MENTRASTO

14/02/2020 23:28

Ageratum conyzoides  L..

Asteraceae (Compositae)


SinonímiasAgeratum cordifolium Roxb., Ageratum conyzoides var. inaequipaleaceum Hieron., Ageratum hirtum Lam., Ageratum latifolium Cav., Ageratum microcarpum (Benth.) Hemsl., Alomia microcarpa (Benth.) B.L. Rob., Cacalia mentrasto Vell., Carelia conyzoides (L.) Kuntze.

Nomes populares: O Brasil é conhecida por mentraste, erva-de-são-joão, erva-de-são-josé, cacália-mentrasto, catinga-de-barão, catinga-de-bode, picão-branco, picão-roxo; marrubio-blanco, mastranto, retentina (Colômbia); mejorana (Guatemala); rompe zaraguellos (Venezuela); goat weed (EEUU); babadotan, aru batu (Índia).

Origem ou Habitat: América tropical. No Brasil predomina nas regiões Amazônia, Caatinga, Cerrado, Mata Atlântica, Pampa, Pantanal.

Características botânicas: Erva anual, ereta, pilosa e aromática, medindo até 1 metro de altura. Caule de cor arroxeado, piloso. Folhas opostas, ovais com bordas crenadas, longo-pecioladas, membranáceas, pubescentes, medindo de 3-9 cm de comprimento. Inflorescência em capítulos terminais com cerca de 30-50 flores pequenas de cor lilás a branca. Fruto do tipo aquênio, pequeníssimo, preto. É considerada planta cosmopolita tropical.

Partes usadas: Folhas.

Uso popular: Segundo os registros etnofarmacológicos, são atribuídas a esta planta propriedades hemostática e cicatrizante de ferimentos, contra inapetência, flatulência, cólicas intestinais e menstruais e no tratamento caseiro do reumatismo. Os indígenas do Paraná e Santa Catarina usam para dor de barriga, dor de ouvido, cólicas, machucaduras, inchaços, lombriga.

Composição química: A composição principal do Ageratum conyzoides é baseada em óleos essenciais com terpenos (salineno, pineno, eugenol, cineol, felandreno, limoneno, linalol, terpineol e cariofileno); compostos cumarínicos e benzofuranos; resinas; alcalóides pirrolizidínicos (licopsamina e equinatina); flavonas, flavonóides e cromonas (Laus, 1994). Possui também ácido cianídrico.

Ações farmacológicas: Anti-inflamatória, analgésica, antimicrobiana e atividade inseticida.

Efeitos adversos e/ou tóxicos: A planta inteira mostrou-se tóxica para coelhos devido a presença de cumarinas e ácido cianídrico.

Contra-indicações: Considerando as ações hepatotóxicas dos alcalóides pirrolizidínicos deve-se evitar o uso interno desta planta.

Posologia e modo de uso: Externamente, pode-se usar o extrato alcoólico a 20% ou extrato aquoso ou pomada de uso local, em compressas e fricções, nos casos de dores articulares.

Observações: Esta erva Ageratum conyzoides, está citada no anexo I da RDC 10, de 09 de março de 2010, onde está “indicado o uso de suas partes aéreas sem flores, na forma de infusão, para tratamento de dores articulares e reumatismo, sendo contra-indicado o uso por pessoas com problemas hepáticos e não devendo ser utilizada por mais de 03 semanas consecutivas” (ANVISA, 2010).

Os alcalóides pirrolizidínicos (AP) e as plantas que os contém são objeto de investigações científicas porque muitas destas plantas são usadas medicinalmente. Os AP são encontrados mais comumente em plantas das famílias Asteraceae, Boraginaceae e Fabaceae.

Segundo a dissertação de mestrado de Cristiane Fracari Bosi (acervo Biblioteca da UFSC), “os efeitos tóxicos e cancerígenos dos Alcalóides Pirrolizidínicos (AP) estão relacionados com a sua estrutura química. Os alcalóides 1,2-insaturados são capazes de serem metabolizados a intermediários hepatotóxicos, enquanto os alcalóides saturados não são hepatotóxicos. Os AP ocorrem naturalmente como mono-ésteres e di-ésteres ou di-ésteres macrocíclicos. Sua forma N-óxidos são mais hidrossolúveis e apresentam propriedades físicas e vias metabólicas diferentes. Os AP 1,2-insaturados são produzidos nas raízes e transportados para as folhas e flores como N-óxidos, onde se acumulam tanto na forma N-óxidos como de base terciária, podendo variar com a parte da planta e com a fase de crescimento. Nos mamíferos, os AP 1,2-insaturados ingeridos são oxidados no fígado por oxidases de função mista (citocromo P450s) a derivados pirrólicos. O anel pirrolizidínico torna o carbono C-7 e/ou C-9 altamente eletrofílico e capaz de reagir com nucleófilos de tecidos, concomitante com a clivagem dos substituintes ésteres, ocorrendo a ligação com proteínas, que pode alterar a função celular e causar dano ou morte celular, e/ou ácidos nucleicos”. Concluindo sua dissertação, a autora recomenda cautela no uso desta espécie Ageratum conyzoides, devido à presença dos AP que pode oferecer risco à saúde e que sejam feitos mais testes de toxicidade com a infusão.

Referências:

ALONSO, J. Tratado de Fitofármacos y Nutracéuticos. Rosario, Argentina: Corpus Libros, 2004.

BOSI, C.F. PRESENÇA DE ALCALÓIDES PIRROLIZIDÍNICOS EM Ageratum conyzoides L., ASTERACEAE (dissertação)/ Cristiane Fracari Bosi; orientadora, Maique Weber Biavatti – Florianópolis/SC, 2012.

LAUS CB 1994. Manual de fitoterapia: plante saúde. Curitiba: Prefeitura Municipal de Curitiba, apud Rev. bras. farmacogn. vol.19 no.3 João Pessoa July/Sept. 2009

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-695X2009000500002 – Atividade antitumoral do Ageratum conyzoides L. (Asteraceae) Luciano da Silva Momesso; Rute Mendonça Xavier de Moura; Dulce Helena Jardim Constantino.

LORENZI, H.; MATOS, F.J. A. Plantas medicinais no Brasil: nativas e exóticas. 2ªed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2008.

MARQUESINI, N.R. – Plantas usadas como medicinais pelos índios do Paraná e Santa Catarina. Resumos do XIV SIMPÓSIO DE PLANTAS MEDICINAIS DO BRASIL, Florianópolis/SC, 1996, pg 64.

MATOS, F.J.A. Plantas medicinais: guia de seleção e emprego de plantas usadas em fitoterapia no Nordeste brasileiro. Fortaleza: EUFC, 1989.

Nakajima, J. 2013. Ageratum in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. (http://floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/floradobrasil/FB15934)- acesso em 12 de setembro de 2013

http://www.tropicos.org/Name/2700026 – acesso em 12 de setembro de 2013.

Tags: CicatrizanteCólicaFlatulênciaInapetênciaReumatismo

LÁGRIMA-DE-NOSSA-SENHORA

13/02/2020 21:15

Coix lacryma-jobi  L.

Poaceae (antiga Gramineae) 


Sinonímias:

Coix lacryma L., Coix agrestis Lour. , Coix arundinacea Lam., Coix exaltata Jacq., Coix pendula Salisb., Lithagrostis lacryma-jobi (L.) Gaertn. , Sphaerium lacryma (L.) Kuntze.

Nomes populares: Capim-de-contas, contas-de-rosário, conta-de-lágrimas, lágrima-de-nossa-senhora, lágrima-de-jó, capim-rosário, capim-missanga, capiá, biurá, biuri.

Origem ou Habitat: Originária da Ásia tropical e naturalizada em quase todo o Brasil.

Características botânicas: Segundo LORENZI (2008), é uma herbácea cespitosa, anual, ereta, de colmos cheios e glabros, com enraizamento nos nós inferiores, medindo de 1,0-1,8 m de altura. Folhas cartáceas, glabras, com margens serrado-espinescentes, de 10-20 cm de comprimento. Inflorescências terminais, em racemos curtos e inclinados. Fruto globoso, liso-vernicoso, duro, perolado, de cor esbranquiçada com matizes cinzentas ou pretas. Propaga-se apenas por sementes.

Partes usadas: Sementes, folhas e colmos.

Uso popular: Usada há muito tempo pelos chineses como diurética e para combater a rigidez das articulações em doenças reumáticas.

Sua utilização nos dias de hoje está baseado na tradição popular, seus frutos (grãos) são usados como anti-inflamatório, analgésico, anti-espasmódico, antitérmico, antimicrobiano, contra pedras nos rins e em doses mais elevadas, contra a diabetes. Segundo Irmã Eva Michalak (1997), a tintura das sementes é diurética, anti-reumática, emoliente e útil nas afecções catarrais.

Externamente é indicada a tintura em fricções e o decocto em banhos contra o reumatismo.

As sementes são empregadas por indígenas para a confecção de adornos e utilizados pela população rural e artistas para trabalhos artesanais, como contas de rosário, colares, pulseiras e utensílios.

No interior dos grãos existe uma reserva amilácea rica em proteínas, vitaminas e sais minerais, que pode ser transformada numa farinha de alto valor nutritivo.

Folhas e colmos, (uso externo:) anti-reumático, excitante; (uso interno:) antiasmático, diurético.

Composição química: Ácidos graxos, ácido mirístico, alpha e beta sitosterol, arginina, beta-caroteno, coixans A e B, coixenólido, coixol, histidina, leucina, lisina, proteínas, sais minerais (cálcio, fósforo, ferro), tirosina, riboflavina, niacina.

Ações farmacológicas: Em experimentos com animais constatou-se atividade antitérmica, diurética e relaxante muscular, sendo que o relaxamento da musculatura é atribuído ao coixol, um dos componentes químicos encontrados nos grãos.

Contra-indicações: Não deve ser usada por gestantes e nutrizes. Não fazer uso prolongado.

Posologia e modo de uso:  Decocção de 10 a 30 g de sementes tostadas em uma xícara de água.

– folhas e colmos em decocção: banhos no tratamento do reumatismo e excitante. Internamente: diurético, antiasmático, artrite, cistite, edemas.

Referências: 

LORENZI, H.; MATOS, F. J. A. Plantas Medicinais no Brasil: nativas e exóticas. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2008.

MICHALAK, E.,Irmã. “Apontamentos fitoterápicos da Irmã Eva Michalak.” Florianópolis: Epagri, 1997.

PHUNG, T. H.; Nguyen, H. A.; Nguyen, Q. C.; Nguyen, T. D.; Nguyen, T. H. “Chemical composition and effects on carbohydrate metabolism of chloroform fraction of Coix lachryma-​jobi (L) stem extract”. From Mahidol University Journal of Pharmaceutical Sciences (2012), 39(1), 19-24. (Art. Scifinder) Acesso 26 Junho 2015.

http://www.plantamed.com.br/plantaservas/especies/Coix_lacryma-jobi.htm – Acesso 03 Julho 2015.

http://www.tropicos.org/Name/25515612?tab=synonyms – Acesso 26 Junho 2015.

Tags: AnalgésicoAnti-espasmódicoAnti-inflamatórioAntimicrobianoAntitérmicoDiuréticoReumatismo

GRAVIOLA

11/02/2020 21:15

Annona muricata  L.

Annonaceae


SinonímiasAnnona bonplandiana Kunth, Annona cearensis Barb. Rodr., Annona muricata var. borinquensis Morales, Guanabanus muricatus M. Gómez.

Nomes populares: Graviola, araticum, araticum-de-comer, jaca-do-pará, jaqueira-mole, pinha, fruta-do-conde, curaçau, ata-de-lima, ata, coração-da-rainha, guanabana (Peru, Cuba, México), anon (Haiti), sap-sap (África).

Origem ou Habitat: México e América tropical. No Brasil é amplamente cultivada nos estados do Nordeste.

Características botânicas: Árvore de até 8 metros de altura, com folhas obovado-oblongas, brilhantes, medindo 8-15 cm de comprimento. Flores solitárias, cálice de sépalas triangulares e pétalas externas grossas de cor amarela. Os frutos são grandes, tipo baga, tem a superfície espinhosa, grande, medindo 25-35 cm de comprimento, com polpa esbranquiçada mucilaginosa e ácida.

A espécie afim Annona montana Macfad. possui propriedades similares

Partes usadas: Cascas, raízes, folhas, flores, polpa e as sementes da fruta.

Uso popular: O chá das folhas é usado contra problemas do coração, insônia, febre, malária, hepatite, diarreia, mal de sete dias (tétano)( Ming, Lin Chao, 2006); os frutos em estado verde são usados para combater a disenteria e tratar aftas das crianças (sapinho); no Brasil come-se como legume, cozidos, assados ou fritos em fatias. Depois de maduro, a polpa tem sabor agradável e ligeiramente ácido, sendo constituída por quase pura celulose de difícil digestão, por isso o uso é melhor aproveitado com a extração do suco para o preparo de bebidas, sorvetes, geleias. São consideradas peitorais, antiescorbútica, diuréticas e febrífugos. O óleo essencial extraído das folhas e dos frutos verdes, de cheiro desagradável, associado ao óleo de amêndoas, é indicado em fricções nos casos de nevralgias e reumatismo. As folhas amassadas e misturadas com azeite quente servem para resolver os furúnculos e abcessos. No Pará, a graviola foi indicada popularmente para tratamento de diabetes, como calmante e antiespasmódico (BERG, Maria Elisabeth van den:). As folhas são usadas para eliminar vermes (Hoehne, 1919). As folhas da graviola são sudoríficas e peitorais (Dias da Rocha, 1919).

Alguns autores (2008) registram que tem aumentado o uso do chá das folhas da graviola como agente emagrecedor e medicação contra alguns tipos de câncer.

a dose média indicada é uma colher de sobremesa de folhas para uma xícara de água 3 vezes ao dia.

Composição química: Acetogeninas – são tetrahidrofuranos presentes nas sementes e folhas, dentre as que destacam-se: annomuricinas A,B e C, gigantetrocinas A e B, gigantetronenina (cis e trans), annonacinas e isoannonacinas, muricinas, muricatetrocinas, annocatalina, solamina, xilomaticina, etc.

Alcalóides: annomonicina, annomurina, annonaína, annoniína, asimilobina (do tipo isoquinolínico), etc. Outros alcalóides: muricinina, estefarina, coreximina, aterospermina e aterosperminina.

Outros: amida N-p-coumaroil-tiramina, taninos, compostos polifenólicos (ácido caféico, ácido p-cumárico, leucoantocianinas, ácido hidrociânico, ácido ascórbico, sacarose, fitoesteróis (B-sitosterol, estigmasterol, arronol, ipuranol), ácido y-aminobutírico, ácido málico e óleo fixo nas sementes (Alonso, J., 2004).

Ações farmacológicas: Extratos das folhas tem poderoso efeito hipotensor em cobaias. (MILLIKEN, William et all., 1992; CAVALCANTE, Paulo B., 2006 apud CARRARA, D., 2010 ).

Pesquisas recentes na UFC reconhecem o potente efeito hipoglicemiante das folhas da graviola.

Possui atividades antitumorais e antiparasitárias. (Alonso, J., 2004).

Interações medicamentosas: Pode potencializar drogas anti-hipertensivas cardiodepressoras.

Efeitos adversos e/ou tóxicos: Annonacinas estão relacionadas ao risco de neurotoxicidade.

Contra-indicações: Contra indicado na gravidez e para hipotensos.

Posologia e modo de uso: A dose média indicada é uma colher de sobremesa de folhas para uma xícara de água 3 vezes ao dia, evitar o uso crônico.

Observações: As acetogeninas formam uma nova classe de compostos naturais de natureza policetídica de grande interesse para farmacologistas e químicos de produtos naturais em todo o mundo, por serem farmacologicamente muito ativas como antitumoral e inseticida, sendo a mais ativa delas a anonacina; uma outra substância desta classe mostrou intensa atividade contra o adenocarcinoma do cólon (intestino grosso), numa concentração 10.000 vezes menor do que a adriamycina, quimioterápico usado para tratamento deste tipo de tumor. Descobertas como estas tem provocado uma grande procura por folhas de graviola, cuja negociação pelas empresas de cultivo com os laboratórios de pesquisa e de produção de fitoterápicos especialmente do exterior, alcança quantidades da ordem de toneladas. O amplo emprego desta planta nas práticas caseiras da medicina popular e seus resultados positivos, além da grande disponibilidade de material no Brasil, são motivos suficientes para sua escolha como tema de estudos químicos, farmacológicos e clínicos mais aprofundados, visando sua validação como medicamento antitumoral (Prof. Douglas Carrara, 2011).

Referências: 

ALONSO, J. Tratado de Fitofármacos y Nutracéuticos. Rosario, Argentina: Corpus Libros, 2004.

CARRARA, D. – Antropólogo, Professor, Pesquisador de medicina popular e fitoterapia no Brasil – www.bchicomendes.com

LORENZI, H.; MATOS, F. J. A. Plantas Medicinais no Brasil: nativas e exóticas. 2.ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2008.

Ming, Lin Chao – Plantas Medicinais na reserva extrativista Chico Mendes: uma visão etnobotânica. São Paulo , editora UNESP, 2006.

MILLIKEN, William; Robert P. Miller; Sharon R. Pollard & Elisa V. WANDELLI: 1992 – The Ethnobotany of the Waimiri Atroari Indians of Brazil – Royal Botanic Gardens – London – pp. 50

CAVALCANTE, Paulo B. (1922-2006):

http://www.tropicos.org/Name/1600001 – acesso em 25 de outubro de 2012.

http://www.tudosobreplantas.com.br/blog/index.php/plantas-medicinais/drauzio-varella-e-a-graviola-annona-muricata-l-1753/ – acesso em 14 de novembro de 2012.

J Agric Food Chem. 2014 Aug 27;62(34):8696-704. doi: 10.1021/jf501174j. Epub 2014 Aug 18. Identification of the environmental neurotoxins annonaceous acetogenins in an Annona cherimolia Mill. Alcoholic Beverage Using HPLC-ESI-LTQ-Orbitrap. Le Ven J1, Schmitz-Afonso I, Lewin G, Brunelle A, Touboul D, Champy P.

Tags: AntiespasmódicoCalmanteDiarreiasDisenteriaDiuréticoFebreHepatoprotetoraInsôniaMaláriaReumatismoVermífuga

FUNCHO

20/01/2020 23:06

Foeniculum vulgare   Mill.

Apiaceae 


Sinonímias: Anethum foeniculum L., Foeniculum officinale All., Meum foeniculum (L.) Spreng.

Nomes populares:  Funcho, erva-doce, erva-doce-de-cabeça, falsa-erva-doce, falso-anís, funcho-bastardo, funcho-comum, funcho-doce, funcho-italiano, funho-vulgar, fiolho, anís, cilantrillo, hinojo (Esp.) finocchio (Engl., EUA).

Origem ou Habitat: Nativa da Europa e amplamente cultivada em todo o Brasil..

Características botânicas:  Erva perene ou bianual, entouceirada, aromática, de 40-60 cm de altura. Folhas inferiores alargadas de até 30 cm de comprimento e superiores mais estreitas, com pecíolo alargado como bainha que envolve o caule, compostas pinadas, com folíolos reduzidos a filamentos. Flores pequenas, hermafroditas, de cor amarela, dispostas em umbelas compostas por 10-20 umbelas menores. Os frutos são oblongos, compostos por dois aquênios de cerca de 4 mm de comprimento.

Partes usadas: Frutos (vulgarmente chamados de sementes), folhas e raízes. A base da haste é empregada na culinária.

Uso popular:  Desconfortos gastrointestinais, como dispepsia, flatulência, eructação e dores decorrentes de transtornos digestivos funcionais. Também utilizada para auxiliar a eliminação de catarro das vias respiratórias superiores. Suas raízes são utilizadas para facilitar as funções de eliminação urinária e digestiva e de eliminação renal de água, como em situação de edemas, hipertensão arterial, afecções genitourinárias e certos reumatismos. Situações de amenorréia, dismenorréia e perturbações associadas ao climatério, e ainda para aumentar o leite materno. Externamente os frutos e folhas são utilizados em inflamações das mucosas ocular e da orofaringe e para perfumar o hálito. É também aromática e comestível.

Composição química:  Óleo essencial composto por anetol 90-95%, metilchavicol, anisaldeído, linalol e outros derivados terpênicos oxigenados; óleo fixo; proteínas; carboidratos; ácidos málico, caféico e clorogênico; cumarinas; flavonóides; esteróides e miristicina. Minerais como potássio (K), vitaminas A,B,C,E , ácido fólico.

Ações farmacológicas: Carminativa, antiespasmódica, galactogoga, estrogênica, aperiente, eupética, relaxamento dos esfíncteres do trato gastrointestinal, anti-séptica, inseticida, antifúngica, antimicrobiana, antiinflamatória, expectorante. Suas raízes têm ação diurética, e suas folhas têm propriedades cicatrizantes e anti-sépticas.

Interações medicamentosas: Pode interagir com o antibiótico ciprofloxacina (estudos em ratos).

Efeitos adversos e/ou tóxicos: Em casos específicos, pode ocorrer reação alérgica da pele e do trato respiratório. O anetol e a miristicina presentes no óleo essencial podem, em altas doses, originar efeitos convulsivantes e/ou alucinatórios. As cumarinas podem ser fototóxicas, provocando, à exposição solar, o aparecimento de vesículas, edema ou hiperpigmentação cutânea.

Contra-indicações:  Na farmacopéia alemã não se recomenda o óleo essencial de funcho em grávidas, lactentes e crianças pequenas, nem em pessoas com antecedentes de epilepsia ou convulsões. Para as infusões não haveria contra-indicações.

Posologia e modo de uso: Uso interno – Infusão de uma colher (sopa) de folhas 3x ao dia, ou uma colher de chá de frutos esmagados para uma xícara (150ml) de água fervente 3x ao dia. Como expectorante em crianças, utilizar na forma de xarope.

Uso externo: cataplasma de folhas recentes.

 

Referências:
ALONSO, J. Tratado de Fitofármacos y Nutracéuticos. Rosario, Argentina: Corpus Libros, 2004. p. 608-611.

BRUNETON, J. Farmacognosia: Fitoquímica, Plantas Medicinales. Tradução de Á. V. del Fresno; E. C. Accame; M. R. Lizabe. 2. ed. Zaragoza, Espanha: Acribia, 2001. p. 510-511.

CUNHA, A. P.; SILVA, A. P.; ROQUE, O. R. Plantas e Produtos Vegetais em Fitoterapia. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2003. p. 336-337.

LORENZI, H.; MATOS, F. J. A. Plantas Medicinais no Brasil: nativas e exóticas. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2002. p. 480.

SILVA, R. C. Plantas Medicinais na Saúde Bucal. Vitória, [s. i.], 2001. p. 58.

http://www.tropicos.org/Name/50277946 – Acesso em: 13 de março de 2012.

KINUPP, V. F.;LORENZI, H.(b)Plantas Alimentícias Não Convencionais ( PANC ) no Brasil. Nova Odessa , SP. Instituto Plantarum de estudos da flora, 2014.

Tags: AfecçõesAmenorréiaAnti-inflamatórioAromáticaClimatérioComestívelDismenorreiaDispepsiaEdemaEructaçãoFlatulênciaHipertensãoReumatismo

FEIJÃO-ANDÚ

20/01/2020 22:11

Cajanus cajan (L.) Huth.

Fabaceae 


Sinonímias: Cajanus cajan (L.) Mill.

Nomes populares:  Andu, feijão-guandu, guandeiro, feijão-de-cuandu, cuandu, feijão-de-árvore, ervilha-de-angola, ervilha-de-sete-anos, ervilha-do-congo.

Origem ou Habitat: Índia muito cultivada no Brasil desde a colonização.

Características botânicas:  Arbusto ereto , ramificado , pubescente ,até 130cm de altura , folhas compostas trifolioladas , folíolos pubescente em ambas as faces , 4-7 cm de comprimento.Flores amarelas , as vezes amarelas-avermelhadas , em racemos axilares . frutos sã vagens indeiscentes , cilíndricas , com 3-7 sementes.

Partes usadas: Folhas, flores, raízes e sementes.

Uso popular:  Segundo as comunidades da Ilha emprega-se o decocto das folhas externamente, para lavagens de feridas e afecções cutâneas. Com as folhas também prepara-se um xarope com mel, que é usado internamente, para gripes e resfriados e como depurativo do sangue.

Folhas e ramos são utilizados na forma de decocto, para lavagem da pele, em casos de catapora, sarampo e coceira e internamente contra alergias.

As folhas são utilizadas para o tratamento de dor de dente, reumatismo, tosse, afecções pulmonares, para cálculos renais e para diarréia. As pontas dos ramos para hemorragia

Nas regiões tropicais, é relatado o uso dos grãos na alimentação . Os grãos desta planta são bastante nutritivos. O chá da raiz é usado em problemas ditos do fígado.

Composição química:  As folhas contém esteróis , taninos e triterpenos. As raízes e os grãos contêm diversos flavonóides, como cajanina, cajanol, cajaflavanona, cajanona. As sementes (grãos) contém ácido p-hidroxibenzóico, fenilalanina, cajaminose e um aminoglicosídeo.

Os grãos contém 19 – 20% de proteínas, 1,1 – 1,2% de lipídios e 62 – 64% de glicídios.

  • Isocumarinas: Cajavilmina
  • Cumarinas: Cajanuslactona (Raízes)
  • Triterpenos: Lupenona, β-amirenona, α –amirenona, ácido betulínico (Raízes), β-amirina, α- amirina e Lupeol.
  • Estilbenos: Longistilina A e C, 3-hidroxi-5-metoxiestilbeno, cajanina (folhas e sementes), concajanina (folhas e sementes) e ácido cajaninstilbeno.
  • Esteroides: β-sitosterol e estigmasterol.
  • Flavonoides: Genisteína, genistina, cajaflavanona, cajaisoflavonona, cajanona, 2’-O-metil-cajanona, 5-hidroxi-7-metoxidihidroflavona, vitexina, quercetina, luteolina, apigenina, isoramnetina, trihidróxi-isoflavonas, isoquercitrina (superfície da vagem), quercetina-3-metil éter (superfície da vagem), cajanol, 2-hidroxigenisteína, isogenisteína-7-O-glicosídeo (casca da raíz), ferreirina, pinostrobina, orientina, dentre outros.
  •  Ácidos graxos: Ácido hexadecanóico
  • Ácidos fenólicos: Ácido p-hidroxibenzóico

Ações farmacológicas: In vitro mostrou atividade contra fungos. Atividade no tratamento de anemia falciforme (GRENAND et al., 1987). Os taninos são responsáveis pela ação antidiarréica da planta (POUSSET, 1989).

Efeitos adversos e/ou tóxicos: Os grãos desta espécie contêm cianetos, taninos e fitohemaglutininas . Por este motivo, deve-se evitar o consumo dos grãos verdes.

Em animais de laboratório foi observada uma tendência ao aumento da ocorrência de anomalias viscerais e malformações externas em filhotes cujas mães receberam extratos desta planta durante a gestação.

Contra-indicações:  O efeito em mulheres grávidas não é conhecido, porém é preferível que as gestantes evitem usar esta planta.

Posologia e modo de uso: As folhas são preparadas por infusão ou decocção, a partir de 15g de material para 1 litro de água . Também é utilizada a decocção dos grãos .

Na alimentação os grãos são cozidos como o feijão vulgar.

Observações: Considerada pela população como planta para ” levante de sangue”.

 

Referências:
AKOJIE, F.O.B.; FUNG, LW.-M. Antisickling Activity of Hydroxybenzoic Acids in Cajanus cajan. Planta Med., n. 5, p. 20-317, 1992.

COSTA, Joség. M. da et al. Evaluation of the antifungal activity and modulation between Cajanus cajan (L.) Millsp. leaves and roots ethanolic extracts and conventional antifungals. Pharmacognosy Magazine, [s.l.], v. 8, n. 30, p.103-106, 2012.

CORDOVIL, K. et al. Revisão das Propriedades Medicinais de Cajanus cajanna Doença Falciforme. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, [s.l.], v. 17, n. 43, p.1199-1207, 2015.

GRENAND, P.; MORETTI, C; JACQUEMIN, H. Pharmacopéas tradicionales en Guyane. Paris: Orstom, 1987.

GREEN, Paul W. C. et al. Phenolic Compounds on the Pod-Surface of Pigeonpea, Cajanus cajan, Mediate Feeding Behavior of Helicoverpa armigera Larvae. Journal Of Chemical Ecology, [s.l.], v. 29, n. 4, p.811-821, 2003.

IWU, M.M.; IGBOKO AO.; ONWUBJKO, H.; NDU, U. E. Effect of Cajaminose from Cajanus cajan on Gelation and Oxygen Affinity of Sickle Cell Haemoglobin. J. Ethnopharmacol., n.23, p.99-104, 1966.

LEMONIC, A. I. P.; ALVARENGA, C. M. D. Abortive and Teratogenic Effect of Acanthospermum hispidum DC. and Cajanus cajan (L.) Millsp. in Pregnant Rats. J. Ethnopharmacol., n.43, p. 39-44, 1994.

LORENZI, H.; MATOS, F. J. A. Plantas Medicinais no Brasil: nativas e exóticas. 2.ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2008.

PAL, Dilipkumar et al. Biological activities and medicinal properties of Cajanus cajan (L) Millsp. Journal Of Advanced Pharmaceutical Technology & Research, [s.l.], v. 2, n. 4, p.207-214, 2011.

POUSSET, J. L. Plantes Medicinales Africaines: Utilization Pratique. Paris: Agence de Cooperation Ellipses Culturelle et Technique, 1989.

RODRIGUES, Virginia F.; OLIVEIRA, Rodrigo R.; VEGA, Maria Raquel G.. A New Isocoumarin from Cajanus cajan (Fabaceae). Natural Product Communications, [s.l.], v. 9, n. 4, p.493-494, abr. 2014.

ROIG Y MESA, J. T. Plantas medicinales aromáticas o venenosas de Cuba. Habana: Cultural, 1945. p.326-327.

SHRIVASTAVA, S. K.; BAJPAI, R. K. A Study of Some Toxic Constituents of Five New Varities of Pigeon Pea (Cajanus cajan (L.) MiII sp.). Current Science, v.51, n.14, p. 4-703, 1982.

WENIGER, Β.; ROBINEAU, L. Seminário TRAMIL 3: Elements pour une Pharmacopée Caribe. Santo Domingo: Editora Compio, 1988.

J Adv Pharm Technol Res., [S.I.], v.2, n.4, p.14-207, Oct. 2011.

Biological activities and medicinal properties of Cajanus cajan (L) Millsp. Pal D, Mishra P, Sachan N, Ghosh AK. Source Division of Pharmaceutical Chemistry, School of Pharmaceutical Sciences, IFTM University, Lodhipur Rajput, Moradabad, Uttar Pradesh, India.

Pharmacogn Mag. 2012 Apr;8(30):103-6. Evaluation of the antifungal activity and modulation between Cajanus cajan (L.) Millsp. leaves and roots ethanolic extracts and conventional antifungals. Brito SA, Rodrigues FF, Campos AR, da Costa JG. Source Molecular Bioprospection Post-graduation Program, Laboratory of Natural Products Research, Department of Biological Chemistry, Regional University of Cariri, Crato, CE, Brazil.

Tags: AfecçõesCataporaCoceiraDiarreiasDor de denteGripeNutritivaResfriadoReumatismoSarampoTosse

ERVA-SILVINA

19/01/2020 23:10

Microgramma vacciniifolia  (Langsd.& Fisch.) Copel.

Polypodiaceae 


Sinonímias: Anapeltis vacciniifolia (Langsd. & Fisch.) J. Sm., Polypodium vacciniifolium Langsd.& Fisch., Marginaria vacciniifolia (Langsd. & Fisch.) C. Presl.

Nomes populares:  Erva-silvina, cipó-cabeludo, soldinha, solda, silvina, erva-tereza.

Partes usadas: Indicação popular de usar a planta toda.

Uso popular:  Problemas renais, reumatismos, tosse, tosse com sangue. Segundo o Pe. Ivacir José Franco (2007), “é recomendado o uso para hemorragias internas e externas: urina com sangue, diarréia, vômitos, escarros sanguinolentos e sangue no nariz. É adstringente e auxiliar no tratamento de varizes, males dos rins e bexiga”.

Composição química:  Partes aéreas: β-sitosterol, hopan-​22-​ol, 6-​metoxiapinenin-​7-​O-​β-​D-​allopyranoside, ésteres do ácido carboxilílico. Rizomas: lectinas.

Ações farmacológicas: As lectinas são glico-proteínas com atividades hemaglutinante, antifúngica e termiticida. Mostrou atividade antioxidante devido ao conteúdo em compostos fenólicos. Neste estudo também foram avaliados os efeitos antimicrobianos e alelopáticos.

Observações: Pássaros a utilizam para fazer ninhos ajudando na dispersão.

Eva Michalak (1997), faz menção à espécie Polypodium lycopodioides L., cujos nomes populares são cipó-cabeludo, erva-silvina ou soldinha, indicado para “escarros sanguinolentos, inflamação da bexiga, gota, frieira, rachaduras, coceiras, menstruação, nefrite, varizes. Em fricções tópicas, auxilia no tratamento do reumatismo.

 

 

Referências:
FRANCO, Ivacir (Pe.) “Ervas & Plantas: A medicina dos simples.” 11ª ed. Erexim, RS, 2004.

MICHALAK, E. “Apontamentos fitoterápicos da Irmã Eva Michalak”.Epagri, Florianópolis,SC, 1997.

PEREIRA de ALBUQUERQUE L. et all. “Toxic effects of Microgramma vacciniifolia rhizome lectin on Artemia salina, human cells, and the schistosomiasis vector Biomphalaria glabrata.” 2014 Oct;138:23-7. doi: 10.1016/j.actatropica.2014.06.005. Epub 2014 Jun 19.

PEREIRA de ALBUQUERQUE, Lidiane.; Maria de Sa Santana, Giselly; Pontual, Emmanuel Viana; Napoleao, Thiago Henrique; Breitenbach Barroso Coelho, Luana Cassandra; Paiva, Patricia Maria Guedes. ” Effect of Microgramma vaccinifolia rhizome lectin on survival and digestive enzymes of Nasutitermes corniger (Isoptera, Termitidae) From International Biodeterioration & Biodegradation (2012), 75, 158-166. (Scifinder) Acesso 14 SET 2015.

PEREIRA de ALBUQUERQUE, Lidiane; Santana Giselly Maria de Sa; Napoleao Thiago Henrique; Coelho Luana Cassandra Breitenbach Barroso; Silva Marcia Vanusa da; Paiva Patricia Maria Guedes “Antifungal activity of Microgramma vacciniifolia rhizome lectin on genetically distinct Fusarium oxysporum f. sp. lycopersici races”. From Applied biochemistry and biotechnology (2014), 172(2), 1098-105. (Scifinder) Acesso 14 SET.2015.

PERES, Marize T. L. P.; Simionatto, Euclesio; Hess, Sonia C.; Bonani, Vanderlea F. L.; Candido, Ana C. S.; Castelli, Caroline; Poppi, Nilva R.; Honda, Neli K.; Cardoso, Claudia A. L.; Faccenda, Odival. “Chemical and biological studies of Microgramma vacciniifolia (Langsd. & Fisch.) Copel (Polypodiaceae)” – From Quimica Nova (2009), 32(4), 897-901. (Scifinder) Acesso 14 SET. 2015.

http://www.ufrgs.br/fitoecologia/florars/index.php?pag=buscar_mini.php – Acesso 14 SET 2015.

http://www.tropicos.org/Name/26609816 – Acesso 14 SET 2015.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Lectina – Acesso 14 SET 2015.

Tags: hemorragiasReumatismoTosseVômitos

ERVA-CIDREIRA

10/01/2020 15:38

Melissa officinalis  L.

Lamiaceae (Labiatae)


Sinonímias: Melissa bicornis Klokov.

Nomes populares:  Erva-cidreira, cidreira, erva-cidreira-verdadeira, melissa, chá-da-frança, limonete, melissa-romana, balm or lemon balm (English), bee balm, sweet balm (English, United States), xiang feng hua (Pinyin, China), etc.

Origem ou Habitat: Europa, norte da África e oeste da Ásia.

Características botânicas:  Erva perene, ereta, de até 80 cm de altura, ramificada desde a base, com ramos quadrangulares, folhas opostas, simples, ovadas, com até 7 cm de comprimento, pilosas, de margem crenada, curto pecioladas, com nervuras salientes na face inferior. Flores brancas e rosadas, dispostas em verticilos axilares, em número de 6 – 12.

OBS.:A Melissa officinalis cultivada no Brasil não floresce, exceto a chamada M. officinalis var. limonete.

Partes usadas: Folhas e ramos.

Uso popular:  As folhas ou ramos de melissa são usadas como sedativo, em dores de cabeça e de dente, em estados gripais (como diaforético e tônico), em palpitações, em distúrbios gastrointestinais e menstruais, bem como em reumatismo.

– Tem ação sobre o sistema nervoso central, agindo como calmante. – Usada contra dor de cabeça causada por nervosismo ou má digestão. – É um ótimo digestivo, pois aumenta a produção de bile e auxilia a eliminação de gases. Tem boa ação em gastrites e diarréias. – Tem ação sobre o vírus do herpes simples, vírus da gripe e da caxumba. – Exerce bons efeitos sobre o hipertireoidismo. – Baixa a pressão arterial, mas não é diurético. – Tem bom efeito em cólicas menstruais.

– Usar o chá externamente para rachaduras das mamas e em picadas de insetos. Outros usos:

– Usada na cozinha européia como tempero ou como aromatizante de doces e licores. – Também usado em perfumaria.

Composição química:  Entre os principais constituintes da melissa encontra-se o óleo essencial composto majoritariamente por monoterpenos, sendo os principais o citronelal e o citral a e b, e sesquiterpenos, dentro os quais o β-cariofileno e germacreno-D. A composição do óleo essencial depende fortemente de diversos fatores, inclusive da procedência e do clima . Além do óleo essencial, a planta contém taninos típicos de Labiatae (derivados do ácido rosmarínico), glicosídeos, flavônicos e ácidos triterpênicos, bem como substâncias amargas.

Óleo essencial:

  • Monoterpenos: Citral, Citronelal, Geraniol, dentre outros.
  • Sesquiterpenos: β-Cubebeno, β-cariofileno, óxido de β-cariofileno, dentre outros.
  • Triterpenos: Ácido ursólico, ácido oleanólico 3β, 16β, 23-trihidroxi-13,28-epoxiurs-11-eno-3- o -β-d-glucopiranósido, dentre outros.
  • Ácidos fenólicos: Ácido rosmarínico, ácido cafeico, ácido protocatecuico, ácido 3-(3,4-di-hidroxifenil)-láctico, dentre outros.
  • Flavonoides: Luteolina, apigenina 7- o -β-D-glucopiranosideo, luteolina 3′- o -β-d-glicuronopiranosideo, hesperidina, luteolina 3′- o -β-D-glicuronídeo, luteolin7- o –glicosídeo, apigenin7- o- glicosídeo, isoquercitrina, naringenina, quercitrina, ramnocitrina, catequina, epi-catequina, rutina, dentre outros.

Ações farmacológicas: Tanto o óleo essencial quanto a planta possuem ações sedativa, espasmolítica e antibacteriana os polifenóis são atribuídas ações colerética e, provavelmente, virustática (vírus Herpes simplex), evidente em extratos aquosos de Melissa officinalis. Ensaios preliminares com extrato aquoso indicaram uma possível ação antiúlcera gástrica.

Interações medicamentosas: Pode potencializar substâncias hipnóticas sedativas.

Efeitos adversos e/ou tóxicos: O óleo essencial de melissa é tóxico podendo causar entorpecimento e diminuição da pulsação.

A absorção de mais de 2g de óleo essencial provoca entorpecimento e sono com diminuição da freqüência respiratória, do ritmo cardíaco e da pressão arterial.

Por sua ação hipnosedante é necessário cuidado ao dirigir, manusear máquinas e exercer funções que exijam atenção.

Contra-indicações:  O óleo essencial não deve ser usado por grávidas e lactantes, e o extrato seco é contraindicado em hipotireoidismo.

Posologia e modo de uso: Para uso interno: Infusão – Uma colher das de sobremesa de folhas (2-3g) para uma xícara de água. Tomar de 3 a 4 xícaras ao dia.

Segundo Agência Européia de Medicina (http://www.ema.europa.eu/ema/):

Na França usa-se cápsula (275 mg de pulverizado de ervas) – Adultos: Dose: 0,275 g 3 vezes por dia – (Dose diária: 0,825 g); adolescentes com mais de 12 anos de idade: dose única: 0,275 mg 2 vezes por dia – (Dose diária: 0,55 g). Tradicionalmente usado em tratamento sintomático de patologias digestivas, tais como: distensão epigástrica, digestão lenta, eructação, flatulência.

Na Alemanha, Chá da erva: Para uma xícara, 1 saquinho de erva (= 1,6 g Melissae Folium) 1-3 vezes por dia. a) para melhora geral de condição mental de estresse, b) para ajudar ao sono c) tratamento sintomático de dispepsias leves, queixas como sensação de plenitude e flatulência.

Na Holanda, recomenda-se ingerir 2 cápsulas contendo 171 mg de extrato seco, três vezes ao dia.

Na Polônia, uso oral; adolescentes com mais de 12 anos de idade e adultos: infusão com 2-3 g em 150 ml de água, até 3 vezes diárias.

Na Espanha, erva em pó, cápsula contendo 275 mg de pulverizado de ervas, adolescentes e adultos: Dose: 0,55 g 3-2 vezes ao dia; (dose diária: 1,1-1,65 g).

No Reino Unido, extrato seco – cápsula contendo 171 mg de extrato seco equivalente a 684-1026 mg de folhas de lemon balm (Melissa officinalis). Adultos e idosos: 2 cápsulas 3 vezes diariamente. O uso em crianças ou adolescentes menores 18 anos não é recomendado.

Referências:
BISSET, N. G. (ed.). Herbal Drugs and Phytopharmaceuticals. 4.ed. Stuttgart: Medpharm, Boca Raton: CRC Press, 1994.

CAMARGO, N. M. C. L.; JORGE, N. J. Melissa officinalis L.: Atividade Antiulcera Gástrica. In: IX REUNIÃO ANUAL DA FEDERAÇÃO DE SOCIEDADES DE BIOLOGIA EXPERIMENTAL, 1994, [S. I.]. Resumos. [S. I.], 1994. p.208.

DELAVEAU,P. et al. Segredos e Virtudes das Plantas Medicinais. Lisboa: Lisgrafica, 1983.

http://www.ema.europa.eu/ Acesso 19 Abril 2016.

GIRRE, L. La santé par lês plenes. Rennes: Ed. Quest France, 1992.

HANSEL, R.; HAAS, H. Therapie mit Phytopharma ka. Berlin: Springer, 1984.

SIMÕES, C. M. O. Plantas da Medicina Popular do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: UFRGS, 1986.

SHAKERI, Abolfazl; SAHEBKAR, Amirhossein; JAVADI, Behjat. Melissa officinalis L. – A review of its traditional uses, phytochemistry and pharmacology. Journal Of Ethnopharmacology, [s.l.], v. 188, p.204-228, jul. 2016.

VAN HELLEMONT, J. Compendium de phytothérapie. Bruxelles: Association Pharmaceutique Belge, 1986.

POUYANFAR, Elahe et al. Analysis of phytochemical and morphological variability in different wild-and agro-ecotypic populations of Melissa officinalis L. growing in northern habitats of Iran. Industrial Crops And Products, [s.l.], v. 112, p.262-273, fev. 2018.

MORADKHANI, Hojat et al. Melissa officinalis L., a valuable medicine plant: A review. Journal Of Medicinal Plants Research, [s.l.], v. 4, n. 25, p.2753-2759, dez. 2010.

WAGNER, H. Pharmazeutische Biologie 2: Drogen und ihre Inhaltsstoffe. 4.ed. Stuttgart: Gustav Fischer, 1988.

http://www.tropicos.org/Name/17600147 – Acesso em: 27 de março de 2012.

Tags: CefaléiaCólicaCondimentoDiarreiasGastritePalpitaçõesReumatismoSedativo

ERVA-BALEEIRA

10/01/2020 15:30

Varronia curassavica  Jack.

Cordiaceae


Sinonímias: Cordia verbenacea DC., Varronia verbenacea (DC.) Borhidi, Cordia curassavica auctt. bras. ex Fresen, Cordia salicina DC.

Nomes populares:  Erva-balieira, erva-baleeira, erva-preta, maria-preta, maria-milagrosa, catinga-de-barão, caramona, mijo-de-grilo, milho-de-grilo, salicina, cheiro-de-tempêro.

Origem ou Habitat: Regiões litorâneas do Sudeste e Leste brasileiro.

Características botânicas:  Arbusto ereto, muito ramificado, aromático, com a extremidade dos ramos um pouco pendente e hastes revestidas por casca fibrosa, medindo de 1,5 a 2,5m de altura. Folhas simples, alternas, serrilhadas, coriáceas, verrugosas e aromáticas, de 5-9 cm de comprimento. Inflorescências racemosas terminais com pequenas flores brancas, de 10-15 cm de comprimento. Os frutos são cariopses esféricas e vermelhas.

Partes usadas: Folhas.

Uso popular:  É amplamente utilizada na medicina caseira nas regiões litorâneas do Sudeste e Leste brasileiro, onde é considerada antiinflamatória, cicatrizante, diurética, antiartrítica, analgésica, tônica e antiulcerogênica.

É usada para as seguintes afecções: reumatismo, artrite reumatóide, gota, dores musculares e da coluna, prostatites, nevralgias e contusões e também para feridas externas e úlceras. É comum seu uso entre os pescadores da região litorânea. Usuários que ingerem o chá abafado ( infusão ) relatam melhora de sintomas dispépticos e aumento da diurese, além da melhora dos sintomas dolorosos para o qual foi indicada.

Composição química:  Os princípios ativos básicos são o óleo essencial e os flavonóides. Principais componentes do óleo essencial: α-tuyeno (12%), α-pineno (5%), trans-cariofileno, tuya-2,4(10)-dieno (0,4%), sabineno (2,5%), β-cariofileno (6,8%), α-humuleno (1,3%), allomadendreno (1,8%), germacreno D (6,6%), biciclogermacreno (5,3%), α-muuroleno (0,7%), α-cadineno (traços), δ-cadineno (16,8%), elemol (3,3%), germacreno D-4-ol (5,0%), neo-5-cedranol (14,8%); Principais flavonóides: sitosterol (Lins et al.); 5-hidroxi-3,6,7,3´,4´-pentametoxiflavona (artemetina) (Sertieé et al., 1990) (Lins et al.); 5,6´-diidroxi-3,3´,4´,6,7-pentametoxiflavona (Lins et al.); 7,4´- diidroxi-5´-carboximetóxi isoflavona e 7,4´- diidroxi-5´- metil isoflavona (Ameira, et al. 2006).

Ações farmacológicas: Antiinflamatória, diurética, antiartrítica, analgésica, tônica e antiulcerogênica.

Interações medicamentosas: Interações descritas com a utilização da planta e outros farmacos.

Efeitos adversos e/ou tóxicos: Estudos in vivo não mostraram toxicidade e não há relatos de efeitos adversos.

Contra-indicações:  Por falta de maiores estudos é desaconselhado para gestantes.

Posologia e modo de uso: Uso interno: Infusão: 5 folhas picadas para 1 xícara de água fervente. Abafar por 15 minutos, coar e tomar 1 xícara 3x ao dia.

Uso externo: Cataplasma, creme ou pomada.

Observações: Os frutos são apreciados pelos pássaros.

Existe uma espécie assemelhada, chamada de Trinca-Trinca (Cordia monosperma), usada popularmente como antiinflamatória para combater hemorróidas, na forma de banho de assento.

 

Referências:
AMEIRA, O.A. et al. Estabelecimento de cultura de células em suspensão e identificação de flavonóides em Cordia verbenacea DC. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, Botucatu, v. 11, n. 1, p. 7-11, 2009.

FERRAZ, E. O. Cordia verbenacea: um caso de sucesso na fitoterapia brasileira. Lavras, MG: UFLA, 2010.

LINS,A.P.; ALVARENGA, M. A. Flavonóides de Cordia verbenacea. Supl. Ciência e Cultura, São Paulo, v. 32, p. 457, 1980.

LORENZI, H; MATOS, F.J.A. Plantas Medicinais no Brasil: nativas e exóticas. Nova Odessa , SP: Instituto Plantarum, 2002.

LORENZI, H; MATOS, F.J.A. Plantas Medicinais no Brasil: nativas e exóticas. 2. ed. Nova Odessa , SP: Instituto Plantarum, 2008.

QUISPE-CONDORI, S. et al. Global yield of the Supercritical CO2 extraction from Cordia verbenacea DC – Anticancer and antimycobacterial activities. Pharmacognosy Magazine, v. 3, p. 39-46, 2007.

SERTIEÉ, J. A. A. Pharmacological assay of Cordia verbenacea. Part 1. Anti-inflammatory activity and toxicity of the crude extract of leaves. Planta Médica, v. 54, p. 7-11, 1988.

Tags: AnalgésicoAnti-inflamatórioCicatrizanteDispepsiaDiuréticoReumatismoTônico

ERVA DE SANTA MARIA

10/01/2020 15:24

Chenopodium ambrosioides  L.

Amaranthaceae (antiga Chenopodiaceae) 


Sinonímias: Ambrina ambrosioides (L.) Spach , Ambrina anthelmintica (L.) Spach, Ambrina chilensis Spach, Blitum ambrosioides (L.) Beck , Chenopodium ambrosioides var. anthelminticum (L.) A. Gray, Chenopodium ambrosioides var. dentata Fenzl , Chenopodium santamaria Vell., Orthosporum ambrosioides (L.) Kostel., Roubieva anthelmintica Hook (L.).& Arn., Teloxys ambrosioides (L.) WA Weber, etc. 

Nomes populares:  Mastrunço, mestruz, mastruz, lombrigueira, quenopódio, ambrosia-do-méxico, erva-das-cobras, erva-do-formigueiro,caacica. 

Obs.: No Norte do Brasil, um dos nomes populares dessa erva é mastruço ou mastruz, aqui no Sul, o nome mastruço refere-se a outra planta, a Coronopus didymus L.

Origem ou Habitat: América Central e do Sul. 

Características botânicas:  Planta herbácea, perene, ereta, muito ramificada na base, com até 1 m de altura, apresenta pubescência glandular. Folhas simples, numerosas, alternadas de cor verde escura, as inferiores geralmente ovoides e lanceoladas, pecíolo curto, verde claro, nervuras em forma de pena; as superiores são menores, lanceoladas e de margens inteiras. Flores pequenas, verdes, dispostas em espigas axilares densas, possuem cálice com 5 sépalos. Frutos muito pequenos do tipo aquênio, esféricos, pretos, ricos em óleo e muito numerosos, geralmente confundido com as sementes, que são lenticulares, brancas ou pretas. Toda a planta tem cheiro forte, característico. 

Partes usadas:Folhas e frutos. 

Uso popular:  Muito utilizada como vermífugo , sendo também utilizada na expulsão de parasitas intestinais de outros animais. A infusão das folhas é usada, internamente, contra reumatismo, sinusite, catarro crônico, tosse, bronquite, febre, inflamação da gargante, dor ciática e parasitoses. A planta triturada é usada como anti-inflamatória e cicatrizante no tratamento de contusões e fraturas, por meio de compressas ou ataduras , como sabonete e shampoo para pediculose e sarna. Outro uso disseminado no Brasil é como inseticida doméstico, extremamente útil para afugentar pulgas, percevejos, baratas e demais insetos. Também utilizada como estomáquica e digestiva. 

Composição química:  composição do óleo essencial pode variar com as condições climáticas , maturação da planta e método de extração. 

A substância Ascaridol (folhas até 9,2% de óleo essencial de ascaridol e frutos até 20% de óleo com 80 a 90 % de ascaridol) e outros monoterpenos (carenos, limoneno, isolimoneno, timol, P-cimeno, carvacol, cavona, safrol, P-cimol, cineol, aritasona, mirceno, A-pineno, A-terpineno, felandreno, quenopodina, histamina, glicol), alcaloides, ácido butírico, salicitado de metilo, saponinas, sesquiterpenos, triterpenos, lipídeos, flavonoides (campferol-7-ramino-sidio, ambosidio, quercetina), aminoácidos, ácidos orgânicos (cítrico, málico, vanílico, tartárico, oxálico e succínico), alcanfor, pectina, taninos, terpenos, carveno, anethole (ester fenótico) e santonina. Contém ainda proteínas, gorduras, carboidratos, fibras, cálcio, fósforo, ferro, caroteno, tiamina, riboflavina, niacina e ácido ascórbico. 

Ações farmacológicas: O efeito antiparasitário do ascaridol já foi amplamente demonstrado em estudos e este princípio ativo é muito tóxico para áscaris e ancilóstomas. Um estudo clínico efetuado com 60 crianças parasitados entre 3 e 14 anos demonstrou a utilidade da planta (metade recebeu albendazol e a outra metade o suco das folhas) considerando a atividade ascaricida similar ao albendazol. Já referente ao parasita Hymenolepis nana, a planta resultou mais efetiva. 

Estudos farmacológicos realizados sobre a planta em relação a sua ação antiulcerosa, antimalárica, hipotensora, relaxante muscular, depressora cardíaca, corroboram estas ações, quanto a atividade antifúngica e antibacteriana frente a Pseudomonas aeruginosa e Staphylococcus aureus há controvérsias. 

Estudo em ratos mostrou não ter toxicidade em doses adequadas e mostrou alterações em altas doses. 

Interações medicamentosas: Não há relatos.  

Efeitos adversos e/ou tóxicos: Planta abortiva. O óleo essencial em altas doses possui grande toxicidade, sobretudo em pessoas debilitadas, sendo os sintomas mais comuns: náuseas, vômitos, depressão do SNC, lesões hepáticas e renais (síndrome nefrítico reversível), surdez, transtornos visuais, convulsões, coma e insuficiência cardiorrespiratória. 

Há relatos de indução de tumores (Di Stasi). 

Apesar disso, os ensaios clínicos com extratos elaborados com as partes aéreas não produziram efeitos tóxicos em humanos. 

Contra-indicações:  O seu uso é contra indicado para gestantes, lactantes e crianças de até 3 anos, pessoas debilitadas ou com doenças hepáticas, renais e auditivas. 

Posologia e modo de uso: Como anti-inflamatório local e cicatrizante, usar 3 colheres de sopa das folhas e sumidades floridas frescas picadas, amassar com um pilão, estender sobre um pano e aplicar no local afetado, 2 vezes por dia. 

Para tratar bicho geográfico e sarna , utilizar a mesma recomendação de preparo descrita acima e aplicar sobre o local afetado. 

para piolhos usar a infusão para enxaguar o cabelo ou incorporar a tintura em sabonete ou xampú. 

para gripes e resfriados usar uma colher de sobremesa em uma xícara de água , 2 xícaras ao dia por 10 dias. 

Obs.: Não usar internamente o óleo essencial. 

Observações: Planta utilizada na alimentação.
 

 

Referências:
ALONSO, J. Tratado de Fitofármacos y Nutracéuticos. Rosario, Argentina: Corpus Libros, 2004. p. 839-842 

DI STASI, L.C.; HIRUMA-LIMA, C.A. Plantas medicinais na Amazônia e na Mata Atlântica. 2.ed. Colaboração de Alba Regina Monteiro Souza-Brito, Alexandre Mariot, Claudenice Moreira dos Santos. São Paulo: Editora UNESP, 2002. p. p. 163-164. 

DRESCHER, L. (coord.). Herbanário da Terra: Plantas e Receitas. Laranja da Terra,ES: ARPA (Associação Regional dos Pequenos Produtores Agroecológicos), 2001. p. 64-65. 

GUPTA, M. P. (ed.). 270 Plantas Medicinales Iberoamericanas.Santafé de Bogotá, Colombia: Programa Iberoamericano de Ciencia y Tecnología para el Desarollo (CYTED), 1995. p. 230-236 

LORENZI, H; MATOS, F.J.A. Plantas Medicinais no Brasil: nativas e exóticas. 2. ed. Nova Odessa , SP: Instituto Plantarum, 2008. p. 122-123. 

MATOS, F. J. A. Plantas Medicinais: Guia de seleção e emprego de plantas usadas em fitoterapia no nordeste do Brasil. 2. ed. Fortaleza: IU, 2000. p. 253-255. 

PANIZZA, S. Plantas que curam: cheiro de mato. 5. ed. São Paulo: IBRASA, 1997. p. 96-98. 

REVILLA, J. Plantas da Amazônia: oportunidades econômicas e sustentáveis. Manaus: SEBRAE – INPA, 2000. p. 307-310. 

http://www.tropicos.org – Acesso em: 17 de junho de 2011. 

Ethnopharmacol. 2010 Feb 17;127(3):602-5. Epub 2009 Dec 22. Evaluation of the subchronic toxicity of oral treatment with Chenopodium ambrosioides in mice. Pereira WS, Ribeiro BP, Sousa AI, Serra IC, Mattar NS, Fortes TS, Reis AS, Silva LA, Barroqueiro ES, Guerra RN, Nascimento FR. Source Laboratório de Imunofisiologia, Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Universidade Federal do Maranhão, São Luís, MA, Brazil.

Tags: AbortivoAnti-inflamatórioBronquiteCicatrizanteFebreInseticidaNutritivaParasitoseReumatismoSarnaSinusiteTosseVermífuga

ERVA CAPITÃO

09/01/2020 20:53

Hydrocotyle bonariensis  Lam.

Araliaceae (antiga Apiaceae) 


Sinonímias: Hydrocotyle bonariensis var. multiflora (Lam.)Don ,Hydrocotyle umbellata var. bonariensis (Lam.)Spreng., Hydrocotyle verticillata var. bonariensis (Lam.) Urb., Hydrocotyle bonariensis var. texana J.M. Coult. & Rose. 

Nomes populares:  Acariçoba, para-sol, barbarosa, acaricaba, acariroba, etc. 

Origem ou Habitat: Continente Americano. 

Características botânicas:  Planta herbácea perene, prostrada, acaule, rizomatosa. Folhas simples, coriáceas, peltadas, longo-pedunculadas, totalmente glabras em ambas as faces, brilhantes, de 5 a 8 cm de diâmetro. Flores discretas, de cor verde-amarelada, dispostas em panículas de umbelas no ápice de longa haste floral que as dispõem acima da folhagem. 

Partes usadas:Folhas e rizomas. 

Uso popular:  Suco das folhas e pecíolo usado para remoção de pintas e sardas. Rizomas são usados contra males do fígado e dos rins, como emética, diurética e laxativa. Usada também para curar reumatismo, hidropsia e como aperitivo. Já foi utilizada contra eripsela, escrófula, sífilis e tuberculose. 

Indígenas das Guianas utilizam a decocção da planta inteira na forma de banho contra ferroada de um peixe venenoso (Hoplias macrophtalamus) cujo ataque é caracterizado por inchação e dores fortes. 

Composição química:  O óleo volátil tem como principais compostos isotiocianatos, limoneno, γ-muuroleno, e-cariofileno, sabineno, α-copaeno, δ-cadineno e γ-terpineol. 

Ações farmacológicas: Rizoma: diurética, vomitiva, anti-reumática, emética, laxativa. 

Efeitos adversos e/ou tóxicos: As folhas são consideradas tóxicas para uso interno. 

Contra-indicações:  É uma planta com poucos estudos. 

Posologia e modo de uso: Usar externamente. 

Observações: Esta espécie é muitas vezes confundida e utilizada como se fosse a Centella asiatica.
 

 

Referências:
LORENZI, H; MATOS, F.J.A. Plantas Medicinais no Brasil: nativas e exóticas. Nova Odessa , SP: Instituto Plantarum, 2002. p. 481. 

MORS, W. B.; RIZZINI, C. T.; PEREIRA, N. A. Medicinal Plants of Brasil. Algonac, Michigan: Reference Publications Inc., 2000. 

http://www.tropicos.org/Name/50094808 – Acesso em: 27 de março de 2012.

Tags: DiuréticoEméticaHidropsiaLaxativasReumatismo
  • Página 2 de 3
  • 1
  • 2
  • 3