, licores, cervejas e na indústria de perfumes. 

É carminativo, sudorífico, hemostático, tônico estomacal, para cólicas gastro-intestinais, falta de apetite, problemas respiratórios; é reputado como depurativo do sangue e possuir propriedades antibacterianas. Também tem fama de ser galactógeno, é estimular a produção de leite nas lactantes.

Tags: AntibacterianaAromáticaCarminativaCólicaCondimentoDepurativoHemostáticoSudorífica

CIPÓ-INSULINA

08/01/2020 15:56

Cissus sicyoides  L.

Vitaceae  


 Sinonímias: Vitis sicyoides (L.) Morales, Cissus brevipes C.V. Morton & Standl., Cissus elliptica Schltdl& Cham., Cissus obtusata Benth., Cissus umbrosa Kunth, Cissus canescens Lam., Cissus compressicaulis Ruiz & Pav. 

Nomes populares:  Cipó-insulina, insulina-vegetal, insulina, anil-trepador, cipó-pucá, cipó-puci, puçá, uva-branca, uva-do-mato, tinta-dos-gentios, cortina-de-pobre, cortina-japonesa, achite, caavurana-de-cunhan, etc

Origem ou Habitat: Nativa da região norte do país. 

Características botânicas:  Herbácea trepadeira, perene, vigorosa, de até 6 metros de altura, com ramos e folhas carnosas, com gavinhas opostas às folhas, que são simples, membranáceas, glabras, oblongas, pecioladas, mais ou menos dentadas, de 4 a 7 cm de comprimento e 2,5 a 4,5 cm de largura. Flores pequenas, de cor creme ou amarelo-esverdeada, dispostas em inflorescências corimbiformes. Fruto drupa ovoide-globosa, de cor roxo-escura, com polpa carnosa, contendo uma única semente de cerca de 6 mm de comprimento. Multiplica-se por sementes e por enraizamento dos ramos. 

Partes usadas:Folhas, talos e frutos. 

Uso popular:  Considerada antidiabética, anti-inflamatória, antibacteriana, emenagoga, aumentando a resistência de vênulas e arteríolas (Drescher, 2001). O chá das folhas é utilizado principalmente para o tratamento de problemas cardíacos, incluindo taquicardia e pressão alta (Van den Berg, 1983), além de hidropsia, anemia, derrames, tremores e como ativador da circulação sanguínea (Lorenzi & Matos, 2002). O suco das folhas e ramos é utilizado em regiões da Amazônia contra epilepsia por sua ação anticonvulsivante e nos últimos anos tem sido muito empregada como hipoglicemiante. (Lorenzi & Matos, 2002). Em Cuba é utilizada para transtornos respiratórios, como catarro, tosse e asma. É usada externamente para afecções de pele, como furúnculos e abscessos e também para fraturas (uso comum no México) (Gupta, 1995). 

Composição química:  Estudos fitoquímicos evidenciaram a presença de esterois, quinonas e compostos fenólicos nas folhas e antocianinas no fruto. Outras investigações apontaram a presença de aminoácidos, alcaloides, saponinas, taninos, açúcares, esterois, lactonas sesquiterpênicas e luteolina (Gupta, 1995). Possui flavonóides como cianidina, cianidina-3-arabinosideo, cianidina-3-rhamnosil-arabinosideo, delfinidina, delfinidina-3-O-beta-D-glucosideo, delfinidina-3-O-beta-D-rutinosideo, delfinidina-3-rhamnosideo, canferol 3-α-ramínosideo e quercetina 3-α-ramínosideo (Gupta, 1995; Beltame, et al., 2001). Contém alfa e beta-carotenoides, sais de magnésio, manganês, silício, cálcio, fósforo, potássio e oxalato de cálcio (Drescher, 2001), beta-sitosterol sitosterol-beta-D-glucopiranosideo (Beltrame, et al., 2002). 

  • Flavonóides: Canferol 3-ramnosideo, quercetina 3-ramnosideo, canferol 3- α -ramnosideo, quercetina 3- α -ramnosideo, dentre outros. 
  • Esteróides: Sitosterol e 3β-O-β-D-glucopiranosilsitosterol 
  • Cumarinas: Sabandina, 5,6,7,8-tetra-hidroxicumarina-5β-xilopiranósido 
  • Outros: Ácido fítico 

Ações farmacológicas: Apesar de uma das indicações ao uso da planta ser a qualidade antidiabético atribuída popularmente, os estudos em modelos animais tem-se mostrado contraditórios nesse aspecto. Autores como Viana, et al., 2004, colocam a redução de até 25% na glicose de animais diabéticos com o uso do extrato aquoso da planta, enquanto outros, como Beltrame, et al., 2002 chegam a resultados que negam este uso popular. Os resultados também são contraditórios no que se refere a níveis de colesterol e triglicerídeos no sangue com o uso do extrato aquoso. No entanto, um dos estudos aponta atividade antibacteriana para dois compostos da planta (beta-sitosterol e sitosterol-beta-D-glucopiranosideo) (Beltrame, et al., 2002). A ação anticonvulsivante foi demonstrada em estudos com modelos animais, com ação protetora frente a convulsões induzidas (Gupta, 1995).

Contra-indicações:  Não foram encontrados na literatura consultada, entretanto, como a planta demonstrou em alguns estudos atividade estimulante uterina em modelos animais (Gupta, 1995) e pela falta de informações que atestem a segurança do uso durante a gravidez, não é recomendável o seu uso nesta situação. 

Posologia e modo de uso: Faz-se a infusão das folhas, utilizando 1 folha fresca da planta para 1 xícara de água quente. Tomar de 1 a 2 vezes por dia. Para uso externo, como anti-inflamatório, recomenda-se amassar as folhas frescas com um pilão e aplicar sobre a área afetada (Drescher, 2001).
 

 

Referências:
ALMEIDA, Edvaldo Rodrigues de et al. Anxiolytic and Anticonvulsant Effects on Mice of Flavonoids, Linalool, and -Tocopherol Presents in the Extract of Leaves ofCissus sicyoidesL. (Vitaceae). Journal Of Biomedicine And Biotechnology, [s.l.], v. 2009, p.1-6, 2009. 

BELTRAME, Flávio L., Sartoretto, Juliano L., Bazotte, Roberto B., Cuman, Roberto N., Cortez Diógenes, A. G. Estudo fitoquímico e avaliação do potencial antidiabético do Cissus sicyoides l. (VITACEAE). Quim. Nova, Vol. 24, No. 6, 783-785, 2001. 

BELTRAME, Flávio L., Pessini, Greisiele L., Doro, Dani L., Dias Filho, Benedito P., Bazotte, Roberto B., Cortez, Diógenes A. G. Evaluation of the Antidiabetic and Antibacterial Activity of Cissus sicyoides. Brazilian Archives of Biology and Technology. Vol. 45 – No 1 – Curitiba. Março 2002 

DRESCHER, Lírio (coordenador). Herbanário da Terra – Plantas e Receitas. – 1. ed. 2001. Pp. 29 

GUPTA, M. P. (editor). 270 Plantas Medicinales Iberoamericanas. Programa Iberoamericano de Ciencia y Tecnología para el Desarollo, CYTED. Satafé de Bogotá, D.C., Colombia. 1995. Pp. 571-573 

LORENZI, Harri; MATOS, Francisco José de Abreu. Plantas Medicinais no Brasil: nativas e exóticas. – 1. ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2002. Pp. 501 

SALAZAR, M.a.r et al. Chemical composition, antioxidant activity, neuroprotective and anti-inflammatory effects of cipó-pucá (Cissus sicyoides L.) extracts obtained from supercritical extraction. The Journal Of Supercritical Fluids, [s.l.], v. 138, p.36-45, ago. 2018. 

SALGADO, Jocelem Mastrodi; MANSI, Débora Niero; GAGLIARDI, AntonioCissus sicyoides: Analysis of Glycemic Control in Diabetic Rats Through Biomarkers. Journal Of Medicinal Food, [s.l.], v. 12, n. 4, p.722-727, ago. 2009. 

VAN DEN BERG, M.E. Plantas Medicinais na Amazônia – Contribuição ao seu conhecimento sistemático. CNPq/PTU, Belém, PA. 1982. Pp. 163-164 

VIANA, Glauce SB., Medeiros, Ana CC., Lacerda, Ana MR., Leal, L Kaline AM., Vale, Tiago G., Matos, F José A. – Hypoglycemic and anti-lipemic effects of the aqueous extract from Cissus sicyoides. BioMed Central Pharmacology 2004, 4:9 

http://www.tropicos.org/Name/34000222 Acesso 12 abril 2014.

Tags: AfecçõesAnemiaAnti-inflamatórioAntibacterianaAntidiabéticoAsmaCatarroDerrameEmenagogoHidropsiaTaquicardiaTosseTremores

CIPÓ MIL-HOMENS

08/01/2020 15:50

Aristolochia spp.

Aristolochiaceae 


Nomes populares:  Urubu-caá, angelicó, calunga, capa-homem, contra-erva, batarda, jarrinha, cipó jarrinha, mil-homens, papo-de-peru, aristolóquia, caçaú, cassau, cassiu, chaleira-de-judeu, cipó-mata-cobra, erva-de-urubu, contra-erva, erva-bicha, giboinha, milhomem, papo-de-galo, camará-açú, crista-de-galo, raja, mata-porcos, mil-homens-do-ceará, mil-homens-do-rio-grande (STASI; HIRUMA-LIMA, 2002),(LORENZI; MATOS, 2002),(CORRÊA; SIQUEIRA-BATISTA; QUINTAS, 1998).

Origem ou Habitat: No Brasil, ocorrem aproximadamente sessenta espécies distintas de Aristolochia (STASI; HIRUMA-LIMA, 2002).

As espécies mais importantes no uso medicinal são:

Aristolochia cymbifera Mart. & Zucc. (regiões Sul e Sudeste, até a Bahia),

Aristochia triangularis Cham. (no Rio Grande do Sul),

Aristolochia esperanzae O. Kuntze (Mato Grosso e Mato Grosso do Sul),

Aristolochia ridicula N.E.Br. (São Paulo, Paraná, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Mato Grosso do Sul),

Aristolochia brasiliensis Mart.&Succ.(do Nordeste),

Aristolochia arcuata Mast. (São Paulo, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul) e

Aristolochia gigantea Mart.&Zucc. (caatinga) (LORENZI; MATOS, 2002).

O gênero ocorre também no Uruguai, Argentina e Paraguai (ALONSO; DESMARCHELIER, 2006),(GUPTA, 1995),(SIMÕES, 1998).

Características botânicas:  Trepadeira herbácea, de ramos finos e flexuosos, com a base engrossada com casca corticosa fissurada, folhas simples, de consistência membranácea, pecioladas, glabras, de 12-20 cm de comprimento. Flores solitárias, com a forma de urna muito característica, e frutos capsulares elipsoides deiscentes, com inúmeras sementes achatadas (LORENZI; MATOS, 2002). Rizoma tuberoso (CORRÊA; SIQUEIRA-BATISTA; QUINTAS, 1998).

Partes usadas: Caule, folhas e raízes.

Uso popular:  Na região amazônica, o decocto das folhas é útil contra cólicas abdominais e problemas estomacais, enquanto o banho preparado com folhas em água fria é utilizado contra dores de cabeça e dores musculares. Outros usos populares indicam que a raiz é tônica, estomáquica, estimulante, antisséptica, sudorífica, diurética, anti-histérica e útil contra febres graves, catarros crônicos, disenteria e diarreia; é usada também como abortiva e contra veneno de cobra (LORENZI; MATOS, 2002),(GUPTA, 1995)(DUKE; BOGENSCHUTZ-GODWIN; OTTESEN, 2008). O chá da raiz é também usado como emenagogo, excitante, cicatrizante e contra úlceras crônicas, sarnas, caspa e orquites (STASI; HIRUMA-LIMA, 2002),(LORENZI; MATOS, 2002),(DUKE; BOGENSCHUTZ-GODWIN; OTTESEN, 2008). É empregada ainda para asma, gota, hidropisia, convulsões, epilepsia, palpitações, flatulência, prurido e eczemas e até como sedativa. Algumas regiões a usam contra anorexia, ansiedade, prisão de ventre e como anti-helmíntica (LORENZI; MATOS, 2002),(CORRÊA; SIQUEIRA-BATISTA; QUINTAS, 1998),(DUKE; BOGENSCHUTZ-GODWIN; OTTESEN, 2008). Também para amenorreia (falta de menstruação)(LORENZI; MATOS, 2002)(DUKE; BOGENSCHUTZ-GODWIN; OTTESEN, 2008) e clorose (anemia por excesso de sangramento menstrual)(LORENZI; MATOS, 2002).

Composição química:  Os ácidos aristolóquicos são os principais componentes de inúmeras espécies do gênero Aristolochia. Outros componentes incluem terpenoides, alcaloides apoporfíricos, alcaloides aristolactâmicos, alcaloides do grupo da berberina, outros alcaloides, sesquiterpenolactonas, lignanas, beta-cariofileno, alfa-copaeno, beta-elemeno, gama-elemeno, alfa-humuleno e amidas (STASI; HIRUMA-LIMA, 2002). Análises de raízes e caules tem demonstrado diterpenos e, nas folhas, sesquiterpenoides(LORENZI; MATOS, 2002).

Ações farmacológicas: Substâncias isoladas de A. versicolor e A. indica apresentaram atividade antifertilidade em alguns estudos; alguns apontam que o ácido aristolóquico é antiespermatogênico, por interferir na espermiogênese no estágio de formação das espermátides e reduzir a produção de células de Leydig maduras. O ácido aristolóquico de A. indica apresentou propriedades antiestrogênica e anti-implantacional. O ácido aristolóquico de A. rodix foi eficaz contra o veneno de ofídeos. Diterpenos isolados de A. albida agem como importantes antídotos de picada de cobra do gênero Naja. Constituintes químicos da A. manshuriensis obtidos por cultura celular apresentaram importante atividade cardiotônica. A magnoflorina, alcaloide obtido de várias espécies do gênero, diminui a pressão arterial em coelhos e induz hipotermia em camundongos. O ácido aristolóquico I promove contrações em músculos lisos isolados, enquanto uma atividade relaxante muscular inespecífica em músculos lisos foi descrita para o extrato etanólico de A. papillaris. Estudos com A. birostris demonstraram atividade analgésica e antitérmica e inibição das contrações induzidas por histamina, acetilcolina e ocitocina, a nível central. Atividade anti-inflamatória foi observada em A. tulobataA. multiflora possui atividade citotóxica. A. niaurorum demonstrou atividade antisséptica e cicatrizante. Atividade antifúngica e antibacteriana foi associada a A. papillarisA. gigantea e A. paucinervis também mostraram atividade antibacteriana. A. triangularis foi relacionada à atividade antiviral, enquanto A. paucinervis agiu contra Helicobacter pylori. A constatação da atividade citotóxica experimentalmente abre portas para estudos na área de oncologia (ALONSO,; DESMARCHELIER, 2006)..

Efeitos adversos e/ou tóxicos: A presença de ácido aristolóquico contra indica o uso interno.

Contra-indicações:  Existem pelo menos 14 tipos de ácidos aristolóquicos (JUNIOR; PINTO; MACIEL, 2005). O consumo crônico da infusão da Aristolochia sp. por humanos leva ao aparecimento rápido de fibrose renal intersticial. Há evidências de que o ácido aristolóquico, além de levar a esta nefropatia, aumenta o risco de câncer urotelial. Estudos mostram o surgimento de lesões renais em um mecanismo dose-dependente em apenas 3 dias de tratamento com 10, 50 ou 100mg/kg por via oral em animais. Na Bélgica, na década de 90, uma contaminação de fitoterápicos chineses, usados para emagrecimento, com ácido aristolóquico proveninente de A. fangchi levou ao relato de dezenas de casos dessa nefropatia, além da associação nesses pacientes com o aumento do risco para carcinoma urotelial. Depois se soube de casos semelhantes em outros países da Europa, Japão, Estados Unidos, etc. Por causa da semelhança da clínica e da histologia entre a “nefropatia da erva chinesa” e a nefropatia dos Bálcãs, iniciou-se uma série de investigações que sugerem que o ácido aristolóquico também é o agente etiológico desta última. A nefropatia dos Bálcãs também cursa, além da lesão tubulointersticial rapidamente progressiva, com pressão arterial normal, leucocitúria asséptica, proteinúria de baixo peso molecular e anemia precoce e severa. A doença afeta homens e mulheres que vivem em áreas rurais da Bósnia, Croácia, Romênia e Sérvia, caracterizada por início insidioso, invariável progressão para insuficiência renal crônica e forte associação com carcinoma urotelial. Estudos epidemiológicos evidenciaram a ocorrência focal da doença em certas vilas e famílias, mas não um padrão de herança da doença. Os achados, entretanto, não são definitivos quanto à associação entre o ácido aristolóquico e a nefropatia endêmica, e outros agentes etiológicos continuam sendo discutidos, como a contaminação da água com toxinas do carvão, e a ocratoxina A, uma toxina proveniente de alguns fungos, também associada à nefrotoxicidade e carcinogênese e encontrada em altos níveis no sangue de indivíduos das áreas de alta endemicidade da doença. planta proibida em vários países, não deve ser usada interna mente.

Observações: O nome do gênero Aristolochia vem do grego: aristos = bom e lochia = nascimento, parto. Segundo a Teoria das Assinaturas, a forma curvada da flor de uma das espécies (Aristolochia clematitis) lembra o feto em posição antes do nascimento, razão pela qual a planta era usada popularmente para facilitar o parto (STASI; HIRUMA-LIMA, 2002).

Aristolochia triangularis possui acido aristolóquico em suas raízes .

 

Referências:
ALONSO, J.; DESMARCHELIER, C. Plantas Medicinales Autoctonas de La Argentina. Buenos Aires: Fitociencia, 2006.

CORRÊA, A. D.; SIQUEIRA-BATISTA, R.; QUINTAS, L. E. Plantas Medicinais: Do Cultivo a Terapêutica. Petrópolis: Vozes, 1998.

DUKE, J. A.; BOGENSCHUTZ-GODWIN, M. J.; OTTESEN, A. R. Duke’s handbook of medicinal plants of Latin America. Boca Raton: CRC Press, 2008.

GUPTA, M. P. (ed.). 270 Plantas Medicinales Iberoamericanas. Santafé de Bogotá, Colombia:. Programa Iberoamericano de Ciencia y Tecnología para el Desarollo (CYTED), 1995.

GROLLMAN, A. P. et al. Aristolochic acid and the etiology of endemic (Balkan) nephropathy. Proceedings of the National Academy of Sciences, [S. I.], v. 104, n. 29, 12129-12134, 2007.

JUNIOR, V. F.; PINTO, A. C.; MACIEL, M. A. Plantas medicinais: cura segura. Química nova, [S. I], v. 28, n. 3, p. 28-519, 2005.

LORENZI, H; MATOS, F.J.A. Plantas Medicinais no Brasil: nativas e exóticas. Nova Odessa , SP: Instituto Plantarum, 2002.

SIMÕES, C.M.O. Plantas da Medicina Popular do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: UFRGS, 1988.

STASI L. C.; HIRUMA-LIMA, C. A. Plantas medicinais na Amazônia e na Mata Atlântica. São Paulo: Editora UNESP, 2002.

http://www.tropicos.org/NameSearch.aspx?name=Aristolochia&commonname – acesso em 20 de março de 2012.

Tags: AbortivoAnsiedadeAntissépticaAsmaCefaléiaCicatrizanteCólicaDiarreiasDisenteriaDiuréticoEczemaEmenagogoFebreFlatulênciaPruridoSarnaSedativoSudoríficaTônicoÚlceras

CIMICIFUGA

08/01/2020 15:41

Cimicifuga racemosa  (L.)Nutt.

Ranunculaceae  


 Sinonímias: Actaea racemosa L. 

Nomes populares:  Cimicifuga, black cohosh, black snakeroot, bugbane (English, EUA).

Origem ou Habitat: Originária do Canadá e Costa Atlântica dos Estados Unidos. 

Características botânicas:  Herbácea perene, medindo entre 1 e 3 metros de altura, rizoma escuro e grosso, folhas grandes, alternas, composta por 2 a 5 folíolos lobulados e dentados. Inflorescência branco-creme brilhantes, de aroma fétido, dispostas em um racemo terminal que aparecem entre o verão e o outono. 

Partes usadas:Rizomas. 

Uso popular:  Os nativos norteamericanos usavam a cimicifuga para tratar irregularidades menstruais, facilitar o parto e na forma de cataplasma para tratar picadas de serpentes. 

Em 1828 foi incorporada à prática médica sendo recomendada como anti-hipertensiva, calmante, febrífuga e anti-inflamatória em processos reumáticos. 

Atualmente o uso de extratos de Cimicifuga racemosa está indicado para os transtornos da menopausa e na síndrome pré-menstrual. 

Composição química:  Entre os constituintes químicos do rizoma destacam-se: alcalóides quinolizidínicos (N-metilcitisina e outros); glicosídeos triterpênicos: acteína, 12-acetil-acteína, 27-desoxiacteína, 9,19-ciclolanostano, cimifugósido, cimiracematos A-D, cimicifugina (15-20%). 

  • Triterpenos: Deoxiacteína, acteina, cimicifugosideos A e M, cimiracemosideos A-H, dentre outros. 
  • Flavonoides: Formononetina 
  • Fenólicos: Cimiracemato A e B e hidroxitirosol 
  • Alcalóides guanidínicos: Crambescidinas 
  • Ácidos orgânicos:  Ácido cafeico, ácido cimicifúgico A, B, E e F, ácidofucinólico, ácido protocatecuico, ácido p-cumarico, ácido ferulico, ferulato-1-metil ester, ácido isoferulico, dentre outros. 
  • Lignanas: Actaealactona 
  • Derivados Serotoninérgicos: N-omega-metilserotonina 

Ações farmacológicas: Reguladora hormonal no climatério, hipotensora arterial e anti-inflamatória. existem controvérsias quanto a eficácia em distúrbios da menopausa, necessitando mais estudos. 

Interações medicamentosas: Com tamoxifeno, doxorubicina, docetaxel e drogas metabolizadas pela enzima 3A4 do CYP 450.  

Efeitos adversos e/ou tóxicos: Doses excessivas (5g da droga ou 12g do extrato) podem provocar sintomas como náuseas, vômitos, vertigem, bradisfigmia (pulso lento), transtornos visuais e nervosos. 

A Comissão “E” da Alemanha limita o uso da cimicifuga a 6 meses contínuos, devendo realizar descanso. 

Contra-indicações:  Não é recomendado na gravidez e amamentação. 

Observações: O gênero Cimicifuga compreende 18 espécies, das quais uma é nativa da Europa (Cimicifuga europaea), 6 espécies norteamericanas (Cimicifuga americanaC. arizonicaC. laciniataC. elataC. racemosaC. rubifolia ) e o restante do Nordeste da Ásia (C. foetidaC. daburica ).
 

 

Referências:
ALONSO, J.R. – Curso Fitomedicina: ginecología I- menopausia y fitoestrógenos. 

ALONSO, J. – Tratado de Fitofármacos y Nutracéuticos. Rosario, Argentina: Corpus Libros, 2004. 

ULBRICHT, Catherine; WINDSOR, Regina C.. An Evidence-Based Systematic Review of Black cohosh (Cimicifuga racemosa,Actaea racemosa) by the Natural Standard Research Collaboration. Journal Of Dietary Supplements, [s.l.], v. 12, n. 3, p.265-358, 25 ago. 2014. 

GÖDECKE, Tanja et al. Phytochemistry of cimicifugic acids and associated bases inCimicifuga racemosaroot extracts. Phytochemical Analysis, [s.l.], v. 20, n. 2, p.120-133, mar. 2009. 

http://www.tropicos.org/Name/27100874 – Acesso 03 set 2014. 

Sloan Kettering câncer center herbs 

Leach MJ, Moore V. Black cohosh (Cimicifuga spp.) for menopausal symptoms. Cochrane Database Syst Rev 2012; :CD007244.

Tags: anti-hipertisivoAnti-inflamatórioCalmanteCataplasmaFebrífugaMenstruaçãoReumatismo

CIDREIRA-DE-ÁRVORE

08/01/2020 15:34

Hedyosmum brasiliense   Mart. ex Miq.

Chloranthaceae 


 Sinonímias: Hedyosmum grandifolium Occhioni ,Hedyosmum acutifolium C. Cordem., Tafalla brasiliensis (Miq.) Kuntze, etc. 

Nomes populares:  Chá-de-bugre, cidreira, cidrão, cidreira-de-árvore. 

Origem ou Habitat: É o único representante da família Chloranthaceae no Brasil. É encontrada na Amazônia, Cerrado e Mata Atlântica. 

Partes usadas:Folhas. 

Uso popular:  Planta que tem poucos estudos, é utilizada em dor de cabeça e febre. 

Composição química:  Os compostos fenólicos isolados são: escopoletina, vanilina, ácido vanílico, aldeído protocatéquico e Et cafeato. No óleo essencial foram isolados: α-​terpineol (10.2​%)​, curzerene (8.9​%)​, pinocarvone (8.4​%) and (β-​thujene (7.1​%). 

Ações farmacológicas: Há referências de ação do extrato bruto sobre dor (GUEDES , A. et al XVI SIMPÓSIO DE PLANTAS MEDICINAIS DO BRASIL 1996), sobre fungos e efeito antiedematogênico (VANDERLINDE –IV JORNADA CATAR. DE PL. MED. 2003). 

Estudo em ratos mostrou ação sobre dor do extrato hidroalcóolico (EH) quando usado intraperitonial, no uso oral não foi eficaz; Uma lactona sesquiterpênica isolada de H. brasiliense também mostrou ação (Trentin) . 

Em animais de laboratório mostrou atividade antidepressiva.
 

 

Referências:
GONÇALVES, Ana Elisa; Buerger, Cristiani; Amoah, Solomon K. S.; TolardoRogerioBiavattiMaique W.; de Souza, Marcia M. “The antidepressant-like effect of Hedyosmum brasiliense and its sesquiterpene lactone, podoandin in mice: Evidence for the involvement of adrenergic, dopaminergic and serotonergic systems.” From European Journal of Pharmacology (2012), 674(2-3), 307-314 (Scifinder)- Acesso 11 SET 2015. 

KIRCHNER, Karoline; Wisniewski, Alberto, Jr; Cruz, Alexandre Bella; BiavattiMaique W.; Netz, Daisy J. A. “Chemical composition and antimicrobial activity of Hedyosmum brasiliense Miq., Chloranthaceae, essential oil.” From Revista Brasileira de Farmacognosia (2010), 20(5), 692-699. (Scifinder) Acesso 11 SET 2015. 

LEITTMAN, P. Chloranthaceae. In: Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2012/FB006808 – Acesso em: 28 de março de 2012.,br> GUEDES , A. et al XVI SIMPÓSIO DE PLANTAS MEDICINAIS DO BRASIL 1996. 

TRENTIN A. , Guedes A, Pizzolatti MG, Yunes RA, Calixto JB – “Antinociception caused by teh extract of Hedyosmum brasiliense and its active principle, the sesquiterpene lactone 13- hydroxy – 8 ,9 dehydroshizukanolide.” in Planta medica 1999 Aug ;65 : 517 21 

http://www.tropicos.org/Name/7300006?tab=synonyms – Acesso 11 SET 2015.

Tags: CefaléiaFebre
  • Página 1 de 4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4