ARNICA WEDÉLIA

28/12/2019 00:15

Sphagneticola trilobata  (L.) Pruski.

Asteraceae (antiga Compositae) 


SinonímiasWedelia paludosa DC., Wedelia trilobata (L.) Hitchc., Wedelia brasiliensis (Spreng.) S.F. Blake, Thelechitonia trilobata (L.) H. Rob. & Cuatrec., Stemmodontia trilobata (L.) Small, Sphagneticola ulei O. Hoffm., Silphium trilobatum L., Acmella brasiliensis Spreng., etc..

Nomes populares: Aarnica-do-mato, arnica-do-brejo, pseudo-arnica, vedelia, vadelia, malmequer, mal-me-quer do brejo, margaridão, pingo-de-ouro(SILVA, 2001), insulina vegetal (no RGS).

Origem ou Habitat: Planta nativa do Brasil, ocorre naturalmente ao longo da costa.

Características botânicas: É perene, herbácea e prostrada. Aprecia áreas úmidas, mas desenvolve-se também em outros ambientes, desde que não estejam sujeitas a secas prolongadas. Tolera sombreamento, porém floresce com mais intensidade ao sol. É também usada como planta ornamental. No Espírito Santo é encontrada invasora desde Vargem Alta, região serrana, até Itapemirim, região litorânea(SILVA, 2001).

Partes usadas: Flores e folhas.

Uso popular: dor neurogênica e inflamatória, afecções do trato respiratório, anti-inflamatória (MANCZAK, 1996), infecções bacterianas(SCHLEMPER, 1996), candidíase vaginal(SCHLEMPER, 1998), tosse(RONAN,2009), expectorante, anticonvulsiva(CARVALHO, et al., 2001). Na forma de tinturas é indicada para golpes, machucaduras, ferimentos, nevralgias, anemia, coqueluche, trombose e derrame de sangue(MICHALAK, 1997).

No Rio Grande do Sul usa-se o abafado das folhas para diabetes.

Composição química: Luteolina (flores e caules), ácido caurenóico (em maior concentração nas raízes), chalcona coreopsina (flores), esteróides e terpenóides (raízes),³ friedelan-3β-ol, ácido ent-16β-hidroxi-cauran-19-óico,¹ wedelactona(8) paludolactona,² ácido grandiflorênico(RONAN,2009) estigmasterol, glicosídeos de estigmasterol e sitosterol, ésteres derivados do ácido oleanóico(CARVALHO, et al., 2001).

  • Óleo essencial: (E)- cariofileno, α- pineno, canfeno, dentre outros.
  • Diterpenos: Ácido caurenoico
  • Flavonoides: Luteolina, Coreopsin
  • Lactonas sesquiterpenicas: Paludolactona
  • Esteroides: Estigmasterol
  • Ácidos fenólicos: Ácido clorogênico, ácido -5-O-cafeoilquinico, ácido -3-O-cafeoilquinico, dentre outros.

Interações medicamentosas: Não há estudos sobre interações medicamentosas , mas as indicações populares orientam cautela em quem usa medicamentos para diabetes.

Efeitos adversos e/ou tóxicos: Não há relatos de efeitos adversos na literatura; um usuário relatou sangramento retal após o uso durante tres dias de 15 gotas de uma alcoolatura feita em casa.

Contra-indicações: Um estudo em laboratório demonstrou atividade citotóxica de seu extrato hidrometanólico e de sua fração diclorometano, principalmente devido à presença dos ácidos caurenóico e grandiflorênico em suas composições (RONAN,2009), porém não foram encontradas referências clínicas e/ou populares sobre toxicidade na literatura consultada.

Posologia e modo de uso: A população costuma usar alcoolatura com a parte aérea, com as flores ou com as flores sem as lígulas para uso externo. O chá abafado, usado popularmente contra a diabetes, é feito com as folhas colocando uma colher de sobremesa em uma xícara de água quente e tomar 3 xícaras ao dia.

Observações: Na medicina Ayurvédica é utilizada a espécie Wedelia calendulaceae para dor de cabeça , diarréia e distúrbios hepáticos.

 

 

Referências: 
BATISTA, R. et al. Diterpenos tripanosomicidas de Wedelia paludosa D.C. In: SIMPÓSIO DE PLANTAS MEDICINAIS DO BRASIL. 14, 1996. Florianópolis-SC. Programa e Resumos. [Florianópolis, 1996]. p. 177.

BLOCK, L. C. et al. Estudos adicionais sobre a composição química de Wedelia paludosa DC (Compositae). In: SIMPÓSIO DE PLANTAS MEDICINAIS DO BRASIL. 15, 1998. Águas de Lindóia,SP. Programa e Resumos. [São Paulo, 1998?]. p. 135.

BRESCIANI, L. F. V. et al. Estudo fitoquímico e farmacológico caomparativo de diferentes partes da Wedelia paludosa (Compositae). In: SIMPÓSIO DE PLANTAS MEDICINAIS DO BRASIL. 15, 1998. Águas de Lindóia,SP. Programa e Resumos. [São Paulo, 1998?]. p. 85.

CARVALHO, G. J. A. et al. Diterpenos, triterpenos e esteróides das flores de Wedelia paludosa. Química Nova São Paulo, v.24, n.1, p. 24-26, Jan./Fev. 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-40422001000100006&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 20 julho 2010.

MANCZAK, A. et al. Efeito antinociceptivo do extrato hidroalcoólico obtido da Wedelia paludosa DC. In: SIMPÓSIO DE PLANTAS MEDICINAIS DO BRASIL. 14, 1996. Florianópolis,SC. Programa e Resumos. [Florianópolis, 1996?]. p. 95.

MARCONDES-ALVES, Leandro et al. Kaurenoic acid extracted from Sphagneticola trilobata reduces acetaminophen-induced hepatotoxicity through inhibition of oxidative stress and pro-inflammatory cytokine production in mice. Natural Product Research, [s.l.], v. 33, n. 6, p.921-924, 20 dez. 2017.

MICHALAK, I. E. Apontamentos fitoterápicos da Irmã Eva Michalak. Florianópolis: EPAGRI, 1997. 60p.

RONAN, B. et al. Cytotoxicity of Wedelia paludosa D.C. extracts and constituents. Revista Brasileira de Farmacognosia, João Pessoa, v. 19, n.1a,p. 36-40, Jan./Mar. 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-695X2009000100009&lng=en – Acesso em: 20 julho 2010.

ROSA, J. M. et al. Protective effect of crude extract from Wedelia paludosa (Asteraceae) on the hepatotoxicity induced by paracetamol in mice. Journal of Pharmacy and Pharmacology v.58, n.1, p. 137-142, jan 2006. Disponível em: http://www3.interscience.wiley.com/journal/123288476/abstract?CRETRY=1&SRETRY=0 – Acesso em: 20 julho 2010.

ROSSI, C. et al. Estudo do efeito hipoglicêmico do extrato hidroalcoólico de Wedelia paludosa em ratos diabéticos. In: SIMPÓSIO DE PLANTAS MEDICINAIS DO BRASIL. 15, 1998. Águas de Lindóia, SP. Programa e Resumos. [São Paulo, 1998?]. p. 71.

SCHLEMPER, S. R. et al. Avaliação das propriedades antiinfecciosas de algumas plantas medicinais da flora catarinense. In: SIMPÓSIO DE PLANTAS MEDICINAIS DO BRASIL. 14, 1996. Florianópolis,SC. Programa e Resumos. [Florianópolis, 1996?]. p. 125.

SCHLEMPER, S. R. M. et al. Atividade antibacteriana das frações semi-purificadas e dos princípios ativos isolados da Wedelia paludosa. In: SIMPÓSIO DE PLANTAS MEDICINAIS DO BRASIL. 15, 1998. Águas de Lindóia,SP. Programa e Resumos. [São Paulo, 1998?]. p. 53.

SCHLEMPER, S. R. de M. et al. Avaliação da atividade antifúngica, in vitro, de algumas plantas utilizadas na medicina popular para o tratamento de candidíase vaginal. In: SIMPÓSIO DE PLANTAS MEDICINAIS DO BRASIL. 15, 1998. Águas de Lindóia,SP. Programa e Resumos. [São Paulo, 1998?]. p. 53.

SILVA, R. C. Plantas Medicinais na Saúde Bucal. Vitória: [s. i.], 2001. p. 113.

VIEIRA, H. S. et al. Constituents from aerial parts of Wedelia paludosa. Fitoterapia, v.73, n.7, p. 854-856, 2001. Disponível em: http://link.periodicos.capes.gov.br/sfxlcl3?

VERMA, Ram S. et al. Essential oil composition ofSphagneticola trilobata(L.) Pruski from India. Journal Of Essential Oil Research, [s.l.], v. 26, n. 1, p.29-33, 26 jul. 2013.

SILVA, Cleber José da et al. Chemical composition and histochemistry of Sphagneticola trilobata essential oil. Revista Brasileira de Farmacognosia, [s.l.], v. 22, n. 3, p.482-489, jun. 2012.

FUCINA, Giovana et al. Topical anti-inflammatory phytomedicine based onSphagneticola trilobatadried extracts. Pharmaceutical Biology, [s.l.], v. 54, n. 11, p.2465-2474, 5 abr. 2016.

LANG, Keline et al. Biomonitored UHPLC-ESI-QTOF-MS 2 and HPLC-UV thermostability study of the aerial parts of Sphagneticola trilobata (L.) Pruski, Asteraceae. Talanta, [s.l.], v. 167, p.302-309, maio 2017.

http://buscador.periodicos.capes.gov.br:80

http://www.tropicos.org/- Acesso em: 14 de março de 2012.

Tags: Anti-inflamatórioAntibacterianaAnticonvulsivaCandidíaseTosse