MALVARIÇO

14/02/2020 22:48

Plectranthus amboinicus (Lour.) Spreng.

Lamiaceae (Labiatae)


SinonímiasColeus amboinicus Lour., Plectranthus aromaticus Roxb., Coleus aromaticus Benth., Majana amboinica (Lour.) Kuntze.

Nomes populares: Malvariço, malvarisco, orégano-francês, hortelã-graúda, hortelã-da-folha-grossa, hortelã-da-bahia, malva-do-reino, malva-de-cheiro, hortelã-grande.

Origem ou Habitat: Originária da Ilha de Amboin na Nova Guiné e cultivada em todos os países tropicais e subtropicais.

Características botânicas: Herbácea aromática, perene, ereta, semicarnosa, de 40 cm a 1 m de altura. As folhas são deltóide-ovais, de base truncada e margem denteada, com nervuras saliente no dorso, medindo 4 a 10 cm de comprimento. Flores azuladas ou róseas dispostas em cachos terminais que só aparecem quando a planta é cultivada em climas amenos. No Brasil, é facilmente encontrada em hortas caseiras para fins medicinais. Multiplica-se por estaquia.

Partes usadas: Folhas.

Uso popular: Utilizado como antiespasmódico, analgésico, emenagogo, catártico, estimulante e estomáquico. Indicado para casos de tosse, rouquidão, bronquite, inflamação da boca e dores de garganta, além do uso tópico em afecções de pele. O sumo das folhas como medicação oral é utilizado para problemas ovarianos e uterinos, inclusive cervicite.

Composição química: Cânfora, carvacrol e timol (óleo volátil), limoneno, glicosídeos (beta-sisterol, beta-D, glicosídeo), tanino, oxalato de cálcio, flavonóides (flavonas salvigenina, 6-metoxigenkwanina, quercetina, crisaeriol, lutedeína, apigenina, erioductol e flavonol)e mucilagem.

Ações farmacológicas: Antimicrobiano local, anti-reumático, antiinflamatório, antitumoral, demulcente, balsämico e protetor da mucosa bucal.

Efeitos adversos e/ou tóxicos: Há poucos estudos de avaliação de sua segurança. Apesar de apresentar atividade anti-fúngica sinérgica com alguns anti-fúngicos demonstrado em um estudo, a planta apresentou também atividade antagônica com outros anti-microbianos. Recomenda-se, portanto, precaução na administração da planta conjuntamente com esses medicamentos, podendo interferir nos efeitos terapêuticos desejados.

Posologia e modo de uso: Infusão: picar 2-3 folhas numa xícara e verter água quente. Abafar por 10 min. Coar e tomar 1 xícara 2-3 vezes ao dia.

Xarope: Tomar 1-2 colheres de sopa 3x ao dia.

Balas ou pirulitos: apurar o xarope de maneira convencional.

Lambedor: as folhas inteiras depois de lavadas podem ser sugadas lentamente, uma a uma, com açúcar ou mel, até seis folhas por dia.

Referências: 

CHANG, J. M. et al. Potential Use of Plectranthus amboinicus in the Treatment of Rheumatoid Arthritis. Evidence-Based Complementary and Alternative Medicine, [S.I.], v. 7, n. 1, p. 115–120, 2010.

DRESCHER, L.(coord.). Herbanário da Terra: Plantas e Receitas. Laranja da Terra-ES: ARPA (Associação Regional dos Pequenos Produtores Agroecológicos), 2001. p. 78.

GURGEL, A. P. A. D. et al. In vivo study of the anti-inflammatory and antitumor activities of leaves from Plectranthus amboinicus (Lour.) Spreng (Lamiaceae). Journal of Ethnopharmacology, [S.I], v. 125, n. 2, p. 361-363, 7 September 2009.

LORENZI, H; MATOS, F. J. A. Plantas Medicinais no Brasil: nativas e exóticas. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2002. p. 259-260

MATOS, F. J. A. O Formulário Fitoterápico do Professor Dias da Rocha. 2. ed. Fortaleza: UFC Edições, 1997. p. 160.

OLIVEIRA, R. A. G. et al. Interferência do óleo essencial de Plectranthus amboinicus (Lour.) Spreng sobre a atividade anti-Candida de alguns antifúngicos utilizados clinicamente. Rev. Bras. Farmacogn., João Pessoa, v. 17, n. 2, Apr./June 2007.

Tags: AnalgésicoAntiespasmódicoBronquiteCatárticoEmenagogoTosse

MALVA

13/02/2020 21:47

Malva sylvestris  L.

Malvaceae


Sinonímias: M. glabra Desrouss., M. hirsuta Vir., M. mauritiana L., M. obtusa Moench., M. sinensis Cav, M. vulgaris Ten.

Nomes populares: Malva selvagem, malva-maior.

Origem ou Habitat: Europa, oeste da Ásia e norte da África.

Características botânicas: A espécie M. sylvestris é glabra ou pilosa, com até 1 m de altura. Possui folhas alternas simples, 3 – 7 lobadas, de 6 – 12 cm de diâmetro, longo pecioladas, com poucos pelos, palminérvea, com margem irregularmente serrada.

Flores hermafroditas, diclamídeas, pentâmeras, lilás a violáceas reunidas em inflorescência axilares do tipo fascículo; cálice com 5 pétalas estreitas na base e bilobadas no ápice e linhas longitudinais escuras, muitos estames soldados pelos filetes, formando um tubo proeminente na flor, anteras lilases.

Partes usadas: Folhas, flores e frutos.

Uso popular: Suas folhas, flores e frutos são empregados na forma de infusão no tratamento de bronquite crônica, tosse, asma, enfisema pulmonar e coqueluche, bem como nos casos de colite e constipação intestinal. Em dose excessiva é laxativo. Externamente, na forma de banho localizado, é empregada contra afecções da pele, contusões, furúnculos, abscessos e picadas de insetos e, na forma de bochechos e gargarejos, contra inflamações e afecções da boca e garganta

Composição química: As folhas e flores contém mucilagem (10% e 20%), menores quantidades de caroteno, vitamina C e do complexo B. As sementes contém 18 a 25% de proteínas e 35% de gordura. As flores ainda possuem antocianinas (malvidin 3,5-diglicosídeo (malvidina), malvidin 3-glicosídeo e cyanidin 3-glicosídeo), cuja concentração usual em infusões é suficiente para a ação terapêutica em tratamentos da tosse. Também estão presentes pequena quantidade de taninos (ácido rosmarínico) e proantocianidinas.

Segundo estudos recentes, são considerados nutracêuticos e antioxidantes: flavonóides, fenóis, carotenóides, tocoferóis, ácidos graxos insaturados (ácido a- linolênico), e minerais. (BARROS, 2010).

Ações farmacológicas: A ação demulcente das mucilagens, bem como de outros polissacarídeos, está descrita na literatura e justificaria o emprego deste vegetal em inflamação gastrointestinal.

Foram realizados ensaios clínicos com 120 pacientes com diversas afecções do trato respiratório, principalmente bronquite crônica, classificados como excelentes ou bons, abrangeram 77% dos casos, validando o seu uso nestas indicações.

Posologia e modo de uso: As flores (uma colher de chá-em média 2g)e as folhas (uma colher de sobremesa– em média 5g) podem ser empregadas sob a forma de infuso em uma xícara de chá..

Observações: Esta espécie Malva sylvestris não é encontrada em hortas caseiras no Brasil.

A espécie encontrada nas hortas caseiras é a Malva parviflora, conhecida popularmente como malva-de-dente.

Referências: 

ALONSO, J. Tratado de Fitofármacos y Nutracéuticos. Rosario, Argentina: Corpus Libros, 2004.

BARROS, Lillian; Carvalho, Ana Maria; Ferreira, Isabel C. F. R. – ” Leaves, flowers, immature fruits and leafy flowered stems of Malva sylvestris: A comparative study of the nutraceutical potential and composition.” – From Food and Chemical Toxicology (2010), 48(6), 1466-1472. (Scifinder) Acesso 23 NOV 2015.

BISSET, N.G. (Ed.) Herbal Drugs and Phytopharmaceuticals. 4.ed. Stuttgart Medpharm, Boca Raton: CRC Press, 1994.

GILMAN. A.G.; GOODMAN, L.S.; GILMAN. A. (Eds.). As Bases Farmacológicas da Terapêutica. 6.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1983, v.2.

WAGNER, H.; WIESENAUER, M. Phytotherapie: Phytopharmaka und pflanzliche Homöopathika. Stuttgart: Gustav Fischer, 1995.

WYK, Ben-Erik van & WINK Michael “MEDICINAL PLANTS OF THE WORLD”, Timber Press, Portland, Oregon/U.S.A. 2004.

Tags: Anti-inflamatórioAsmaBronquiteColiteContusõesLaxativasTosse

LARANJEIRA E LIMOEIRO

13/02/2020 21:21

Citrus aurantium & Citrus limon  L.

Rutaceae


Sinonímias:

Citrus aurantium L. subsp. aurantium (= subsp. amara (L.) Engl.) – laranja amarga

Citrus sinensis (L.) Osbeck. – laranja doce.

Origem ou Habitat: Oriente.

Características botânicas: O gênero Citrus é composto de diversas espécies, variedades e híbridos. São muitos apreciados pelos frutos comestíveis (laranja, limão, lima, etc) e como fonte de óleos essenciais, pectinas e flavonóides. Na Ilha, espécies de laranja e limão são empregadas com fins medicinais.

A espécie Citrus aurantium é uma árvore pequena (até 5m), com folhas elípticas, verdes, pecíolo alado articulado na inserção do limbo. As flores, de odor suave, são brancas ou amareladas. A espécie Citrus sinensis cresce até 10m de altura.

A espécie Citrus limon é uma árvore que se diferencia da laranjeira por apresentar folhas com pecíolo rara ou estreitamente alado. As flores são brancas na parte interna das pétalas e vermelho-violáceo na parte exterior.

Partes usadas: Flores, folhas, cascas, suco.

Uso popular: Segundo as comunidades da Ilha

As folhas da laranjeira e do limoeiro, bem como o suco do limão, são empregados na forma de decocto ou xarope com mel para gripes, tosses e resfriados. A folha e flor da laranjeira e do limão são empregados em dores de cabeça e ansiedade.

Segundo a literatura

As cascas da laranja são empregadas como estimulante do apetite (SCHILCHER, 1992) e no tratamento sintomático dos problemas funcionais da fragilidade capilar cutânea. As flores e folhas da laranjeira amarga e doce são empregadas como sedativo suave, em problemas do sono. A casca do limão é usada como estomáquico. O suco é empregado, internamente, contra flatulências, afecções hepáticas e biliares, dores de cabeça, febres e resfriados. Externamente como anti-inflamatório para feridas e como calmante de dores de gengivas e dos dentes.

O suco fraco, sem açucar e morno pela manhã, em jejum, favorece a evacuação.

Composição química: Os dados químicos comuns às espécies de Citrus serão apresentados conjuntamente.

A folha da laranjeira possui flavonóides, compostos amargos e 0,3% de óleo essencial contendo 70-75% de linalol, 10-15% de geraniol, semelhante ao óleo das flores . A flor da laranjeira possui 0,2-0,5% de óleos essenciais, constituídos basicamente por monoterpenos, além de citroflavonóides e substâncias amargas . O pericarpo tanto da laranja doce quanto da amarga contém 1 – 2,5% de óleo essencial, constituído de aproximadamente 98% de limoneno. Também contém citroflavonóides, pectinas e furanocumarinas. O pericarpo do limão possui composição semelhante, diferindo apenas quantitativamente . Os citroflavonóides encontram-se no pericarpo e polpa das frutas.

Das folhas e cascas dos frutos de algumas espécies de Citrus foi isolada sinefrina.

A polpa dos frutos cítricos é rica em vitamina C.

Ações farmacológicas: Os dados farmacológicos comuns às espécies de Citrus serão apresentados conjuntamente.

São indicados no tratamento das manifestações de insuficiência venosa crônica, funcional e orgânica, dos membros inferiores. Alguns desses flavonóides apresentam forte ação hipotensora em ratos, após a administração intravenosa.

A sinefrina é um alcalóide simpatomimético.

A pectina age como um laxante suave, por promover o aumento do bolo fecal e, conseqüentemente, estimular o peristaltismo do cólon.

Experimentos com o suco dos frutos de Citrus sinensis e, principalmente, de Citrus limon, demonstraram que os mesmos aumentam significativamente os níveis plasmáticos de lipoproteína de alta densidade (HDL) e reduzem os níveis de colesterol, de lipoproteína de baixa densidade (LDL) e de triglicerídeos em ratos.

O óleo das flores apresentou atividade antimicrobiana(HOPPE, 1981).

estudo em ratos mostrou ação sobre ansiedade , com provável ação sobre receptores tipo benzodiazepínicos , e sobre depressão.

A vitamina C possui propriedades antiescorbúticas.

Efeitos adversos e/ou tóxicos: As furanocumarinas presentes nas cascas de laranja e, principalmente, do limão, podem provocar reações de fotossensibilização cutânea, especialmente em pessoas de pele clara.

Reações alérgicas ao suco ou ao óleo essencial já foram relatadas. Neste último, os terpenos presentes seriam os responsáveis pela sensibilização.

Contra-indicações: Pessoas com sensibilidade ao limão e a laranja.

Observações: Para o tratamento da constipação habitual, recomendamos tomar em jejum, meio copo de água morna com 1 limão espremido, e introduzir as modificações necessárias na dieta e nos hábitos.

Referências: 

BISSET, N.G. (Ed.) Herbal Drugs and Phytopharmaceuticals. 4.ed. Stuttgart Medpharm, Boca Raton: CRC Press, 1994.

BRUNETON, J. Pharmacognosie Phytochimie Plante Médicinales. 2.ed. Londres: Technique et Documentation Lavoiser, 1993.

FARIAS, M.R. et al. Plantas medicinais na ilha de Santa Catarina: Grupo de Estudos em Fitoterapia, Florianópolis: UFSC/P.M.F., 1996, 111p. (inédito)

GIRRE, L. La Santé Par Les Plantes. Rennes: Edilarge S.A., 1992.

HARDMAN, J.G.; UMBIRD, L.E. (Eds.) Goodman & Gilman’s The Pharmacological Basis of Therapeutics. 9.ed. New York: McGraw-Hill, 1995.

HOPPE, H. A. Taschenbuch der Drogenkunde. Berlin: Walter de Gruyter, 1981.

REYNOLDS, J.E.F. (Ed.) Martindale The Extra Pharmacopoeia. 30.ed. London: The Pharmaceutical Press, 1993.

ROTH, L; DAUNDERER, M.; KORMANN, K. Giftpflanzen Pflanzengifte. 3.ed. Lech: Ecomed, 1987.

SCHILCHER, H. Phytoterapie in der Kinderheilkunde: Handbuch für Arzte und Apotheker. Sttutgart: Wissenschaftliche, 1992.

TANG, W.; EISENBRAND, G. Chinese Drugs of Plant Origin. Berlin: Springer, 1992.

TROVATO, Α. Effects of fruit juices of Citrus sinensis L. and Citrus limon L. on experimental hypercholesterolemia in the rat. Phytomedicine, v.2, n.3, p.221-7, 1996.

ZIN, J.; WEISS, C. La Salud Por Medio de las Plantas Medicinales. 6. ed. Santiago: Editoral Salesiana, 1980.

Pharmazie, v. 66, n. 8, p.7-623, Aug., 2011.

Sedative, anxiolytic and antidepressant activities of Citrus limon (Burn) essential oil in mice. L M Lopes C, Gonçalves e Sá C, de Almeida AA, da Costa JP, Marques TH, Feitosa CM, Saldanha GB, de Freitas RM. Source Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas, Laboratório de Pesquisa em Neuroquímica Experimental da Universidade Federal do Piauí, Brazil.

 

Tags: AnsiedadeAnti-inflamatórioCefaléiaFebreFlatulênciaGripeResfriadoSedativoTosse

JABOTICAÁ ou MASTRUÇO-DO-BREJO

12/02/2020 21:55

Drymaria cordata  (L.) Willd. ex Schult.

Caryophyllaceae


SinonímiasDrymaria adenophora Urb., Drymaria cordata var. diandra (Sw.) Griseb., Drymaria cordata var. pacifica Mizush., Drymaria diandra Blume, Drymaria procumbens Rose, Holosteum cordatum L., Holosteum diandrum Sw., Stellaria adenophora (Urb.) León.

Nomes populares: Cordão-de-sapo, jaboticaá, jaraquicaá, mastruço-do-brejo, agrião-selvagem, erva-tostão, he lian dou cao (China), heart-leaf drymary (English, United States).

Origem ou Habitat: Nativa da América Tropical e encontrada em abundância na Índia nas regiões de Siquim, sub-Himalaia e Meghalaya.

Características botânicas: Planta anual, herbácea, tenra, glabra ou levemente pubescente, com ramos prostrados ou ascendentes que enraízam nos nós, com até 30 cm de altura. Propaga-se por sementes, mas pode ser multiplicada por estacas. Planta daninha muito comum durante o inverno, está presente em quase todo o país infestando beiras de canais, córregos, jardins, pastagens, hortas e terrenos baldios.

Partes usadas: Planta toda.

Uso popular: Para alívio da tosse, da sinusite e resfriado. Também utilizada para picada de cobra e topicamente em queimaduras e outras doenças dermatológicas, como em infecções de pele.

Suas folhas podem ser consumidas cruas, em saladas, ou cozidas e preparadas de várias formas.

Composição química: Os estudos fitoquímicos preliminares foram com as folhas. No extrato hidroetanólico foram encontrados taninos, diterpenos, triterpenos, esteróides enquanto que no extrato aquoso foram encontrados alcalóides, flavonóides, saponinas.

Ações farmacológicas: Analgésica, anti-nociceptiva, antitussígena, antibacteriana.

Interações medicamentosas: Não encontrado na literatura consultada.

Contra-indicações: Por falta de estudos melhor evitar uso em grávida.

Posologia e modo de uso: Para uso externo, a planta é esmagada e seu suco utilizado topicamente. Tribos locais de Garohills e Khasia no estado de Meghalaya envolvem a planta em folhas grandes (espécie ignorada), amarram e colocam sobre o fogo; a planta é então aquecida e o vapor é inalado.

Referências: 

KINUPP, V.F., LORENZI, H. Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANC) no Brasil. 1ª.ed. São Paulo, SP: Instituto Plantarum, 2014.

LORENZI, Harri. Plantas Daninhas do Brasil: Terrestres, Aquáticas, Parasitas e Tóxicas. 4 ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2008, p. 672.

MUKHERJEE, Pulok K. et al. Antibacterial evaluation of Drymaria cordata Willd (Fam. Caryophyllaceae) extract. Phytotherapy Research 11(3): 249-250, 1996. MUKHERJEE, Pulok K. et al. Studies on antitussive activity of Drymaria cordata Willd. (Caryophyllaceae). Journal of Ethnopharmacology 56: 77-80, 1997.

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21572643 – acesso em 27 de março de 2013.

http://www.tropicos.org/Name/6301172 – acesso em 25 de março de 2013.

Tags: queimaResfriadoSinusiteTosse

HIPÉRICO

11/02/2020 21:41

Hypericum perforatum  L.

Hypericaceae


SinonímiasHypericum nachitschevanicum Grossh., Hypericum perforatum var. confertiflorum Debeaux, Hypericum perforatum var. microphyllum H. Lév.

Nomes populares: Hipérico, St. John’s-wort (English, United States), erva-de-são-joão, hipericão, mil-furada. O nome popular St. John’s-wort traduzido do inglês “erva-de-são-joão”, pode causar confusão com as ervas-de-são-joão conhecidas no Brasil, Ageratum conyzoides L. (também conhecida como mentrasto) e Pyrostegia venusta (Ker Gawl.) Miers. (cipó-de-são-joão)

Origem ou Habitat: Europa.

Características botânicas: Herbácea perene, ramificada, prostrada nos países tropicais, hastes avermelhadas, de 30-60 cm de altura. Folhas simples, opostas, sésseis, ovadas, medindo 1-1,5 cm de comprimento, possui glândulas translúcidas ao longo das bordas das folhas, que observadas à luz parecem orifícios, ricas em hipericina. Inflorescências axilares e terminais. Flores amarelas com 5 sépalas e 5 pétalas. Os frutos são cápsulas ovóides estriadas.

Partes usadas: Folhas, flores e raízes.

Uso popular: É empregada como calmante, contra ansiedade e tensão nervosa, distúrbios da menopausa, síndrome pré-menstrual, ciática e fibrose. É indicada também para asma, bronquite crônica, tosses, cefaléias e dores reumáticas. Externamente é empregada em casos de queimaduras, escoriações, ferimentos, dor ciática, neuralgia e cotovelo-de-tenista.

Composição química: Óleo essencial: alfa-pineno, beta-pineno, 1,8-cineol, mirceno, cadineno, cariofileno, alfa-terpineol, aromandreno, limoneno, geraniol, ésteres do ácido isovaleriânico, etc.;

  • Antraquinonas: hipericina (diantroquinona policíclica de coloração avermelhada), pseudo-hipericina, proto-hipericina, iso-hipericina, etc.);
  • Flavonóides: quercitrina, iso-quercitrina, rutina, hiperosídeo, biapigenina, amentoflavona, luteolina, campferol, catequina, iso-catequina, quercetina, proantocianidinas, etc.;
  • Ácidos orgânicos: ácidos caféico, nicotínico, iso-valeriânico, mirístico, palmítico, p-cumárico, clorogênico, esteárico, ferúlico, etc.;
  • Outros: hiperflorina, carotenóides (violaxantina, luteoxantina, cis-trolixantina, luteína e trolicromona), beta-sitosterol, saponinas, pectina, ácido tânico, fenilpropanos, xantonas, aminoácidos, taninos.

Ações farmacológicas: Adstringente, analgésica, antisséptica, calmante do sistema nervoso, anti-inflamatória e cicatrizante.

Interações medicamentosas: O hipérico apresenta muitas incompatibilidades com os barbitúricos, antidepressivos, narcóticos, quimioterápicos, anti-retrovirais, inibidores da acidez.

Efeitos adversos e/ou tóxicos: A hipericina é um agente fotossensibilizante que pode causar reações alérgicas na pele quando exposta à radiação ultravioleta (UV).

Quando estiver em uso de hipérico, evitar exposições solares prolongadas.

Observações: Existem no Brasil duas espécies nativas deste gênero: Hypericum brasiliense Choisy e Hypericum connatum Lam., que são empregadas como vulnerária, antiespasmódica e antiofídica e na forma de gargarejo contra aftas e estomatites.

Referências: 

LORENZI, H; MATOS, F.J.A. Plantas Medicinais no Brasil: nativas e exóticas. 2. ed. Nova Odessa , SP: Instituto Plantarum, 2008.

SILVA JUNIOR, A.A. Essentia herba – Plantas bioativas. Florianópolis: Epagri, 2003.

http://www.botanical-online.com/medicinalshypericumperforatum.htm – Acesso 14 Julho 2015.

http://www.tropicos.org/Name/7800012 – acesso em 24 de setembro de 2013.

Tags: AnsiedadeAsmaBronquiteCalmanteCefaléiaDores reumáticasEscoriaçoesFeridasQueimaduraTosse

GOIABEIRA-SERRANA

11/02/2020 21:09

Acca sellowiana  (O.Berg) Burret.

Myrtaceae


SinonímiasFeijoa sellowiana (O.Berg.)O.Berg.

Nomes populares: goiabeira-da-serra, goiabeira-do-mato, goiabeira-serrana, feijoa, kanê Kriyne, quirina.

Origem ou Habitat: É nativa do Sul do Brasil e nordeste do Uruguai, mas já está sendo produzida na Colômbia, EEUU e Nova Zelândia.

Características botânicas: É um arbusto ou pequena árvore,podendo chegar a 5 m de altura.

Partes usadas: Folhas, frutos e flores.

Uso popular: A goiabeira-serrana é usada como planta ornamental, alimentícia e medicinal.

Pode-se comer as flores ao natural, fazer suco e geléia do fruto, além de ser útil para gripes, tosse e diarreia.

Composição química: O fruto é rico em vitamina C e o suco contém quercetina, ácido elágico, catequina, rutina, eriodictiol, ácido gálico, pirocatecol, ácido siríngico e eriocitrin.

Ações farmacológicas: Possui atividade anti-inflamatória, (testado em animais), e antioxidante.

Referências: 
Conhecimento popular e diversidade da goiabeira-serrana (Acca sellowiana) na Serra Catarinense. Florianópolis, 2011. Epagri, Boletim didático, 83).

Monforte, Maria T.; Fimiani, Vincenzo; Lanuzza, Francesco; Naccari, Clara; Restuccia, Salvatore; Galati, Enza M.- Feijoa sellowiana Berg Fruit Juice: Anti-​Inflammatory Effect and Activity on Superoxide Anion Generation. From Journal of Medicinal Food (2014), 17(4), 455-461. | Language: English, Database: CAPLUS – Acesso 10 Jul 2014.

http://www.tropicos.org/Name/22103016?tab=synonyms – Acesso 10 Jul 2014

Tags: DiarreiasGripeNutritivaOrnamentalTosse

FOLHA-DA-FORTUNA

20/01/2020 22:30

Bryophyllum pinnatum  (Lam.) Oken.

Crassulaceae 


Sinonímias: Bryophyllum calycinum Salisb, Cotyledon pinnata Lam., Bryophyllum pinnatum (Lam.)Kurz., Kalanchoe pinnata (Lam.)Pers., Crassula pinnata L.

Nomes populares:  Folha-gorda, erva-da-costa, sempre-viva, planta-do-amor, coirama, courama, courama-vermelha, folha-da-fortuna, fortuna, folha-grossa, folha-de-pirarucu, diabinho, folha-da-vida, fortuna-milagre-de-são-joaquim, folha-do-ar, saião(BR), leaf of life (Jamaica, Madagascar), cathedral bells, air-plant, curtain-plant, floppers, good-luck-leaf, life-plant, mexican love-plant, miracle-leaf (INGLÊS, EEUU).

Origem ou Habitat: África Tropical (Ilha de Madagascar), e amplamente distribuída em América Tropical, Índia, China e Austrália.

Características botânicas:  Herbácea perene, pouco ramificada que mede de 1 a 1,5 metros de altura e a haste é oca e tubular. As folhas são opostas, pinado-compostas, suculentas, margem crenada, medindo de 10-30 cm de comprimento. Os folíolos são oblongos, ovalados ou elípticos; panículas de 10-40 cm; cálice inchado de 3,0 a 3,5 cm e corola rósea ou arroxeada de até 7 cm. O fruto tem 4 folículos.

Partes usadas: Folhas.

Uso popular:  Na medicina caseira é usado no tratamento local de furúnculos e por via oral, na preparação de xaropes para a tosse.

Usos etno-medicinais: na região do Caribe, onde é conhecida por folha-da-vida, é usada para tratar edemas, abcessos, picadas de insetos e contusões, problemas pulmonares, dor de cabeça, resfriado, tosse, hipertensão, falta de ar, asma e problemas menstruais.

Em um trabalho de pesquisa bibliográfica da 3a. fase do curso de medicina da UFSC, foram apresentadas as seguintes indicações de uso popular: Infecção pulmonar, erisipela, queimaduras, feridas, úlceras de pele, verrugas, azia, gastrite, úlceras, dores de cabeça, disenteria e diarreia, cólicas e distúrbios menstruais;

Equilibrar o diabetes; eliminar ou reduzir cálculos renais; inflamações em geral; febre; hematomas internos e ossos quebrados; epilepsia; dores de dente e de ouvido; infecções oculares e conjuntivite; flatulência e gases; distúrbios linfáticos;

Artrite; linfomas; uretrites; insuficiência renal ou pedra nos rins; prisão de ventre; pé de atleta; tosses intermitentes; tuberculose, gripes e resfriados;

Nervosismo, ansiedade e depressão; nefrites; náuseas e muitas outras indicações.

Composição química:  Compostos fenólicos, flavonóides, ácidos orgânicos, mucilagem, cálcio e cloro, bufadienólidos (briofilinas A,B e C), N-triacontano, patuletina, ácidos graxos.

  • Bufadienolideos: Briofilina A (briotoxina C), briofilina B, briofilina C, briofilol, bersaldegenina-1,3,5-ortoacetato, dentre outros.
  • Flavonóides: Glicosídeos de quercetina e canferol, quercitrina, afzelina, acacetina, rutina, luteolina, dentre outros.
  • Ácidos fenólicos: Ácido gálico, ácido cafeico e ácido ferúlico.
  • Triterpenos: α –amirina, briofolona, briofinol, dentre outros.
  • Lignanas: Briofilusideo
  • Ácidos simples: Ácido málico, ácido oxálico, ácido cítrico, dentre outros.
  • Ácidos graxos: Ácido palmítico, ácido esteárico, ácido araquídico e ácido bekênico.
  • Esteroides: β-sitosterol, briofilol, estigmast-24-enol, dentre outros.

Ações farmacológicas: Foram observadas as atividades anti-inflamatória, cicatrizante, antialérgica, antiúlcera e imunossupressiva.

Efeitos adversos e/ou tóxicos: Em vários testes com animais não foi demonstrado toxicidade. A dose letal aplicada aos animais foi muito alta e por via intra-peritonial.

Contra-indicações:  Grávidas e lactantes deverão abster-se de seu uso até melhores esclarecimentos de sua inocuidade.

Posologia e modo de uso: Para tratar edemas, abcessos, picada de insetos e contusões: por aquecimento da folha e aplicar na área afetada.

O sumo extraído da folha pode ser misturado com mel e consumido como remédio para problemas pulmonares e para dor de cabeça.

O suco é usado para tratar resfriado, tosse, hipertensão.

O chá por infusão é usado para falta de ar, asma e problemas menstruais.

Dose: 30-40 g/l (não ultrapassar a 5%).

Observações: Recomenda-se não empregar extratos desta planta por mais de 15 dias consecutivos.

 

Referências:
ALONSO, J. Tratado de Fitofármacos y Nutracéuticos. Rosario, Argentina: Corpus Libros, 2004.

Braz, D.C.; Oliveira, L.R.S.; Viana, A.F.S.C.- Atividade antiulcerogênica do extrato aquoso da Bryophyllum pinnatum (Lam.) Kurz – Rev. bras. plantas med. vol.15 no.1 Botucatu, SP, 2013.

LORENZI, H.; MATOS, F. J. A. Plantas Medicinais no Brasil: nativas e exóticas. 1.ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2002.

Kamboj A, Saluja AK Bryophyllum pinnatum (Lam.) Kurz :. perfil fitoquímico e farmacológico: uma revisão. Phcog Rev [periódico online] 2009 [citado em 07 março 2014]; 3:364-74. Disponível em: http://www.phcogrev.com/text.asp?2009/3/6/364/59536

KHOOSHBU, Pasha; ANSARI, Imtiyaz. A pharmacognostical and pharmacological review on bryophyllum pinnatum (panphuti). Asian Journal Of Pharmaceutical And Clinical Research, [s.l.], v. 12, n. 1, p.34-39, 7 jan. 2019.

THORAT, Sheela S et al. A REVIEW ON BRYOPHYLLUM PINNATUM. International Research Journal Of Pharmacy, [s.l.], v. 8, n. 12, p.1-3, 22 jan. 2018.

FURER, Karin et al. Bryophyllum pinnatum and Related Species Used in Anthroposophic Medicine: Constituents, Pharmacological Activities, and Clinical Efficacy. Planta Medica, [s.l.], v. 82, n. 11/12, p.930-941, 24 maio 2016.

http://www.tropicos.org/Name/8902864?tab=synonyms – acesso 06 março 2014.

Tags: AbcessoAnti-inflamatórioAsmaAziaCefaléiaCólicaDiarreiasDisenteriaEdemaErisipelaFeridasGastriteHipertensãoQueimaduraResfriadoTosse

FEIJÃO-ANDÚ

20/01/2020 22:11

Cajanus cajan (L.) Huth.

Fabaceae 


Sinonímias: Cajanus cajan (L.) Mill.

Nomes populares:  Andu, feijão-guandu, guandeiro, feijão-de-cuandu, cuandu, feijão-de-árvore, ervilha-de-angola, ervilha-de-sete-anos, ervilha-do-congo.

Origem ou Habitat: Índia muito cultivada no Brasil desde a colonização.

Características botânicas:  Arbusto ereto , ramificado , pubescente ,até 130cm de altura , folhas compostas trifolioladas , folíolos pubescente em ambas as faces , 4-7 cm de comprimento.Flores amarelas , as vezes amarelas-avermelhadas , em racemos axilares . frutos sã vagens indeiscentes , cilíndricas , com 3-7 sementes.

Partes usadas: Folhas, flores, raízes e sementes.

Uso popular:  Segundo as comunidades da Ilha emprega-se o decocto das folhas externamente, para lavagens de feridas e afecções cutâneas. Com as folhas também prepara-se um xarope com mel, que é usado internamente, para gripes e resfriados e como depurativo do sangue.

Folhas e ramos são utilizados na forma de decocto, para lavagem da pele, em casos de catapora, sarampo e coceira e internamente contra alergias.

As folhas são utilizadas para o tratamento de dor de dente, reumatismo, tosse, afecções pulmonares, para cálculos renais e para diarréia. As pontas dos ramos para hemorragia

Nas regiões tropicais, é relatado o uso dos grãos na alimentação . Os grãos desta planta são bastante nutritivos. O chá da raiz é usado em problemas ditos do fígado.

Composição química:  As folhas contém esteróis , taninos e triterpenos. As raízes e os grãos contêm diversos flavonóides, como cajanina, cajanol, cajaflavanona, cajanona. As sementes (grãos) contém ácido p-hidroxibenzóico, fenilalanina, cajaminose e um aminoglicosídeo.

Os grãos contém 19 – 20% de proteínas, 1,1 – 1,2% de lipídios e 62 – 64% de glicídios.

  • Isocumarinas: Cajavilmina
  • Cumarinas: Cajanuslactona (Raízes)
  • Triterpenos: Lupenona, β-amirenona, α –amirenona, ácido betulínico (Raízes), β-amirina, α- amirina e Lupeol.
  • Estilbenos: Longistilina A e C, 3-hidroxi-5-metoxiestilbeno, cajanina (folhas e sementes), concajanina (folhas e sementes) e ácido cajaninstilbeno.
  • Esteroides: β-sitosterol e estigmasterol.
  • Flavonoides: Genisteína, genistina, cajaflavanona, cajaisoflavonona, cajanona, 2’-O-metil-cajanona, 5-hidroxi-7-metoxidihidroflavona, vitexina, quercetina, luteolina, apigenina, isoramnetina, trihidróxi-isoflavonas, isoquercitrina (superfície da vagem), quercetina-3-metil éter (superfície da vagem), cajanol, 2-hidroxigenisteína, isogenisteína-7-O-glicosídeo (casca da raíz), ferreirina, pinostrobina, orientina, dentre outros.
  •  Ácidos graxos: Ácido hexadecanóico
  • Ácidos fenólicos: Ácido p-hidroxibenzóico

Ações farmacológicas: In vitro mostrou atividade contra fungos. Atividade no tratamento de anemia falciforme (GRENAND et al., 1987). Os taninos são responsáveis pela ação antidiarréica da planta (POUSSET, 1989).

Efeitos adversos e/ou tóxicos: Os grãos desta espécie contêm cianetos, taninos e fitohemaglutininas . Por este motivo, deve-se evitar o consumo dos grãos verdes.

Em animais de laboratório foi observada uma tendência ao aumento da ocorrência de anomalias viscerais e malformações externas em filhotes cujas mães receberam extratos desta planta durante a gestação.

Contra-indicações:  O efeito em mulheres grávidas não é conhecido, porém é preferível que as gestantes evitem usar esta planta.

Posologia e modo de uso: As folhas são preparadas por infusão ou decocção, a partir de 15g de material para 1 litro de água . Também é utilizada a decocção dos grãos .

Na alimentação os grãos são cozidos como o feijão vulgar.

Observações: Considerada pela população como planta para ” levante de sangue”.

 

Referências:
AKOJIE, F.O.B.; FUNG, LW.-M. Antisickling Activity of Hydroxybenzoic Acids in Cajanus cajan. Planta Med., n. 5, p. 20-317, 1992.

COSTA, Joség. M. da et al. Evaluation of the antifungal activity and modulation between Cajanus cajan (L.) Millsp. leaves and roots ethanolic extracts and conventional antifungals. Pharmacognosy Magazine, [s.l.], v. 8, n. 30, p.103-106, 2012.

CORDOVIL, K. et al. Revisão das Propriedades Medicinais de Cajanus cajanna Doença Falciforme. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, [s.l.], v. 17, n. 43, p.1199-1207, 2015.

GRENAND, P.; MORETTI, C; JACQUEMIN, H. Pharmacopéas tradicionales en Guyane. Paris: Orstom, 1987.

GREEN, Paul W. C. et al. Phenolic Compounds on the Pod-Surface of Pigeonpea, Cajanus cajan, Mediate Feeding Behavior of Helicoverpa armigera Larvae. Journal Of Chemical Ecology, [s.l.], v. 29, n. 4, p.811-821, 2003.

IWU, M.M.; IGBOKO AO.; ONWUBJKO, H.; NDU, U. E. Effect of Cajaminose from Cajanus cajan on Gelation and Oxygen Affinity of Sickle Cell Haemoglobin. J. Ethnopharmacol., n.23, p.99-104, 1966.

LEMONIC, A. I. P.; ALVARENGA, C. M. D. Abortive and Teratogenic Effect of Acanthospermum hispidum DC. and Cajanus cajan (L.) Millsp. in Pregnant Rats. J. Ethnopharmacol., n.43, p. 39-44, 1994.

LORENZI, H.; MATOS, F. J. A. Plantas Medicinais no Brasil: nativas e exóticas. 2.ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2008.

PAL, Dilipkumar et al. Biological activities and medicinal properties of Cajanus cajan (L) Millsp. Journal Of Advanced Pharmaceutical Technology & Research, [s.l.], v. 2, n. 4, p.207-214, 2011.

POUSSET, J. L. Plantes Medicinales Africaines: Utilization Pratique. Paris: Agence de Cooperation Ellipses Culturelle et Technique, 1989.

RODRIGUES, Virginia F.; OLIVEIRA, Rodrigo R.; VEGA, Maria Raquel G.. A New Isocoumarin from Cajanus cajan (Fabaceae). Natural Product Communications, [s.l.], v. 9, n. 4, p.493-494, abr. 2014.

ROIG Y MESA, J. T. Plantas medicinales aromáticas o venenosas de Cuba. Habana: Cultural, 1945. p.326-327.

SHRIVASTAVA, S. K.; BAJPAI, R. K. A Study of Some Toxic Constituents of Five New Varities of Pigeon Pea (Cajanus cajan (L.) MiII sp.). Current Science, v.51, n.14, p. 4-703, 1982.

WENIGER, Β.; ROBINEAU, L. Seminário TRAMIL 3: Elements pour une Pharmacopée Caribe. Santo Domingo: Editora Compio, 1988.

J Adv Pharm Technol Res., [S.I.], v.2, n.4, p.14-207, Oct. 2011.

Biological activities and medicinal properties of Cajanus cajan (L) Millsp. Pal D, Mishra P, Sachan N, Ghosh AK. Source Division of Pharmaceutical Chemistry, School of Pharmaceutical Sciences, IFTM University, Lodhipur Rajput, Moradabad, Uttar Pradesh, India.

Pharmacogn Mag. 2012 Apr;8(30):103-6. Evaluation of the antifungal activity and modulation between Cajanus cajan (L.) Millsp. leaves and roots ethanolic extracts and conventional antifungals. Brito SA, Rodrigues FF, Campos AR, da Costa JG. Source Molecular Bioprospection Post-graduation Program, Laboratory of Natural Products Research, Department of Biological Chemistry, Regional University of Cariri, Crato, CE, Brazil.

Tags: AfecçõesCataporaCoceiraDiarreiasDor de denteGripeNutritivaResfriadoReumatismoSarampoTosse

ERVA-SILVINA

19/01/2020 23:10

Microgramma vacciniifolia  (Langsd.& Fisch.) Copel.

Polypodiaceae 


Sinonímias: Anapeltis vacciniifolia (Langsd. & Fisch.) J. Sm., Polypodium vacciniifolium Langsd.& Fisch., Marginaria vacciniifolia (Langsd. & Fisch.) C. Presl.

Nomes populares:  Erva-silvina, cipó-cabeludo, soldinha, solda, silvina, erva-tereza.

Partes usadas: Indicação popular de usar a planta toda.

Uso popular:  Problemas renais, reumatismos, tosse, tosse com sangue. Segundo o Pe. Ivacir José Franco (2007), “é recomendado o uso para hemorragias internas e externas: urina com sangue, diarréia, vômitos, escarros sanguinolentos e sangue no nariz. É adstringente e auxiliar no tratamento de varizes, males dos rins e bexiga”.

Composição química:  Partes aéreas: β-sitosterol, hopan-​22-​ol, 6-​metoxiapinenin-​7-​O-​β-​D-​allopyranoside, ésteres do ácido carboxilílico. Rizomas: lectinas.

Ações farmacológicas: As lectinas são glico-proteínas com atividades hemaglutinante, antifúngica e termiticida. Mostrou atividade antioxidante devido ao conteúdo em compostos fenólicos. Neste estudo também foram avaliados os efeitos antimicrobianos e alelopáticos.

Observações: Pássaros a utilizam para fazer ninhos ajudando na dispersão.

Eva Michalak (1997), faz menção à espécie Polypodium lycopodioides L., cujos nomes populares são cipó-cabeludo, erva-silvina ou soldinha, indicado para “escarros sanguinolentos, inflamação da bexiga, gota, frieira, rachaduras, coceiras, menstruação, nefrite, varizes. Em fricções tópicas, auxilia no tratamento do reumatismo.

 

 

Referências:
FRANCO, Ivacir (Pe.) “Ervas & Plantas: A medicina dos simples.” 11ª ed. Erexim, RS, 2004.

MICHALAK, E. “Apontamentos fitoterápicos da Irmã Eva Michalak”.Epagri, Florianópolis,SC, 1997.

PEREIRA de ALBUQUERQUE L. et all. “Toxic effects of Microgramma vacciniifolia rhizome lectin on Artemia salina, human cells, and the schistosomiasis vector Biomphalaria glabrata.” 2014 Oct;138:23-7. doi: 10.1016/j.actatropica.2014.06.005. Epub 2014 Jun 19.

PEREIRA de ALBUQUERQUE, Lidiane.; Maria de Sa Santana, Giselly; Pontual, Emmanuel Viana; Napoleao, Thiago Henrique; Breitenbach Barroso Coelho, Luana Cassandra; Paiva, Patricia Maria Guedes. ” Effect of Microgramma vaccinifolia rhizome lectin on survival and digestive enzymes of Nasutitermes corniger (Isoptera, Termitidae) From International Biodeterioration & Biodegradation (2012), 75, 158-166. (Scifinder) Acesso 14 SET 2015.

PEREIRA de ALBUQUERQUE, Lidiane; Santana Giselly Maria de Sa; Napoleao Thiago Henrique; Coelho Luana Cassandra Breitenbach Barroso; Silva Marcia Vanusa da; Paiva Patricia Maria Guedes “Antifungal activity of Microgramma vacciniifolia rhizome lectin on genetically distinct Fusarium oxysporum f. sp. lycopersici races”. From Applied biochemistry and biotechnology (2014), 172(2), 1098-105. (Scifinder) Acesso 14 SET.2015.

PERES, Marize T. L. P.; Simionatto, Euclesio; Hess, Sonia C.; Bonani, Vanderlea F. L.; Candido, Ana C. S.; Castelli, Caroline; Poppi, Nilva R.; Honda, Neli K.; Cardoso, Claudia A. L.; Faccenda, Odival. “Chemical and biological studies of Microgramma vacciniifolia (Langsd. & Fisch.) Copel (Polypodiaceae)” – From Quimica Nova (2009), 32(4), 897-901. (Scifinder) Acesso 14 SET. 2015.

http://www.ufrgs.br/fitoecologia/florars/index.php?pag=buscar_mini.php – Acesso 14 SET 2015.

http://www.tropicos.org/Name/26609816 – Acesso 14 SET 2015.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Lectina – Acesso 14 SET 2015.

Tags: hemorragiasReumatismoTosseVômitos

ERVA-DOS-GATOS

19/01/2020 22:54

Nepeta cataria  L.

Lamiaceae (Labiatae) 


Sinonímias: Calamintha albiflora Vaniot, Nepeta bodinieri Vaniot, Cataria vulgaris (L.) Gaterau, Glechoma cataria (L.) Kuntze.

Nomes populares:  Erva-dos-gatos, erva-gato, erva-gateira, catária, nêveda, nêveda-dos-gatos, erva-cidreira-do-cabo-branco, cat-mint (English, United States), catnip (English, Canada).

Origem ou Habitat: Originária da Europa e Ásia e introduzida em zonas temperadas.

Características botânicas:  Planta herbácea, perene, de odor intenso, ramificada, pubescente, ereta, de 40 cm a 1 m de altura. Folhas de 3-7 cm de comprimento, serradas, de cor verde-cinza e esbranquiçada na parte inferior, ovadas ou oblongas, pecioladas. Flores brancas, com manchas púrpuras, de 6 mm de comprimento, em densos verticilos terminais e em verticilos axilares espiciformes. Propaga-se por estaquia ou dividindo a raiz.

Partes usadas: Partes aéreas.

Uso popular:  Indicada o uso das partes aéreas da planta em casos de ansiedade, insônia, cãibras, cólicas intestinais, problemas respiratórios (tosse e bronquites) e ginecológicos (Cunha, et al., 2003). O chá é particularmente eficaz em cólicas intestinais e diarreias infantis e útil no tratamento de resfriados, irritabilidade e para menstruação atrasada. Externamente, pode ser aplicada sobre cortes e contusões (Stuart, 1981).

Composição química:  Óleo essencial (0,3 a 1%) contendo alfa-nepetalactona e beta-nepetalactona (70 a 90%), cariofileno, cânfora, humuleno, carvacrol, timol, pulegona (Cunha, et al., 2003), nepetol, ácido nepetálico (Stuart, 1981). Possui flavonoides livres e combinados e iridoides não voláteis (actinidina), saponinas, taninos e ácidos fenólicos (Cunha, et al., 2003). Foram também identificados em seu óleo essencial: 1,8-cineol (21,00%), alfa-humuleno (14,44%), alfa-pineno (10,43%) e acetato de geranil (8,21%) (Gilani, et al., 2009). Daucosterol (beta-sitosterol 3-O-beta-D-glucosideo), junto com pequenas quantidades de beta-sitosterol, campesterol, alpha-amirina and beta-amirina também foram isolados (Klimek, et al., 2005).

Ações farmacológicas: Antiespasmódica, antidiarreica, carminativa, estomáquica, emenagoga suave (Stuart, 1981). Possui ação sedativa ligeira atribuída às nepetalactonas e à actinidina e também conta com propriedades antipiréticas, diaforéticas e diuréticas (Cunha, et al., 2003) e broncodilatadora (Gilani, et al., 2009). O óleo essencial possui propriedades repelentes de insetos (contra mosca doméstica e baratas), e em estudos comparativos mostrou-se tão boa quanto ou até melhor que DEET (repelente químico) e citronelal (Schultz, et al., 2004).

Efeitos adversos e/ou tóxicos: Não são conhecidos efeitos tóxicos, porém seu uso não é recomendado na gestação (Cunha, et al., 2003). Considerada um alucinógeno suave se fumada (Stuart, 1981), com efeitos semelhantes, porém mais leves, que o da Cannabis sp. (Grognet, 1990).

Contra-indicações:  Seu uso não é recomendado na gestação.

Posologia e modo de uso: Infusão das folhas, de 2 a 3 vezes por dia (Cunha, et al., 2003).

Observações: A planta recebe estes nomes populares devido a atração que gera em gatos e outros felinos. Costuma-se esfregar brinquedos com esta planta para apresentá-los aos gatos..

 

Referências:
CUNHA, A. P., SILVA, A. P., ROQUE, O. R. Plantas e Produtos Vegetais em Fitoterapia. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2003. p. 5-204.

GILANI, A. H., et al. Chemical composition and mechanisms underlying the spasmolytic and bronchodilatory properties of the essential oil of Nepeta cataria L. Journal of Ethnopharmacology, [S. I.], v. 121, n. 3, p. 11-405, 30 Jan. 2009.

GROGNET, J. Catnip: Its uses and effects, past and present. Canadian Veterinary Journal, v. 31, n. 6, p. 455–456, June 1990. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1480656/pdf/canvetj00079-0049.pdf – Acesso em: 2 julho de 2012.

KLIMEK, B.; MODNICKI, D. Terpenoids and sterols from Nepeta cataria L. var. citriodora (Lamiaceae). Acta Pol Pharm. [S. I], v. 62, n. 3, p.5-231, 2005.

SCHULTZ, G. et al.Nepeta cataria (Lamiales: Lamiaceae)—A Closer Look: Seasonal Occurrence of Nepetalactone Isomers and Comparative Repellency of Three Terpenoids to Insects. Environmental Entomology, [S. I], v. 33, n. 6, December 2004, p. 1562-1569.

STUART, M. Enciclopedia de Hierbas y Herboristería. Barcelona: Ediciones Omega, S. A., 1981. p. 228.

www.tropicos.org – Acesso em: 01 de junho de 2011.

Tags: AnsiedadeBronquiteCãibraCólicaInsôniaResfriadoTosse
  • Página 2 de 4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4