BOLDO-ALUMÃ

04/01/2020 23:10

Gymnanthemum amygdalinum (Delile)Sch.Bip.ex Walp.

Asteraceae (Compositae) 


SinonímiasVernonanthura condensata (Baker) H. Rob., Vernonia bahiensis Toledo., Vernonia condensata Baker.

Nomes popularesAlumã, aloma, aluman, luman, boldo, boldo-baiano, boldo-goiano, boldo-de-Goiás, boldo-japonês, boldo-chinês, boldo-de-folha-larga, fel-de-índio, árvore-do-pinguço, alcachofra, cachofra, figatil, necroton, heparém, macelão, estanca-sangue, entre outros

Origem ou HabitatÁfrica tropical, trazida para o Brasil nos tempos coloniais.

Características botânicasArbusto grande ou arvoreta, pouco ramificada, de ramos quebradiços, de 2-4 m de altura. Folhas simples, inteiras, membranáceas, glabras, de 5-12 cm de comprimento, com sabor amargo. Flores discretas, de coloração esbranquiçada, reunidas em pequenas panículas terminais e axilares de capítulos alongados. O florescimento é discreto e ocorre no verão. Multiplica-se por estacas

Partes usadas: Folhas.

Uso popularA infusão das folhas é utilizada para problemas de vesícula biliar, diarreia, dispepsia (distúrbios digestivos) e como “protetor” hepático, para dores de cabeça relacionadas a problemas digestivos e também é usado em casos de colesterol elevado. A mistura com vinho é utilizada para inapetência.

Composição químicaPresença de saponinas, glicosídeo cardiotônico “vernonina”, flavonóides, óleos essenciais e substâncias amargas (lactonas sesquiterpênicas) ¹.

  • Glicosídeos esteroidais: vernoniosídeo B2, vernoniosídeo D, vernoniosídeo D1, vernoniosídeo D2 e vernosídeo ³.
  • Lactonas sesquiterpênicas: 19-hidroxivernolido, vernolido, vernodalina, 11β,13-diidro-hidroxivernolido, 11β13-diidro-19-hidroxivernolido.
  • Triterpenóides: lupeol e lupenol.

Apresenta um teor de cinarina maior que a alcachofra (Cynara scolymusL.)(MATOS, 2000)

Ações farmacológicas: Digestivo, tônico, diurético, colagogo, colerético, emenagogo, estimulante do apetite, analgésico, antiinflamatório, carminativo.

Interações medicamentosas: Não há relatos na literatura consultada

Efeitos adversos e/ou tóxicos: Não há relatos de usuários ou na literatura consultada. 

Contra-indicaçõesA falta de estudos sugere precaução de uso em grávidas e nutrizes.

Uso interno: Infusão de 1 folha picada em 150mL (xícara de chá) de água fervente. Utilizar 1 xícara de chá, 3x ao dia, antes das principais refeições;

Ou pode ser feito macerado em água fria, meia folha amassada em um copo de água por 10 minutos , coar e tomar 3 vezes ao dia.

Não há estudos sobre o uso crônico.

Observações: É uma planta de sabor amargo.

 

 

Referências: 
AMARAL, A.C.F.; SIMÕES, E.V.; FERREIRA, J.L.P. Coletânea científica de plantas de uso medicinal. Organizado por FIOCRUZ. Rio de Janeiro, Brasil: Abifito, 2005. p. 186-197.

ANVISA. RDC N° 10/2010. Diário Oficial da União (Imprensa Nacional), 2010. Ano CXLVII, N° 46, Seção 1. p. 52-59

LORENZI, H.; MATOS, F. J. A. Plantas Medicinais no Brasil: nativas e exóticas. 2. ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2008. 165p.

MATOS,F. J. A. Plantas Medicinais: guia de seleção e emprego de plantas usadas em fitoterapia no nordeste do Brasil. 2. ed. Fortaleza: IU, 2000.

PANIZZA, S. Plantas que curam (Cheiro de mato). 3ª. ed. São Paulo. IBRASA. 1998. p.

Tags: DiarreiasDispepsiaHipercolesteremia